Análise da Temporada 2011-12: Laterais

Cole e Bosingwa caem no gramado

Com o término da fantástica temporada 2011-12 para o Chelsea, onde fomos campeões da FA Cup e enfim da UEFA Champions League, as novidades aparecem aos poucos. Mas para não perder o ritmo, o Chelsea Brasil preparou uma série que irá ao ar às sextas com a análise de cada jogador do clube na temporada, com um post por cada posição.

ANÁLISE DOS GOLEIROS

Ashley Cole

Um dos medalhões do elenco do Chelsea, Cole teve uma temporada com momentos difíceis, mas que, assim como outros pilares do elenco, mostrou-se especialista em momentos decisivos, onde o mais fino do seu futebol retornou e garantiu os dois títulos para o clube.

Com André Villas-Boas, ele iniciou a campanha como titular, mas em um esquema muito exposto e ofensivo, algumas falhas defensivas renderam algumas críticas à Cole. Ele chegou a ser expulso em uma partida contra o Swansea City, após receber o segundo cartão amarelo na partida.

O pior momento de toda a temporada talvez tenha sido quando Cole, na partida contra o Napoli, na Itália, foi barrado na lateral esquerda, sendo preterido por uma improvisação de José Bosingwa, por André Villas-Boas. O time perdeu por 3×1 e logo depois, AVB caiu.

No entanto, Cole entrou no segundo tempo da partida e salvou uma bola em cima da linha, que seria o quarto gol do time italiano. Ele repetiria o milagre na partida de ida contra o Barcelona, em Stamford Bridge. Duas intervenções que fizeram toda a diferença do mundo na temporada.

Com Di Matteo no comando, o lateral logo foi retomando sua boa forma, inclusive atuando no jogo de volta. Os jogos da Champions League com certeza foram o auge do camisa 3 na temporada. Fez ótimas partidas contra Benfica, nos jogos de ida e volta, e chegou a seu auge nos três jogos finais da competição.

Grandes atuações em dois jogos contra o Barcelona e uma final soberba contra o Bayern de Munique, onde anulou Robben, garantiu a Cole o título que ele havia perdido em 2006 (com Arsenal) e 2008 (com Chelsea). Na final da FA Cup, Cole também foi destaque, ao anular todo o lado direito do Liverpool e se sagrar o jogador que mais venceu a competição na história, com sete conquistas.

Melhor Momento

Foram as duas bolas tiradas em cima da linha: contra o Napoli, na Itália, e contra o Barcelona, em Londres. Elas impediram uma goleada do Napoli e o empate do Barcelona, logo, garantindo também a permanência do Chelsea na Champions League.

Pior Momento

É verdade que Cole passava por problemas físicos, mas logo após uma semana onde foi acusado de ser um dos pilares do elenco que conspirava contra o treinador, ficar no banco para o improvisado Bosingwa foi uma baixa para Cole na temporada.

Números

Jogos: 48
Assistências: 11

Nota: 8,0

José Bosingwa

 

Bosingwa foi imediatamente efetivado no time titular por Villas-Boas e retribuiu a confiança com muitos erros defensivos que custaram muitos gols a defesa do Chelsea. No entanto, cresceu em momentos decisivos e se redimiu com um grande fim de temporada.

Com AVB, tinha liberdade para atacar e deixava muitos espaços. Chegou a marcar um gol de empate importante contra o Swansea City, no último minuto da partida. No entanto, errava cruzamentos demais, além de cometer muitas faltas perto da área.

Logo, passou a ser caçado pela torcida, ainda que continuasse a ter muita moral com o compatriota Villas-Boas.

Com Di Matteo, perdeu a vaga para Ivanovic. Quando entrava, continuava sem passar muita confiança, mas desempenhou um papel vital nas duas últimas partidas da Champions League. No jogo de volta contra o Barcelona, após lesão de Cahill e expulsão de Terry, restou a Bosingwa atuar improvisado no miolo da zaga e marcar nada menos que Lionel Messi.

