Como Timo Werner se encaixa no Chelsea

Atacante é a nova arma de Lampard

Em mais uma movimentação silenciosa e inesperada, o Chelsea anunciou a chegada de um reforço de peso: Timo Werner. 

A seguir, você vai conferir um pouco sobre como o atacante jogava no RB Leipzig e suas características, além de entender como foram as negociações e como ele pode ajudar a equipe.

Novos ricos na Alemanha

Assim como Chelsea, Manchester City e PSG, o RB Leipzig se aproveitou da injeção financeira dos investidores para entrar no mapa dos gigantes europeus. Contudo, o processo foi mais complicado. As leis na Alemanha em relação a isso são mais estritas. O clube teve que adaptar o nome para RasenBallsport Leipzig, pois a federação alemã não permite que patrocinadores nomeiem o clube.

Além disso, empresas e patrocinadores não podem controlar os clubes. Ou seja, pelo menos 51% das ações devem pertencer aos sócios. Os diretores também driblaram essa regra, haja visto que todos os sócios do clube são membros da Red Bull, empresa que financia o time.

Werner é a cara do Leipzig

Na temporada 2016/2017, o clube chegou na Bundesliga, disputando pela primeira vez o divisão mais importante do país. O time recém-promovido surpreendeu a todos, terminando em segundo lugar, atrás apenas do Bayern de Munique.

O sucesso do Leipzig está diretamente relacionado com a chegada de Timo Werner naquela temporada. O inverso também é verídico, pois o clube projetou o atacante alemão para o futebol mundial.

Ao todo, Werner soma 96 gols em 157 jogos. A atual temporada é a que chama mais atenção. O camisa 11 balançou as redes 26 vezes em 29 partidas e se tornou o mais jovem a chegar a marca de 200 gols no Campeonato Alemão.

A evolução anual nos números são o suficiente para colocá-lo na conversa dos melhores e mais promissores atacantes da atualidade.

Nessa edição da Champions League, Werner ajudou o Lepizig a eliminar o Tottenham (Reprodução: Twitter Timo Werner)

Rápido como uma flecha

O que chama mais atenção no seu jogo é sua velocidade. Muitas vezes, vemos o camisa 11 alcançar lançamentos onde ele larga atrás do defensor. Devido a isso, é um jogador muito inteligente atacando espaços. Por isso, é comum vê-lo em situações favoráveis para concluir os remates.

Outro ponto que merece destaque é sua versatilidade. Ele é capaz de liderar o ataque do time como também pode atuar aberto pela esquerda, efetuando corridas nas costas da defesa ou cortando para o meio. Não é dos melhores no quesito do jogo aéreo, mas compensa com o físico avantajado e o instinto brigador dentro de campo.

Sua polivalência no ataque é traduzida em participações diretas para o gol. No Leipzig, ele acumula 40 assistências, mostrando que pode participar na construção de jogadas do time.

Timo Werner é a nova promessa de gols do Chelsea (Foto: Reuters)

Contudo, Werner ainda não atingiu o status de matador . Na maioria das vezes, precisa de pelo menos duas ou até três chances para marcar, sendo esse um dos principais pontos negativos do atleta.

A idade do atleta é algo a ser visto. Com apenas 24 anos, Werner ainda pode evoluir e aprimorar seu jogo. Inclusive, não é absurdo pensar que o jogador ainda não viveu seu auge, e como o vínculo com o Chelsea é de cinco anos, o alemão tem tudo para se adaptar a Premier League com facilidade e construir uma boa história no clube londrino.

Como encaixá-lo no time atual

Em sua primeira temporada comandando os Blues, Frank Lampard mostrou que o 4-2-3-1 é a formação tática que mais lhe agrada. No entanto, Lamps se mostrou capaz de alternar os esquemas, usando 4-3-3, 4-1-4-1 e até mesmo um 3-4-2-1.

Dessa forma, é possível que o Chelsea alterne ainda mais os esquemas nas próximas temporada, principalmente pela qualidade e diversidade na parte ofensiva. Todavia, é possível pensar nas duas maneiras de aproveitar as melhores características do alemão.

Um centroavante

Adotando o principal sistema dessa temporada, o treinador pode usar Werner como centroavante, sendo auxiliado por Zyiech e Pulisic nas pontas, e Mount centralizado. Com esse quarteto, haveria muita movimentação e infiltrações na defesa adversária. Caso Abraham seja mantido como titular, mais apto para o pivô e nas disputas aéreas, Werner pode ocupar a vaga do americano, e a equipe exploraria menos os lados do campo.

