Os capitães dos dois times se cumprimentam após o fim da final (Foto: Skysports)

Especial: As trajetórias de Chelsea e Tottenham desde a final da Capital One Cup

Os capitães dos dois times se cumprimentam após o fim da final (Foto: Skysports)
Os capitães dos dois times se cumprimentam após o fim da final (Foto: Skysports)

Quis o destino que dois rivais londrinos disputassem a final da última edição da Copa da Liga Inglesa. Tottenham e Chelsea se enfrentaram no jogo que serviu como vingança aos cinco gols que os Blues sofreram logo na virada do presente ano. A partida — que foi realizada no dia primeiro de março — , foi o último confronto entre os dois times, e muita coisa mudou a partir de então.

Leia Mais: “Chelsea vence Tottenham e conquista a Copa da Liga Inglesa”

Três dias depois, o Chelsea venceu o West Ham, fora de casa. O único gol da partida foi marcado por Eden Hazard, e o jogo foi tipicamente truncado, como indica a tradição nos dérbis que acontecem no Upton Park. Na mesma rodada, os Spurs venceram o Swansea por 3 a 2, com gols de Nacer Chadli, Ryan Mason e Andros Townsend.

Na semana seguinte, o Chelsea foi eliminado da edição 2014/15 da UEFA Champions League pelo Paris Saint-Germain, no critério do gol fora de casa, com um empate em Stamford Bridge por 2 a 2 proveniente das cabeças de Thiago Silva e David Luiz. Um péssimo resultado considerando o favoritismo do clube inglês, que empatou em uma bola o jogo no Parc des Princes, em Paris. O fim da participação do clube na competição continental ajudou a equipe a ter um calendário mais viável, sem tantos jogos e, consequentemente, com mais tempo de preparo e descanso para enfrentar os adversários que viriam em sequência pelo Campeonato Inglês.

Gol de Thiago Silva eliminou o Chelsea da Champions League (Foto: Reuters)
Gol de Thiago Silva eliminou o Chelsea da Champions League (Foto: Reuters)

E assim foi. O Chelsea foi campeão inglês pela quinta vez, três delas sob o comando do português José Mourinho. No domingo que precedeu o jogo da Champions League, o time de Stamford Bridge empatou num resultado de 1 a 1 contra o Southampton. Os Blues saíram na frente, com Diego Costa marcando aos 11 minutos, mas Dusan Tadic, aos 19 minutos, fez de pênalti o gol que sacramentaria o resultado final da partida. O Chelsea criou várias chances de gol, mas Fraser Forster impediu que o time da casa tivesse um resultado favorável.

Na mesma rodada, o Tottenham viajou para Old Trafford, onde jogou contra o Manchester United no mesmo dia. A partida terminou 3 a 0 para o time da casa, com Marouane Fellaini, aos 9, Michael Carrick, aos 19, e Wayne Rooney, aos 34, fazendo os gols.

Aflição para os Blues e os torcedores até o fim do campeonato

Contudo, um dos jogos mais marcantes da temporada aconteceu em Kingston upon Hull, onde o Chelsea visitou o time local e venceu por 3 a 2. Nada anormal por aqui, tirando o fato de que o jogo foi decidido com um gol sofrido proveniente de um suplente em um jogo que deveria ser fácil, de acordo com o elenco que José Mourinho tem em mãos. O time visitante teve um início fulminante, marcando dois gols em sete minutos — com Hazard aos 2 e Diego Costa aos 9. Entretanto, algo aconteceu dos minutos 26 ao 28, quando o Chelsea viu o jogo chegar ao empate em gols de Elmohamady e Abel Hernández, que aproveitou falha grotesca de Thibaut Courtois.

A sorte do Chelsea foi ter um talismã chamado Loïc Rémy, que foi fundamental na conquista do caneco, fazendo gols e dando assistências pontuais até o final da temporada. O francês entrou no lugar de Diego Costa aos 20 do segundo tempo e, no seu primeiro toque na bola, mandou a pelota para as redes. Teste para cardíaco até o fim do jogo. Alívio desde então.

