Chelsea empata e terá que buscar a classificação na próxima rodada da UWCL

Diferente do confronto contra a Juventus em outubro, neste encontro, a história tomou caminhos diferentes. Sendo assim, o Chelsea ficou no 0-0 contra a equipe italiana em Kingsmeadow. A partida marcou a 5ª rodada da fase de grupos da UEFA Women’s Champions League (UWCL). Sem dúvidas, a torcida esperava uma partida cheia de energia das Blues depois da conquista da Women’s FA Cup em cima do Arsenal no último fim de semana.

Apesar do empate, a equipe soma bons vitórias nas competições inglesas desta temporada. Bem como tem feito boa campanha na competição europeia. No entanto, o penúltimo jogo da fase de grupos poderia garantir a vaga nas quartas de final da UWCL. O que, agora, ficará para a próxima rodada.

Escalações para a partida

De antemão, Joe Montemurro escalou seu time em um 4-3-3. Como já previsto, Barbara Bonansea e Cristina Girelli estariam juntas à Lina Hurtig formando o trio de ataque. A grande surpresa, por outro lado, foi a opção do treinador por deixar Sara Gama, a capitã titular da equipe, no banco de reservas.

Reprodução: UEFA

Por sua vez, Emma Hayes, manteve a formação do Chelsea na temporada. Ou seja, o 3-4-3. A intenção era de favorecer a ofensividade no meio campo com Reiten e Cuthbert nas alas. Além disso, o time contou com Pernille Harder de volta ao XI titular.

Reprodução: UEFA

Pressão sem efetividade

Logo no primeiro minuto de jogo, Cuthbert chutou colocado. Mesmo o tento não sendo 100%, garantiu um escanteio para as Blues. O Chelsea seguiu controlando a posse de bola e as ações de ataque, porém, sem sucesso em mudar o marcador. A equipe apostou, principalmente, em cruzamentos – que não estavam levando a lugar algum.

A Juventus, assim como na partida em Turim, se assentou na defesa e jogou por uma bola. Por isso, o jogo ficou bastante concentrado no campo de defesa das italianas, com o Chelsea dominando todas as ações. Mas não conseguindo furar a muralha Bianconera. A grande chance do primeiro tempo, e quiçá da partida, veio com Sam Kerr ainda no primeiro tempo. A australiana ficou de frente para o gol, conseguiu driblar a goleira mas perdeu o ângulo de chute. Assim, desperdiçando o ataque.

Enfim, a árbitra apitou o fim da primeira metade da partida. Dessa forma, ficou evidente a necessidade de mudanças nas Blues. Tanto de jogadoras quanto de atitude.

Mais 45 minutos da mesma história

Na volta do intervalo tudo se manteve: Chelsea dominando e Juventus se defendendo da forma como podia. A equipe londrina ainda teve um arremate anulado por impedimento. Kerr marcou à queima-roupa após um cruzamento de Fran Kirby, mas a australiana estava em posição de impedimento. Poucos minutos depois, a Juve deu seu primeiro chute à gol – aos 19 minutos da etapa complementar. Lina Hurtig tentou finalizar, mas Berger entrou em cena.

Ao longo da etapa complementar, Harder e Ji saíram para entrada de England e Leupolz. Porém as substituições foram tardias e não fizeram muita diferença. O jogo estava no ímpeto do 0 a 0 e, verdadeiramente, o momento de mais emoção rolou com uma invasão de um torcedor ao campo – o que gerou polêmicas após empurrão de Kerr no invasor.

Por fim, no vídeo abaixo, é possível conferir os melhores momentos da partida. Domínio amplo com algumas boas chances para as Blues, no entanto, frustradas por uma equipe que fez o que queria: sair de Londres com pelo menos um ponto na bagagem.

Expectativas para as disputas nesta UWCL

Em suma, o Chelsea pretendia vencer a Juventus – que venceu todos os 10 jogos da série A feminina sob comando de Joe Montemurro e defende uma invencibilidade de 34 jogos na liga italiana. Dessa forma, as Bianconeras passam por um bom momento e também seguem na briga por uma vaga nas quartas de final da UWCL.

Antes da partida, a capitã Magdalena Eriksson reforçou as ambições do clube na busca pelo primeiro título da Liga dos Campeões. Tarefa que seria mais fácil com a vitória sobre as italiana, uma vez que garantiria a garantida para quartas de final da competição.

Nós sempre tentamos ser humildes, tentando ver o quanto temos que fazer e quão importante é a preparação para cada jogo que jogamos. Nós lideramos o grupo com 10 pontos, depois de três vitórias e um empate, mas a Juventus, com sete pontos, e o Wolfsburg, que tem cinco pontos, podem terminar na nossa frente. Você sempre quer ir atrás das coisas que você não ganhou. É isso que me motiva – o extra são coisas que eu não tenho, e a Champions League é uma daquelas coisas que foi um sonho de infância para muitos de nós jogadores.

Além disso, a camisa 16 exaltou as companheiras e o trabalho que vem sendo feito na temporada:

Eu diria que este é o time do Chelsea mais forte de que já fiz parte. Este plantel tem melhorado a passos largos todos os anos, desde que entrei para o clube há quatro anos. Temos jogadoras incríveis. Algumas ainda estão aqui desde quando entrei. Mas todas melhoraram e as novas adições apenas trazem uma qualidade extra para o time. Estamos crescendo. Estamos em um bom lugar. Será interessante ver até onde podemos ir.

Emma Hayes temia?

Em entrevista após a partida, a técnica do Chelsea disse não estar frustrada, e sim exausta. Sabe-se que a equipe de Montemurro é bem treinada, com um estilo de jogo próprio. Mais ainda, era de se esperar que a equipe italiana tivesse a postura que teve contra o Chelsea. Nesse sentido, estar sofrendo com o domínio tático das adversárias não é problema para a Juventus.

Por outro lado, o momento das Blues está longe de ser ruim. Da mesma forma que as performances não estão abaixo do nível esperado. Ao contrário, tem sido melhores com o passar da temporada. Portanto, é preciso entender que o avanço do time na caminhada até o momento. Principalmente com a sequência de jogos nas competições nacionais.

Assim, é compreensível a fala de Hayes ao final da partida:

 Não estou frustrada [por não marcamos], estou exausta. Não somos sobre-humanas. Acho que tivemos o grupo mais difícil. Por estar no topo desse grupo agora, estou realmente feliz com isso.

Porém, como de se esperar da treinadora e da equipe, o próximo e último confronto da fase de grupos da UWCL deve levar as jogadoras ao máximo para conseguir a vitória. E, enfim, sacramentar a classificação.

Situação do grupo

Mesmo com o empate, as Blues seguem no topo do grupo A. Em seguida, aparecem a Juve e o Wolfsburg respectivamente. Ambas as equipes com o mesmo número de pontos. Por fim, na lanterna, está o Servette.

Reprodução: UWCL/Twitter

Category: Chelsea Football Club

Tags:

Article by: Thaynara Siqueira