Usando o 4-2-3-1, é possível montar dois cenários de escalação

Dois atacantes

Apesar da variedade tática, pouca vezes vimos Lampard optar por dois atacante de ofício. Isso ocorreu apenas quando o Chelsea tentou reverter algum placar, apelando para jogada aéreas.

Seria interessante se o técnico treinasse a equipe para habituá-los a jogar em sistemas com dois atacantes. Ao lado de Poulsen ou Schick, Werner sempre se deu bem com um companheiro de ataque. Além disso, o alemão complementa o jogo de Tammy Abraham. O primeiro é mais veloz e incisivo. O segundo é melhor no pivô e em situações aéreas.

Com isso, tanto o 4-2-2 tradicional como a versão em losango podem ser opções na próxima temporada. No primeiro caso, teria opções de jogadores pelo lado e a equipe focaria em lançamentos em profundidade, podendo ser mais efetivo contra times que usam 5 defensores.

Possível 4-4-2 tradicional para o Chelsea 2020/2021

Já a segunda priorizaria a posse de bola e um jogo concentrado na faixa central do campo.

Possível 4-4-2 losango para o Chelsea 2020/2021

Três zagueiros

Principalmente enfrentando adversários superiores, Lamps costuma adotar um sistema com três zagueiros e dois alas. Um exemplo disso foi no jogo de ida contra o Bayern de Munique. Naquela ocasião, o Chelsea sofreu para marcar atletas rápidos, mas não tinha um jogador capaz de ameaçar os bávaros. Werner já mostrou, até mesmo contra o Bayern, sua capacidade em mudar partidas.

Dessa forma, Lampard poderia aprimorar taticamente esse sistema com sua chegada. Porém, os pontas da equipe seriam sacrificados. Giroud também pode ganhar mais oportunidades neste sistema, já que renovou por mais uma temporada.

Opção com três zagueiros para a próxima temporada

Como é possível ver, há diversas possibilidades para desenhar a equipe. O provável é que Lampard imponha uma intensa rotação de jogadores e sistemas.

Como o Chelsea conseguiu Werner?

Ao longo dessa temporada, o nome de Werner já pintava nos principais times ingleses, com o Liverpool sendo o favorito para contratá-lo. O jogador veio a público defender Jurgen Klopp, e o mesmo elogiou o atacante.

Jornais europeus davam conta que as conversas sobre os salários já estavam encaminhadas. Contudo, os Reds não estavam convictos se valia a pena pagar a multa rescisória. Essa multa expiraria ao final do mês, e o Leipzig iria pedir um valor mais alto pelo atleta. Ainda, o clube estava preocupado em renovar e melhorar o contrato de suas estrelas.

O Chelsea nunca esteve descartado, mas pelas declarações do atleta, o negócio com o Liverpool parecia mais óbvio. Foi então que a certeza se tornou dúvida, com o Liverpool relutante em pagar o valor da multa.

Nos bastidores, de acordo com reportagem do inglês The Telegraph, Lampard e Cech viajaram para a Alemanha, antes das medidas de distanciamento social, apresentaram os planos do clube e convenceram o alemão a se juntar ao Chelsea.

O Chelsea bateu o Liverpool na contratação de Werner (Reprodução: Twitter Timo Werner)

O futuro é alemão

O camisa 11 gostou do projeto e, pelo desejo de deixar o Leipzig o quanto antes, aceitou a transferência para os Blues em julho. Desta forma, ele não jogará o restante da Liga dos Campeões pelo time alemão, mas também não poderá ser inscrito pelo Chelsea para o embate contra o Bayern.

Como o valor do negócio não é tão alto dados os feitos recentes de Werner, o atacante quis algumas garantias. Receberá o segundo maior salário do clube (200 mil libras semanais), atrás apenas de Kanté, e lhe foi garantido que terá muito tempo de jogo.

Do mesmo jeito silencioso que fez com Zyiech, o Chelsea garantiu um reforço de peso, que causará impacto imediato ao clube, por um preço justo.

Rafael Marson

Jornalista em formação pela Faculdade Cásper Líbero. Sem o futebol, não há motivos para viver. Fã incondicional de Drogba e Hazard. #GoBlues