Hazard voltou a jogar, mas qual é o seu grau de importância dentro do Chelsea?

Neste último domingo (03/08), a seleção belga se classificou para a Copa do Mundo da Rússia que acontecerá no próximo ano. Três jogadores do Chelsea estão na seleção belga, são eles Thibaut Courtois, Michy Batshuayi e Eden Hazard; o último é o ponto chave deste post.

O belga foi convocado para a seleção no dia 25/08, ainda em fase final de transição após uma fratura no tornozelo – o jogador não havia jogado até aquela data. Naquele dia, o jogador fez sua primeira partida na temporada pelo Chelsea na Premier League 2 numa derrota por 3 a 0 para o Everton, o meia jogou 74 minutos. Perguntado sobre a convocação do jogador, o técnico Antonio Conte demonstrou surpresa mas ressaltou que o jogador ainda não estava pronto:

O único jogador que não está disponível (contra o Everton, 27/08) é Hazard. Ele está se recuperando e trabalhando com o time sub-23

Eden se apresentou a seleção e fez o seu primeiro jogo “oficial” na temporada na vitória por 9 a 0 contra Gibaltrar pelas eliminatórias. O técnico Roberto Martinez havia dito que o jogador estaria somente no primeiro tempo, mas acabou ficando 77 minutos em campo, até marcou um dos gols. No último jogo contra a Grécia, Hazard entrou no decorrer do segundo tempo.

Mas o que o Chelsea ganha com a volta de Hazard?

O meia/ponta é considerado o craque do time e não é por menos: na última temporada, em vários jogos durante a campanha do título da Premier League, o belga conseguia em um lance acabar com o jogo, terminou a competição com 16 gols e cinco assistências. Atualmente, quem faz a função de Hazard na esquerda é William, e no banco há apenas o jovem Musonda para fazer essa função.

Com a volta de Eden ao time, não duvide que Antonio Conte deverá deixar o belga no banco nos primeiros jogos até ele estar 100%, mas com a volta dele ao time titular, teremos um reserva direto para Hazard (Musonda) e um direto para Pedro (William), lembrando que até Batshuayi pode fazer essa função sendo deslocado. Para as várias competições que teremos na temporada, ter um reserva de bom nível para cada função do time titular é essencial para ter sucesso.

Com o 3-4-3 de Antonio Conte, Hazard tem um papel de mais atacar do que ser ponta (que no caso se torna a função de Marcos Alonso). Com a liberdade aliada a sua velocidade e habilidade para dribles, ele se torna o jogador fundamental para os contra-ataques do time, um exemplo claro é o gol de contra-ataque contra o West Ham na última temporada.

Já na seleção, frequentemente é usada a formação de 4-3-3 deixando Hazard livre para jogar no lado esquerdo do ataque, função muito parecida com o que já realizou nos primeiros anos de Chelsea. Nesta função, mesmo lhe dando mais liberdade, o belga tem que ajudar na marcação dos laterais, e a marcação sempre foi um problema pois nunca teve grandes qualidades para a recomposição de time.

Numa brincadeira ao jornal “Daily Mail” nesta segunda-feira, Eden Hazard disse que custaria 1 bilhão de euros. Claro que seu valor não está nesta escala, mas pensando na sua função e importância ao Chelsea, não há dúvidas que chegue neste nível. Há pontos que o belga deve melhorar, mas o que mostra em campo é digno de ser considerado um dos melhores do mundo atualmente.

As palavras neste texto condizem com a opinião do autor, não tendo qualquer relação com o Chelsea Brasil.

Leonardo Luti

Estudante de jornalismo do UniBH/MG, passou por sites de menor conhecimento, possuiu um blog para falar sobre a Caldense/MG. Torcedor do Chelsea desde 2004 por conta do grande ídolo John Terry.