Torcedores ingleses planejam protestos contra o preço dos ingressos na Premier League

article-2320182-09A7DE77000005DC-380_634x405
Torcedores de todos os clubes da Premier League pretendem comparecer ao protesto

Não é apenas no Brasil que o preço dos ingressos para partidas de futebol tem incomodado aqueles que gostam de acompanhar seus times do coração in loco. Um grupo de torcedores pretende protestar em frente a um hotel em Londres, onde ocorrerá uma reunião de representantes dos 20 clubes que disputam atualmente a Premier League e executivos representantes do torneio.

O chefe-executivo da Premier League, Richard Scudamore, entregará, inclusive, aos dirigentes uma carta, em nome da Football Supporters’ Federation (FSF), federação que cuida da proteção dos interesses dos torcedores na Inglaterra. O documento pede a diminuição do preço dos ingressos em todos os setores, mas, principalmente, entre jovens e para jogos fora de casa, para que torcedores possam apoiar seus times mesmo longe de seu estádio, o que, para a Federação, é fator determinante para o espetáculo.

O grupo, através da carta que será entregue por Scudamore, requer que os clubes separem um milhão de libras, pouco mais de quatro milhões de reais, por temporada, para subsidiar o valor dos ingressos para partidas fora de casa. Com isso, o valor seria fixo em 20 libras e, assim, possibilitaria que torcedores de todos os clubes pudessem viajar para assistir jogos dos clubes fora de seus domínios por valores mais acessíveis. Isso se dá porque a Federação julga ser inviável, para a maioria dos torcedores, arcar com despesas de viagem e ingresso caros em muitas partidas da Premier League.

A campanha foi batizada de Twenty’s Plenty, algo como “vinte é o bastante”, em tradução livre. O Chelsea, por exemplo, pratica valores entre 23 e 25 libras para torcedores visitantes, um valor mais próximo do exigido pela FSF. Os preços praticados pelo Arsenal, a titulo de comparação, variam entre 27 e 32 libras. Já em Anfield, estádio do Liverpool, variam entre 29 e 36 libras. Ingressos em Old Trafford, do Manchester United, para torcedores visitantes, giram em torno de 32 libras.

Um dos mais fortes argumentos da Football Supporters’ Federation (FSF) para pedir a renegociação dos valores de ingressos Premier League, é o novo contrato de televisão assinado pela liga, que gerará 1,71 bilhão de libras por temporada, que então repartirá o valor entre os clubes. O valor é 71% superior ao contrato anterior e, segundo os representantes da FSF, é o suficiente para que os clubes possam rever sua politica de ingressos, reduzir os valores e, com isso, atrair mais um público apaixonado por futebol para o estádio.

Recentemente, nesta temporada, José Mourinho chegou a reclamar que a torcida dos Blues se manifestava pouco durante os jogos e recebeu, de um representante dos torcedores do Chelsea, em resposta, o argumento de que, com ingressos mais caros, os torcedores mais jovens, que, em geral, são os mais apaixonados, deixam de frequentar o estádio com mais frequência. A diminuição de valores para torcedores jovens também é um dos pontos que a FSF propõe.

Em entrevista a BBC, Kevin Miles, executivo da  FSF, comentou sobre a campanha, sobre as novas cotas de televisão e fez um apelo aos dirigentes dos clubes:

“Durante os últimos 20 anos, o futebol tem sido inundado com dinheiro, rendendo grandes valores para os proprietários, agentes e jogadores. Desta vez, queremos ver os fãs se beneficiarem também. Este novo acordo de TV colossal dá aos clubes uma tremenda oportunidade de dar algo de volta aos fãs. Eles podem facilmente se dar ao luxo de baixar os preços dos ingressos e, assim, tornar o futebol acessível para todos.” 

O Chelsea, como medida para manter seus ingressos acessíveis, vem já, há cinco temporadas, congelando os preços das entradas, além de subsidiar os torcedores que se disponibilizam a viajar para ver jogos do clube fora de casa. Também, recentemente, o clube anunciou uma categoria com valores menores para torcedores com idade até 20 anos.

Category: Competições

Tags:

Article by: Márcio Canedo