E foi assim, desse jeito, que o Chelsea passou todo o resto da temporada. No sofrimento, no resultado mínimo, na defensiva. Um time sem expressão, sem vontade de marcar gols, só se preocupando em não levá-los e garantir qualquer resultado que desse três pontos, pois o título estava mesmo próximo.

Com exceção dos jogos em que enfrentou Leicester e Sunderland, em que venceu ambos por 3 a 1, nos últimos jogos da temporada, o Chelsea venceu apenas por um gol de diferença: 2 a 1 sobre o Stoke City em partida que Charlie Adam marcou um gol antológico sobre Thibaut Courtois; 1 a 0 quase nos acréscimos contra o Queens Park Rangers; 1×0 contra o Manchester United, com um gol de Hazard no único lance de perigo dos Blues na partida; um empate num jogo sem emoção alguma no Emirates Stadium, enfrentando o Arsenal; e a vitória contra o Crystal Palace em casa, por 1 a 0.

Além disso, o Chelsea — mesmo já campeão — fez uma apresentação pífia contra o West Bromwich Albion, no The Hawtorns, na qual perdeu por 3 a 0. O clube foi dominado por um time que ficou no meio da tabela do começo ao fim do campeonato.

O talismã Rémy fez o gol da vitória em Kingston Upon Hull (Foto: Getty Images)
O talismã Rémy fez o gol da vitória em Kingston Upon Hull (Foto: Getty Images)

Não foi muito diferente com o Tottenham, afinal, o clube do norte de Londres perdeu três dos nove confrontos que restavam para o fim da tabela: perdeu em White Hart Lane para o Aston Villa por 1 a 0; foi derrotado em seus domínios para o vice-campeão Manchester City, com um gol de Sergio Agüero aos 29 minutos, e foi goleado pelo Stoke City fora de casa levando gols de Charlie Adam, N’Zonzi e Mame Diouf.

Nos outros seis jogos, o time venceu por 4 a 3 o Leicester, em casa; empatou fora de casa contra o Burnley sem gols; surpreendeu o Newcastle United marcando três tentos no norte da Inglaterra; empatou por dois gols com o Southampton no outro lado do país; no dia 16 de maio venceu o Hull City por 2 a 0 e finalizou o campeonato no Goodison Park, contra o Everton, vencendo por 1 a 0.

Após 975 gols marcados por 20 equipes, as cortinas se fecharam para a Premier League. No dia 24 de maio, o elenco do Chelsea levantou merecidamente o troféu de campeão inglês após ter dominado o campeonato de ponta a ponta. Classificado para a próxima edição da Champions League como campeão nacional, o clube do oeste londrino terminou a campanha com 87 pontos conquistados — oito a mais que o vice-campeão Manchester City.

Já o Tottenham se classificou diretamente para a fase de grupos da Europa League após terminar o campeonato na quinta colocação, seis pontos abaixo do quarto colocado Manchester United. O inglês Harry Kane foi o vice-artilheiro do campeonato com 21 gols e Diego Costa ficou na terceira posição com um a menos. Disparado, Sergio Agüero marcou 26 gols, mesmo ficando fora do torneio por alguns jogos devido à lesões.

O capitão John Terry levantou o troféu da Premier League (Foto: Getty Images)
O capitão John Terry levantou o troféu da Premier League (Foto: Getty Images)

A temporada 2015/16 começa…

Com o fim do calendário, veio a janela de transferências para a próxima temporada. Emprestado ao Southampton na temporada 2014/15, o Tottenham assinou um contrato de cinco anos com Toby Alderweireld e contratou também Son Heung-Min por uma verba de 22 milhões de libras. Em contrapartida, alguns elementos do elenco na temporada passada foram negociados, como Paulinho, Lewis Holtby, Étienne Capoue, Benjamin Stambouli, Roberto Soldado e Aaron Lennon.

