Lupa Tática: Quando o 8 se disfarça de 19

A importância de Mason Mount para o futuro do Chelsea

Mason Mount foi um dos principais jogadores da temporada do Chelsea. Aos 21 anos, o jovem demonstrou grande potencial logo nas categorias de base. Assim, a comparação com o ídolo Frank Lampard foi inevitável. Contudo, o meia de grande capacidade técnica teve que passar pela via dos empréstimos antes de chegar e se firmar no time principal, justamente sob comando do treinador inglês.

Todavia, com as novas faces que chegam ao clube para a próxima temporada, o papel do meia fica em cheque. Onde o camisa 19 se encaixa no sistema do antigo camisa 8? O Lupa Tática desta semana expõe as opções que o treinador terá com as contratações e a importância de Mount ao longo da campanha. Confira no texto como o jovem pode cavar um espaço no time titular.

Desenvolvimento rápido

Desde os seis anos na academia do Chelsea, Mount teve dois empréstimos como parte do seu desenvolvimento. O primeiro, para o Vitesse, viu o jovem ser eleito o Jogador da Temporada do time holandês e terminar a campanha com 13 gols e 10 assistências em 40 jogos. Assim, seus atributos ofensivos ficaram evidentes e a característica de “pisar na área” foi bem explorada. Apesar de um início com dúvidas, jogou todos os minutos do time de novembro até o fim da época.

Mount se movimenta pelos flancos

No Vitesse, o jogador tinha liberdade de posicionamento (Foto: Reprodução Sofascore)

Tal desempenho o fez ser chamado por Frank Lampard para vestir a camisa 8 do Derby County durante a primeira temporada do ídolo como treinador. Mount participou de 45 jogos, sendo 41 como titular. Desses, 37 vezes atuou pelos 90 minutos. Jogando mais recuado para armar as jogadas, o inglês foi responsável por 11 gols e seis assistências na campanha da Championship.

mount no chelsea fica mais na esquerda

No Chelsea, o meia tem o lado esquerdo como preferido (Foto: Reprodução Sofascore)

Com a chegada de Lampard ao Chelsea, o pupilo teve chances de se provar no time principal. Não à toa tornou-se o primeiro da base a garantir 50 aparições na temporada de estreia. Com a camisa que bem conhece, o camisa 19 só não foi utilizado em duas partidas em toda a campanha, terminando com oito tentos e seis passes para gol.

Estilo de jogo compatível com a liga

Com um estilo de jogo muito comparado ao do ex-camisa 8 dos Blues, Mount tem em Lampard a sua principal inspiração como atleta. Entretanto, dentro de campo, muitos aspectos os diferenciam. O jovem é mais dinâmico e veloz do que o atual treinador foi e tem a movimentação e o trabalho sem a bola suas principais características.

Sua qualidade técnica também é inquestionável. Portanto, dribles, arrancadas e passes precisos não são um problema. Contudo, a sua capacidade de tomada de decisão deve ser trabalhada conforme for amadurecendo como jogador. Além disso, a precisão do chute também não foi das melhores durante o primeiro teste na elite inglesa.

mount pressiona zagueiro

Contra o Leicester, Mount pressionou Ndidi antes mesmo da bola chegar ao atleta (Foto: Reprodução Youtube Nouman)

Boa parte dessas deficiências também se devem ao fato de que Mount é um jogador sem tanta força muscular. Apesar de ter boa base e equilíbrio, muitas vezes o atleta não tem a vantagem física para definir a jogada da melhor forma. Isso só é acentuado devido à natureza da própria liga. Ou seja, é algo que o jogador deve investir se quiser ter um futuro longevo e sem lesões com a camisa dos Blues.

O que mais impressiona, todavia, é a sua aptidão defensiva e o trabalho que faz na recuperação da posse e na primeira linha de pressão. Seus números defensivos na temporada demonstram que, além de tenacidade para pressionar os adversários, ele demonstra inteligência para interceptações. Além disso, partindo da posição de meia ofensivo, Mount é especialmente perigoso na troca de posição com os jogadores de lado e na chegada dentro da área para finalizar ou auxiliar o centroavante na criação de jogadas.

Projeção para a próxima temporada

Apesar de ótima temporada de estreia, Mount pode ter seus minutos em campo diminuídos. As chegadas de Hakim Ziyech e Timo Werner, além da provável vinda de Kai Havertz, restringir a atuação do jovem.