Com muita raça, ele conseguiu uma atuação heróica que, ao lado do restante do time, segurou o Barça e garantiu o Chelsea na grande final. Na final da FA Cup, contra o Liverpool, ficou marcado por uma falha no gol dos Reds, que quase comprometeu o título do Chelsea, apesar de ter feito uma boa partida.

Em Munique, uma excelente atuação que anulou Frank Ribery garantiu a José Bosingwa uma excelente última imagem dele com a camisa do Chelsea, por onde não teve uma grande passagem: levantando o troféu da Champions League.

Melhor Momento

Atuar improvisado no miolo da zaga contra o Barcelona, em pleno Camp Nou, e segurar Messi e cia. Uma partida memorável de José Bosingwa.

Pior Momento

Bosingwa já estava confirmado como titular na decisão em Munique, e agora jogava a decisão da FA Cup em Wembley. O Chelsea abriu 2×0 e Bosingwa vinha fazendo ótima partida, mas uma falha no gol do Liverpool deixou todos os torcedores receosos sobre a final em Munique. Por sorte, o Chelsea sagrou-se campeão, de ambos torneios, com Bosingwa jogando muito bem contra o Bayern.

Números

43 jogos
1 gol (o outro, contra o Swansea, foi assinalado como gol contra)
2 assistências

Nota: 7,0

Paulo Ferreira

Cada vez mais figurante no elenco do Chelsea, Paulo Ferreira ficou marcado por uma atuação em especial na temporada: o jogo de ida contra o Benfica. Na ocasião, ele fez uma grande partida, anulando o lado esquerdo do time português e garantindo a vitória sem sofrer gols para os Blues: 1×0.

Foi uma atuação determinante e Paulo Ferreira merece créditos também pela conquista do time na Champions League. Fora isso, ele atuou apenas 9 vezes durante a temporada. Outro momento de destaque foi uma partida contra o Tottenham, em White Hart Lane, onde ele foi titular e não deixou Bale ter uma boa atuação.

Nota: 6,5 (7,5 para a partida contra o Benfica)

Ryan Bertrand

Aos 22 anos, Bertrand era mais um dos jovens que apenas era emprestado de clube a clube pelo Chelsea. Estando no clube desde 2006, foi enfim efetivado como jogador do elenco principal, sendo utilizado como reposição de Ashley Cole e inclusive sendo titular na finalíssima em Munique, improvisado no meio campo.

Com Villas-Boas, o jovem apenas atuava nas partidas da Carling Cup. O português preferia improvisar o compatriota Bosingwa na esquerda, quando ficava sem Ashley Cole. No entanto, logo após Di Matteo assumir, o jovem foi efetivado de vez, sendo titular na primeira partida do italiano no comando do clube.

Robbie não se intimidava em utilizar o garoto, que também não se intimidava em entrar em campo. Fez boas partidas pela FA Cup e uma atuação consistente contra o Arsenal em pleno Emirates. Sua utilização ajudava Ashley Cole a descansar e voltar melhor nas partidas seguintes.

Na final contra o Bayern de Munique, afim de anular a dupla Lahm/Robben, Di Matteo escalou o jovem britânico ao lado de Cole, pelo lado esquerdo, mais avançado. Bertrand fez uma ótima partida na marcação, com Lahm pouco aparecendo na frente enquanto esteve em campo.

A escalação foi mesmo muito surpreendente: Bertrand sequer havia disputado uma partida de Champions League em sua carreira. E não comprometeu, assim como deixou os torcedores esperançosos com o provável sucessor de Ashley Cole na lateral esquerda azul.

Melhor Momento

Ser titular em Munique e ter uma atuação esforçadíssima e correta na marcação, segurando Lahm, foi mesmo a melhor parte de Bertrand na temporada. Ele jamais havia jogado uma partida de Champions League antes.

Pior Momento

Nada a destacar

Números

14 jogos
1 assistência

Nota: 6,5

Category: Conteúdos Especiais

Tags:

Article by: Rodrigo Q