O Chelsea contratou três nomes importantes para 2015/16: o goleiro Asmir Begovic, do Stoke; o lateral-esquerdo Baba Rahman, do Augsburg; e, de última hora, o ala Pedro, do Barcelona. Após 11 anos vestindo a camisa azul de Londres, o goleiro Petr Cech deixou o Chelsea para assinar contrato com o Arsenal na transferência mais chocante da janela. Também foram negociados Filipe Luís, Thorgan Hazard, e Oriol Romeu. A janela ainda teve o empréstimo por parte do Monaco ao Chelsea de Radamel Falcao, que passou a última temporada emprestado ao Manchester United.

Diferentemente do Chelsea, o Tottenham conquistou uma vitória nos amistosos de pré-temporada. No dia 5 de agosto de 2015, os Spurs venceram o Milan por 2 a 0 pela Audi Cup. Segundo José Mourinho, “a pré-temporada é falsa”, pois os jogadores estão voltando às suas formas físicas e táticas. Diferentemente, Mauricio Pocchetino, técnico do Tottenham, disse que os jogos preparatórios longe de casa — em Munique, naquela ocasião — poderiam deixar os jogadores fatigados para o início da temporada, prejudicando o desempenho da equipe.

…e a situação se inverte completamente

Os Blues vieram à Premier League com o objetivo de defender o título e, até agora, falham miseravelmente. Com atuações muito aquém do exigível, o clube ocupa a alarmante 15ª posição, com apenas 14 pontos conquistados de 39 possíveis. São apenas quatro vitórias em 13 jogos. É inexplicável o péssimo desempenho dos campeões até agora, mas a mídia imprime boatos que alguns jogadores estariam fazendo complôs para derrubar Mourinho, mesmo com certos jogadores importantes e o próprio clube declarando abertamente apoio ao treinador.

Restam 25 rodadas e o Chelsea está 14 pontos  atrás do líder Leicester City. Ao contrário dos azuis, o Tottenham faz uma campanha de regular para acima da média, estando apenas dois pontos abaixo do primeiro lugar de classificação para a Champions League e com apenas uma derrota em catorze jogos. Apesar de perder só um jogo, o Tottenham empatou seis, estatística que, de certa forma, vem incomodando Pocchetino.

No último jogo, contra o West Ham United, o treinador argentino dos Spurs utilizou – e vem utilizando durante toda a temporada – um 4-2-3-1 que garante ao destaque da temporada passada, Harry Kane, liberdade para criar jogadas tanto para si, quanto para o time.

Além de Kane, Christian Eriksen vem em grande fase e certamente oferece perigo aos defensores adversários. No entanto, apenas eficácia ofensiva não ganha jogo, por isso o goleiro francês Hugo Lloris – que é um dos pilares do time do norte de Londres – garante boa proteção contra sua meta. Com exceção dos aqui destacados, não é um grande time, com grandes nomes, mas é uma equipe muito bem organizada e qu atrapalha e muito seus oponentes.

O Chelsea ainda procura se firmar na temporada (Foto: Getty Images)
O Chelsea ainda procura se firmar na temporada (Foto: Getty Images)

No domingo (29), Chelsea e Tottenham se encontram novamente em White Hart Lane às 10 horas da manhã no horário de Brasília. A última vez que o Chelsea visitou o estádio do Tottenham foi no dia 1º de Janeiro desse ano, e o jogo terminou com uma desastrosa atuação dos Blues, que perderam por 5 a 3 pelo Campeonato Inglês.

Continue Lendo: “Em jogo de oito gols, Tottenham bate o Chelsea, que agora divide liderança com o City”

No último jogo pela primeira divisão da Inglaterra, o Chelsea venceu o Norwich por 1 a 0 com gol de Diego Costa e vem embalado após vencer por 4 a 0 o Maccabi Tel Aviv, pela Champions League. O Tottenham também vem de um ótimo resultado pois venceu o West Ham United – que venceu o Chelsea por 2 a 1 – em uma partida completamente dominadora por parte do time do norte de Londres por 4 a 1.

O encontro do domingo será o quinto confronto direto entre Pocchetino e Mourinho, que ainda não venceu no estádio do Tottenham desde que assumiu novamente o comando dos Blues. A partida será valida pela 14ª rodada da Premier League e o Chelsea Brasil cobrirá o evento.

Compartilhe

Comments

Category: Conteúdos Especiais

Tags: