Como joga: Leicester é o adversário do Chelsea neste sábado e na próxima terça 

Antes de mais nada, o torcedor do time azul deseja que a confiança adquirida nesse momento da temporada seja colocada em campo nestas duas finais do mês de maio. A primeira decisão irá acontecer neste fim de semana. Primeiramente, no sábado, 15, às 13:15, o Chelsea duela com o Leicester, no Wembley, e o clube vencedor irá erguer a taça de campeão da FA Cup de 2020/21. É hora da verdade para os Blues e para os Foxes!

Além desta decisão, uma grande coincidência irá fazer com que os times se enfrentam duas vezes em três dias. Na terça-feira, 18, o Stamford Bridge irá receber Chelsea e Leicester, mas, desta vez, a partida é válida pela Premier League. O jogo da 37ª rodada do torneio nacional acontecerá às 16:15. 

O Chelsea Brasil traz para você um Guia especial detalhando todos os rivais da semana. Excepcionalmente, nesta oportunidade, o adversário de duas partidas consecutivas é o Leicester e você pode conferir estatísticas, curiosidades e como joga a equipe rival!

O melhor time fora do Big Six há anos

O Leicester já se consolidou como um dos times mais fortes da Premier League. Após o surpreendente título de 2015/16, os Foxes venderam alguns dos seus destaques – N’Golo Kanté e Riyad Mahrez deixaram o time – e, mesmo assim, o time seguiu incomodando os rivais mais poderosos. Eles são considerados por muitos como o melhor time fora do Big Six há algumas temporadas e está em um ótimo ano, novamente. 

Na última temporada, fez ótima campanha, mas deslizou após a pausa para a pandemia e acabou perdendo a vaga para a Champions League desta temporada. 

Atualmente, o time de Brendan Rodgers está em 3º na Premier League, ou seja, está próximo da classificação para a Liga dos Campeões. Também passou boa parte do Campeonato Inglês entre os quatro times mais fortes e está na final da FA Cup, a qual irá disputar com o Chelsea neste final de semana. A temporada pode ser maravilhosa, visto que um título inédito da mais tradicional copa inglesa e uma classificação para a Champions marcaria este elenco. 

A importância dos dois duelos

No sábado, 15, os times se enfrentam pela decisão da FA Cup e a equipe que vencer irá soltar o grito de “É campeão”. Para o Leicester, trata-se de um título nunca conquistado, enquanto para o Chelsea é a possibilidade de conquistar duas copas neste mês de maio, já que o time de Londres está na final da Champions League. 

Três dias depois, na terça-feira, 18 de maio, os rivais se reencontram pela Premier League. Um dos times estará “rindo à toa” com o título do final de semana, enquanto o rival estará “mordido” pelo vice-campeonato. Além deste ingrediente especial, o jogo é muito importante pela possibilidade de ser o jogo da classificação para a Champions League da temporada 2020/21. 

Atualmente, o Leicester está em 3º com 66 pontos e o Chelsea é o 4º com 64 tentos. Dependendo dos resultados do final de semana, as duas equipes irão entrar na partida da Premier League com a classificação bem ameaçada ou praticamente definida. Esta situação depende dos rivais Liverpool e West Ham, equipes que jogam nesta quinta, 13, e no fim de semana. 

Duas curiosidades perigosas

Duas curiosidades deixam o Leicester ainda mais perigoso: a equipe venceu a maioria dos jogos contra o Big Six nesta temporada e, longe de casa, o time de Brendan Rodgers costuma ter mais sucesso.

Contra os clubes mais poderosos da Inglaterra, os Foxes mostraram as suas forças. A equipe se posicionou nos duelos mais complicados e cada dia mais ganha força dentro do país. Os Foxes disputaram doze jogos frente ao Big Six nesta temporada e venceu em sete oportunidades, ou seja, mais da metade dos confrontos. Nestes duelos, houve um empate e o Leicester perdeu quatro vezes. É importante destacar que, nas quartas de final da FA Cup, o time do leste da Inglaterra bateu o Manchester United por 3 a 1. 

Outra questão importante é que eles são um visitante bem indigesto. Na Premier League, a equipe de Jamie Vardy conquistou mais pontos longe do seu lar do que dentro do King Power Stadium: são 38 pontos conquistados fora de casa e apenas 28 no seu estádio. E os dois confrontos frente ao Chelsea serão disputados em Londres, ponto que alegra os torcedores do Leicester devido às estatísticas acima. A final do dia 15 será disputada no Wembley, em campo neutro, e o segundo jogo, já pelo Campeonato Inglês, acontecerá no Stamford Bridge, pois o Chelsea é o mandante.

