Maestro Sarri e sua orquestra aguardam definição da “Novela Belga”

Existe muita especulação sobre a permanência de Thibaut Courtois e Eden Hazard. As informações, principalmente oriundas da mídia inglesa, relatam que o interesse merengue são reais e permanecem no ar. Aos meus olhos, que estão bem distantes da cena local, a impressão é de um esforço duplamente realizado pela diretoria do Chelsea. Além do simples fato de desejar a permanência dos belgas, observo que a diretoria crê em uma melhora do plantel – e naturalmente das estrelas do time – sob a batuta de Maurizio Sarri.

O plantel do Chelsea não é o melhor da Inglaterra e, até o presente momento, o mercado de transferências é bem raso para o time de Stamford Bridge. Por outro lado, a chegada de Jorginho e a permanência dos belgas seriam os primeiros trunfos de Sarri sob o comando da equipe londrina. De um lado, Jorginho foi – no Napoli – o homem de confiança do técnico italiano e, aparentemente, terá a mesma função em Londres. De outro lado, a renovação de votos com Courtois e Hazard significa a permanência de peças com identificação com os torcedores. Além de significar, o retorno de integrantes valiosos dentro de uma “espinha dorsal” já consagrada na Era Conte.

Ou seja, vale esperar o desfecho final esta novela. Se o final for “triste” e ambos se despedirem, veremos como o Chelsea será recompensado e como será investido o dinheiro da janela de contratações. Se os ventos da window transfer soprarem favoráveis ao West London, o clube londrino terá grandes chances de uma temporada positiva.

Observação: Ou será que o Real Madrid apostará em Isco? E deixará Hazard em Stamford Bridge. A novela continua.

Tempo ao Sarri

E para não dizer que não falei das flores, deixem o homem trabalhar. A pré-temporada de um clube de futebol serve para corrigir erros e implementar/expor/testar as propostas de jogo. E convenhamos e venhamos que a proposta de Sarri é muito contrastante em relação ao antecessor no cargo. Além do mencionado, o pedido – que está em negrito neste parágrafo – serve para a temporada regular de futebol na Terra da Rainha.

Três derrotas seguidas não é razão para demissão: Nem quatro e nem cinco reveses. Sarri precisa de tempo para ser efetivo e para enraizar o seu modelo de jogo. Desta forma, a equipe terá grandes chances de extrair resultados satisfatórios com o Sarribol. Lembrando que a temporada para o Chelsea começou com a “Minisérie Contrate o Sarri” e passa por uma “Novela Belga”. Em ambas as situações, respostas rápidas sobre os casos seriam o ideal para o clube, mas isso não ocorreu. Portanto, torçamos que todo o imbróglio/toda a indefinição não afete a fixação da filosofia no plantel atual.

Um trabalho de um treinador como Sarri não precisa – e não pode ser constituído – de prazos curtos. Necessita de tempo, pede continuidade e confiança da torcida. A pressão midiática é uma situação que coexiste com o futebol inglês, mas o italiano recém-chegado sabe disso. Ele sabe da dificuldade da Liga, propriamente dita, e tem ciência da pressão fora das quatro linhas. Muito por esses fatores, existe o tal de Gianfranco Zola como braço direito de Sarri. Creio que Zola seja o italiano mais influente da história dos Blues e Maurizio constitui seu grupo técnico de forma coesa e inteligente.

Sobre Chelsea 1×1 Inter de Milão (5×4 pen.)

O primeiro tempo do Chelsea foi muito positivo e o segundo tempo foi bem abaixo do esperado. Na primeira etapa, a equipe inglesa teve mais posse de bola e mais finalizações ao gol do adversário. Além disso, o modo que o Chelsea encarou a etapa inicial foi convincente. Por isso, a vantagem ao término do primeiro tempo foi justíssima. Na etapa complementar, o Inter foi mais incisivo e conseguiu a igualdade rapidamente. Lautaro Martínez, que entrou no segundo tempo, teve uma ótima oportunidade, mas Willy Caballero espalmou. Abraham, atleta londrino, também teve a chance de recolocar o Chelsea com a vantagem. Entretanto, o atacante perdeu o timing da finalização e desperdiçou um chute ao gol.

O resultado é o que menos importa na pré-temporada, o importante é a evolução das peças do plantel. Desta forma, o Chelsea continua a sua preparação com o clássico contra o Arsenal, no dia 1º de agosto. O jogo de times londrinos será realizado em Dublin, Irlanda.  Na partia contra a Inter e Milão, quem mais chamou atenção foi a beleza do uniforme away. A camisa amarela desta temporada é tão bonita quanto a cabeçada do Drogba contra o Bayern de Munique. Sim, essa mesma… na final da Champions League.

Confira a coluna da semana passada: clique aqui.

As palavras contidas nessa reportagem condizem à opinião do autor, não tendo qualquer relação com o Chelsea Brasil.

Apoie o Chelsea Brasil

João Vitor Marcondes

Taubateano e jornalista.