A certeza de uma nova vitória e a possibilidade de um novo uniforme

Swansea x Chelsea: O problema é que o jogo nunca está morto. A partida em que o Chelsea atua nunca está morta, sempre proporciona sustos e momentos que você deve respirar um pouco mais fundo. Se você está assistindo ao jogo, não há modo de permanecer com tranquilidade, existe desconfortos ou equívocos que acarretam em oportunidades para o adversário complicar a vida da equipe de Stamford Bridge.

Entretanto, o placar de 1 a 0 contra o Swansea alimenta a esperança de entrar e se enraizar na zona da UEFA Champions League. Lembrando que Liverpool (em casa), Huddersfield (em casa) e Newcastle (fora) é a sequência do Chelsea na Premier League. E existem outros pontos positivos no embate de sábado, como a marca de 50 gols feitos por Cesc Fàbregas. O terceiro espanhol que atinge a honraria na Premier League (Diego Costa e Fernando Torres também). Entretanto, apenas um dos ibéricos fizeram, pelo menos, 50 gols e 50 assistências. Não preciso falar quem, né?

Daily Mail informou que Antonio Conte conseguiu a vitória de número 50 no campeonato inglês de futebol. É o terceiro treinador que atinge a marca de 50 triunfos em menos jogos disputados. Atrás de Mourinho, que precisou de 63 jogos, e Pep Guardiola, que conseguiu 50 vitórias em 69 embates.

O Chelsea tem que torcer, de toda forma, por um tropeço do Tottenham nesta reta final. Vamos aos três próximos jogos dos Spurs e, sinceramente, menciono a necessidade de um secador movido por forças coletivas – semelhante a formação da Genki Dama. Afinal de contas, Watford (Wembley), WBA (fora) e Newcastle (Wembley) são os próximos adversário da equipe do Norte de Londres. O tropeço do rival me parece pouco provável, mas o tal do futebol é cheio de artimanhas.

Uniforme novo: Um possível uniforme do Chelsea para a próxima temporada está causando rebuliços nas interwebs. Eu brinquei no meu Twitter sobre a possível vestimenta parecer com um modelo de uniforme da seleção francesa. Entretanto, caso o uniforme seja esse mesmo, remete – pelo menos para mim – ao fardamento produzido pela Le Coq Sportif na década de 80. As linhas, detalhes do escudo atual e a questão dos detalhes vermelho e branco. Gostei.

As palavras contidas nessa reportagem condizem à opinião do autor, não tendo qualquer relação com o Chelsea Brasil

João Vitor Marcondes

Taubateano e jornalista.