As finais de FA Cup das equipes

Chelsea e Leicester irão decidir a FA Cup nesta tarde de sábado e não é uma simples final, visto que trata-se da competição mais antiga do futebol mundial. A Copa tem muita tradição, importância e é um dos títulos mais visados pelas equipes inglesas. E esta final marcará o encontro do 3º maior campeão da competição com o time que mais vezes foi vice-campeão sem levantar a taça. 

Ao olhar a tradição, o time de Londres é amplamente favorito. O Chelsea venceu a FA Cup em oito oportunidades (1970, 1997, 2000, 2007, 2009, 2010, 2012 e 2018) e foi vice em outras seis vezes (1915, 1967, 1994, 2002, 2017 e 2020) , ou seja, esta será a 15ª final disputada pelos Blues. O time inglês é o 3º maior campeão da competição e, em caso de conquista, empata com o rival Arsenal como os clubes que mais ganharam a competição no novo milênio. Desde 2000, os Gunners levantaram sete taças e o Chelsea busca este sétimo título no próximo sábado.

Já o Leicester ostenta o dramático fato de ser a equipe sem títulos da FA Cup que mais vezes “bateu na trave”. O clube foi vice em quatro oportunidades (1949, 1961, 1963 e 1969) e voltou a uma decisão da Copa da Inglaterra após 52 anos. O time do leste inglês é o time que mais vezes disputou a final da FA Cup sem nunca ter conquistado e, certamente, os Foxes querem apagar esta escrita com um título na 5ª final disputada. 

Histórico do confronto

O retrospecto indica um amplo domínio do Chelsea nos 118 duelos entre as equipes. Em resumo, os Blues venceram 57 jogos – quase metade das partidas -, houve empate em 34 oportunidades e o Leicester bateu o rival somente 27 vezes. 

Pela Premier League, competição que os times irão se enfrentar na próxima terça-feira, 18, as equipes duelaram 29 vezes. O clube de Londres venceu 14 partidas, enquanto os Foxes saíram vitoriosos em seis oportunidades. Os outros nove confrontos terminaram em empate.

Programa da única final disputada entre Chelsea e Leicester: Copa da Liga de 1965. Fonte: Vintage Football Programmes.

Já na FA Cup, torneio que os rivais irão decidir neste sábado, 15, o Chelsea carrega um histórico invicto frente ao Leicester. As equipes se enfrentaram em sete mata-matas desta copa (1920, 1946, 1997, 2000, 2012, 2018 e 2020) e os Foxes nunca se classificaram. Como houve dois replays, foram nove duelos disputados na Copa da Inglaterra e o Chelsea venceu sete, além dos dois empates que forçaram o jogo extra.

Além deste imenso domínio, outro fato histórico anima a torcida londrina na final: os times se enfrentaram em uma decisão e o clube de Londres ergueu a taça de campeão. Em 15 de março e 5 de abril de 1965, Chelsea e Leicester decidiram a Copa da Liga Inglesa daquela temporada e a equipe azul da capital foi campeã após vencer o 1º jogo por 3 a 2 e apenas empatar sem gols na partida de volta.

 

League Cup Final 1965; Leicester City vs Chelsea (Foto: Ellman/Mirrorpix/Getty Images)

Jogo anterior

A importância da derrota para o Chelsea

Em 19 de janeiro de 2021, Chelsea e Leicester se enfrentaram e o jogo marcou a temporada dos Blues pela derrota. Sim, o triunfo dos Foxes por 2 a 0 no 1º turno do Campeonato Inglês foi importantíssimo para o fim de temporada da equipe de Londres.

Aquela partida foi o último jogo de Premier League de Frank Lampard no comando e, para muitos, a razão final para a demissão. O ídolo inglês esteve no jogo do meio de semana seguinte, contra o Luton Town, venceu a partida, mas foi demitido logo em seguida.

Thomas Tuchel assumiu a área técnica após a demissão de Lampard e o resto é, literalmente, história.

O jogo em si

É necessário valorizar a boa atuação do Leicester no último e único jogo entre as equipes na atual temporada. O Chelsea teve domínio da posse de bola, mas os Foxes acertaram o alvo em seis de oito finalizações e estiveram tranquilos em busca da vitória desde o início da partida. 

Aos 6, após cobrança curta de escanteio, Marc Albrighton fez o toque para o meio, Harvey Barnes furou e a bola sobrou para Wilfred Ndidi. O volante nigeriano estava livre, dentro da meia-lua, e acertou um lindo chute de perna esquerda. A bola ainda bateu na trave e o goleiro Edouard Mendy não conseguiu fazer nada. O Leicester seguiu em cima e aos 16 quase marcou em um chute de James Maddison que bateu no travessão. 

O Chelsea teve um pênalti marcado aos 37, mas a falta foi feita fora da área, o árbitro revisou e Mason Mount cobrou a infração para fora. Cinco minutos depois, após belo lançamento de Albrighton e falha da defesa dos Blues, Maddison esperou a saída do goleiro adversário e bateu no canto esquerdo de Mendy: 2 a 0 no fim do 1º tempo.

A 2ª etapa não contou com muitos lances importantes e o Chelsea não conseguiu reagir. Timo Werner e Albrighton marcaram gols nos 45 minutos finais, mas estes tentos foram, corretamente, anulados pela arbitragem. Enfim, 2 a 0 para o Leicester em janeiro de 2021.

Como joga?

Na última partida, o time venceu o Manchester United em Old Trafford. Contudo, algumas características do desempenho dos Foxes contra os maiores clubes chamam a atenção.

Na maioria das partidas, o Leicester é amplamente dominante, finaliza muito mais do que o adversário, além de ter a posse da bola. Como exemplo, nas últimas cinco partidas, o time teve posse de bola com média de 64,8% e finalizou 90 vezes, ou seja, 18 de média por partida. A equipe impõe o seu jogo, todavia isso não acontece sempre. 

Contra o Big Six, tem bons números e pontua bastante, como destacado anteriormente, mas não consegue impor a sua forma de jogo. Nos últimos cinco duelos frente às equipes mais poderosas, os Foxes tiveram menos posse de bola em todas e finalizaram mais em apenas duas oportunidades – ambas contra o Manchester United.

Os jogadores

Durante a temporada, o Leicester passou por alguns problemas físicos e se adaptou ao 3-4-1-2, esquema que aparenta ser o ideal para o consistente elenco dos Foxes. A escalação começa com Kasper Schmeichel, ótimo goleiro que tem 11 clean sheets na PL – 4º melhor nesta estatística. Na defesa, o jovem e talentoso Wesley Fofana tem a companhia do experiente Jonny Evans e do artilheiro da última partida, Caglar Söyüncü, autor do gol da vitória sobre o Manchester United. Uma trinca de defensores alta, bem postada e com talento. 

Fonte: ShareMyTatics.com

Nas alas, conta com Timothy Castagne como titular indiscutível e existe uma dúvida na esquerda. Luke Thomas foi titular nos últimos jogos, marcou um belo gol contra o United e está evoluindo, porém tem apenas 19 anos e pode ser substituído por Ricardo Pereira. O ala-direita português, que também atua pela esquerda- ou Castagne joga do outro lado -, tem muita habilidade, mas sofreu bastante com lesões nesta temporada. 

No meio-campo, Wilfred Ndidi e Youri Tielemans se completam e estão em ótima temporada. O nigeriano é mais marcador e o belga chega mais na área adversária, dando ritmo ao time e conectando defesa ao ataque. Na armação, James Maddison tende a ser o titular, visto que está se recuperando de lesão há algumas semanas. O inglês é o craque do Leicester, mas, se não estiver 100%, Ayoze Pérez deve ganhar mais uma chance.

Finalmente no ataque, a temporada do Leicester ficará marcada por um caso surpreendente: a ascensão de Kelechi Iheanacho. O atacante está muito bem em 2021, é o artilheiro da equipe na temporada com 18 gols e se encaixou ao lado do lendário Jamie Vardy. É notável que o centroavante inglês adora marcar gols contra o Big Six: são 43 gols e 13 assistências em 86 jogos. 

A escalação

Como é possível analisar ao ver os feitos da equipe, trata-se de um dos times mais organizados da temporada. O Leicester chegou nesta reta final em 3º colocado da PL, finalista da FA Cup e com passaporte para a Champions League praticamente carimbado devido à sua consistência. Em meio a diversas variações – mais reativo ou mais impositivo, dependendo do confronto -, estiveram bem durante toda a temporada 2020/21.

Por fim, o treinador Brendan Rodgers terá algumas dúvidas, principalmente na ala-esquerda e na escalação do armador, já que James Maddison não está 100%, aparentemente. Mesmo assim, o Leicester deve entrar em campo com Schmeichel; Fofana, Evans e Söyüncü; Castagne, Ndidi, Tielemans e Luke Thomas; Maddison; Vardy e Iheanacho.

Category: Conteúdos Especiais

Tags:

Article by: Pedro Bueno