Mas, se tem uma coisa que ele demonstrou desde a base foi a mentalidade correta e o trabalho duro. Portanto, a sua identificação com o clube pode ser chave para conquistar seu lugar ao sol. Além disso, a sua versatilidade com certeza coloca um sorriso em Lampard na hora de escalar a equipe. Sendo assim, o treinador terá um jogador que pode atuar em vários esquemas. A prova disso é que coleciona aparições consistentes em oito funções diferentes ao longo da breve carreira.

Um mar de opções para Frank

Pelos Blues, Mount costuma cair com mais frequência pelo lado esquerdo do campo. Mesmo quando joga em uma trinca de meio-campo (4-3-3), centralizado ou aberto, seu trabalho ainda é avançar pelo flanco, marcar a saída de bola adversária e ligar-se ao ponta. Sua conexão com Pulisic e Callum Hudson-Odoi é particularmente notável nesta posição.

mount passa por abraham

Mount faz bem a ultrapassagem,se aproveitando do pivô de Abraham (Foto: Reprodução Youtube Nouman)

Já quando atua pelo meio em um 4-2-3-1 é que a liberdade de posicionamento lhe favorece mais. Assim, partindo desta posição, o inglês pode cair por ambos os lados. Mas, acima de tudo, pode unir-se ao centroavante na pressão e construção de jogadas. Além disso, sua visão de jogo permite que avance em velocidade nas costas da zaga após o pivô ou recue junto aos volantes para dar opção na saída de bola.

Lampard também gosta de utilizar o jogador na linha de frente. Assim, a sua trinca ofensiva fica com mais capacidade de marcação e deixa o meio de campo mais sólido. Ao mesmo tempo, um meia na posição de atacante ajuda na criação de jogadas. Apesar de não ser tão incisivo, consegue favorecer trocas de passe e movimentação no último terço.

Lugar cativo mesmo com as novas caras

Apesar de saber da sua juventude , Lampard já demonstrou confiança em Mount. Desde a temporada 2018-19 ele é um dos mais utilizados pelo treinador. Além disso, é o responsável por imprimir a alta rotação desejada pelo manager. Então, mesmo com as novas contratações, ele já parte de uma posição privilegiada.

lampard levou mount para o derby county

Mount e Lampard estão trabalhando juntos desde o Derby County [Foto: Andy Clarke]

Em resumo, independente da ideia de jogo que for implementada, o camisa 19 pode se adequar. Se o técnico preferir atuar com dois atacantes de ofício, Mount tem a opção de armar o ataque atrás deles ou ser deslocado para a ponta em uma eventual pressão. Por outro lado, em caso de contra-ataque, ele pode trabalhar pelas pontas ou por dentro carregando a bola em velocidade.

Se Lampard precisar de mais poder de criação, pode colocar Mount, Havertz e Ziyech atrás de Werner. Se o treinador optar por meias ofensivos municiando a trinca ofensiva, Barkley ou Loftus-Cheek podem ser os companheiros do jovem. Por fim, mesmo com três zagueiros, o inglês pode ser colocado como segundo atacante, meia ofensivo ou meia central.

O melhor professor possível

Para um meia atacante jovem não há melhor professor do que Frank Lampard. O ídolo dos Blues foi um dos melhores de todos os tempos na posição. Muito das suas características como jogador influencia suas decisões como técnico. O sistema de pressão alta, transição em velocidade, jogo ofensivo e arremates de longa distância foram a tônica de seus anos como camisa 8 dos Blues. Portanto, Mount só tem a crescer sob a tutela do manager. Da mesma forma, ele só tem a ganhar com a presença de um jogador tão versátil.

mount e lampard

Mount é a personificação do estilo de Lampard no gramado (Foto: Getty)

Além disso, sua compatibilidade com a dinâmica da Premier League e o contato próximo com diversos dos jogadores do clube o tornam um “bem” inegociável. Com apenas 21 anos e agora tendo companhia para dividir a responsabilidade, não há previsão otimista demais para onde pode parar o camisa 19, que mais parece com um certo 8.

Lucas Jensen

Jornalista que ainda acredita que o futebol pode ser apreciado sem torcer (mas não se segura e torce mesmo assim). Fã de tática e do jogo reativo, se deleita nos contra-ataques e toques 'de primeira'. Amante racional da Premier League e nostálgico do Calcio, seus hobbies incluem teorias mirabolantes e soluções inusitadas.