Batalha judicial entre Chelsea, Eva Carneiro e José Mourinho começa nesta quarta-feira (06)

(Foto: BPI/REX Shutterstock)
Momento que marcou o início de temporada do Chelsea (Foto: BPI/REX Shutterstock)

Acontece nesta quarta-feira (06), o primeiro capítulo judicial envolvendo o time de Stamford Bridge, o ex-técnico José Mourinho e a ex-médica Eva Carneiro. O caso será julgado por um Juiz do Trabalho, no Tribunal do Trabalho, no sul da cidade de Londres.

Leia mais: Médico da FIFA garante apoio a Eva Carneiro em processo contra o Chelsea

A audiência irá lidar com declarações de testemunhas e divulgação de documentos, incluindo textos e e-mails de cada lado, bem como quaisquer disputas processuais legais que existem entre as partes.

A data para uma audiência completa ainda está em discussão, mas deve acabar por acontecer em junho, logo após o término da temporada atual. Existe também a possibilidade de haver uma outra audiência preliminar organizada antes da decisão final. As partes podem chegar a um acordo antes que o caso seja ouvido.

O Chelsea, que já apresentou sua defesa no mês passado, é acusado de comportamento hostil. A ex-médica da equipe principal também tem uma ação legal pessoal separada contra o ex-treinador do clube, José Mourinho, por alegada vitimização e discriminação.

A médica, de 42 anos, foi retirada de seus deveres na primeira equipe após Mourinho criticar a ela e ao fisioterapeuta Jon Fearn, que foram à campo para tratar de Eden Hazard no dia da abertura da temporada na Premier League, contra o Swansea City, em jogo que terminou empatado por 2 a 2.

A ação de Carneiro e Fearn com Hazard significou que o Chelsea ficou, temporariamente, com nove homens em campo contra o Swansea – Thibaut Courtois havia sido expulso após cometer penalidade. Mourinho chamou Carneiro e Fearn de impulsivos, ingênuos, além de afirmar que ambos desconheciam o ambiente de jogo.

Desde então, Carneiro foi impedida de trabalhar no clube e assim que foi chamada para retornar às atividades – cerca de um mês depois da discussão – ela pediu demissão e imediatamente abriu processos contra o Chelsea e Mourinho.

Mourinho foi inocentado de usar linguagem discriminatória em relação à ela por inquérito instaurado pela Associação de Futebol da Inglaterra, a FA. Carneiro criticou o órgão por não chamá-la para depor como parte das investigações.

Category: Chelsea Football Club

Tags:

Article by: Murilo César