Mineiro: de herói no São Paulo ao ostracismo no Chelsea

Carlos Luciano da Silva, mais conhecido como Mineiro, foi o herói do São Paulo ao fazer o gol contra o time do Liverpool na final do Mundial de Clubes da Fifa de 2005. Ao ser contratado pelo Chelsea, porém, durante a passagem de Felipão pelo clube, foi praticamente jogado no limbo.

Há longínquos oito anos atrás, a redação do Chelsea Brasil fez uma lista das 10 piores contratações do Chelsea de todos os tempos. Mineiro não foi mencionado, mas somente porque jogou duas partidas pelo Chelsea.

São Caetano

Mineiro despontou no São Caetano em 2004. Depois de uma primeira fase sofrível da equipe do ABC Paulista no campeonato estadual, com a classificação na última vaga – atrás de Santos, Paulista e Palmeiras -, o Azulão foi medir forças contra o São Paulo.

Na época, o São Paulo fazia a melhor campanha entre todas as equipes.  Em nove jogos, oito vitórias e apenas um empate, com 21 gols marcados e apenas cinco sofridos. Mas, o jogo realizado no Morumbi em 21 de Março terminou em 2 a 0 para o São Caetano, custando a equipe da capital a classificação para a fase seguinte.

Na sequência, depois de passar pelo Santos nas semi-finais (com os placares de 3 a 3 e 4 a 0, respectivamente) foi disputar com o surpreendente Paulista a final, vencendo os dois jogos, um por 3 a 1 e outro por 2 a 0. Os resultados levaram o São Caetano à conquista de seu primeiro título do Paulistão.

São Paulo

O bom desempenho naquele ano levou Mineiro a ser contratado pelo próprio São Paulo, logo após o fim do Campeonato Paulista. Após sua chegada, ajudou a equipe a faturar a 3ª posição do Campeonato Brasileiro de 2004, carimbando o passaporte para a Libertadores de 2005. No ano seguinte, a equipe da capital brilhou ao levar o título do torneio continental, obtendo passaporte para disputar o Mundial de Clubes da Fifa no final da temporada.

No japão, em dezembro de 2005, Mineiro entrou de forma definitiva para a história do clube, marcando o gol que daria a vitória e o título ao São Paulo sobre o Liverpool-ING. Lembrando que, até os 27 minutos, os Reds somava mais de 1.000 minutos sem sofrer gols.

Relembre o gol de Mineiro, no vídeo abaixo:

Hertha BSC

Em janeiro de 2007, devido a um acordo realizado antes da competição, Mineiro deixou o São Paulo para assinar sem custos um contrato com o Hertha Berlin. No campeonato alemão, não conseguiu se adaptar à forte marcação e teve uma atuação pífia.  De 59 jogos que disputou, foi titular em 31, substituído em 12, ficando outros 16 no banco de reservas. Sem espaço no time, rescindiu seu contrato em 2008.

Chelsea

Quando Felipão assumiu o comando técnico do Chelsea, Mineiro – que até então estava sem clube -, assinou com a equipe.

Estreou com a camisa dos Blues em 11 de dezembro de 2008, pela EFL Cup, diante o Burnley. Naquela oportunidade, o Chelsea foi a campo com Cudiccini; Paulo Ferreira, Alex, Ivanovic e Wayne Bridge; Belletti, Mineiro, Malouda e Deco; Kalou e Drogba.  Entraram em campo ainda Frank Lampard no lugar de Belletti, Mikel no lugar de Deco e Di Santo no lugar de Drogba.  Depois de um empate em 1 a 1, o Chelsea acabou eliminado da competição nos pênaltis, pelo placar de 5 a 6. Mineiro jogou os 120 minutos da partida.

Do mesmo modo, no dia novembro de 2009, teve a oportunidade de estrear pela Premier League. Diante da equipe do Sunderland, Mineiro entrou em campo quando o Chelsea já vencia por 5 a 0.  A vaga que ocupou pertencia à Nicolas Anelka, que saiu aos 75 minutos.

No fim das contas, Mineiro ficou no Chelsea de 21 de Setembro de 2008 até 13 de Agosto de 2009, quando foi para o Schalke 04, novamente sem custos.  Em quase um ano, entrou em campo duas vezes – e somente duas vezes – pelo clube londrino.

#GoBlues

As palavras neste texto condizem com a opinião do autor, não tendo qualquer relação com o Chelsea Brasil.

A gente sabe que você também tem o sangue azul. Apoie o Chelsea Brasil e ajude a escrever a nossa história! Link direto para a campanha: https://goo.gl/6AAUzD.

Apoia-se Chelsea Brasil

Dalton Gerth

Torcedor do Chelsea desde a época em que Vialli era técnico E jogador, advogado e estudante de licenciatura em Matemática.