Mourinho observa Filipe Luís

Filipe Luís elogia Hazard e comenta relação com Mourinho no Chelsea “me senti traído”

Dono de passagem tímida pelo Chelsea, Filipe Luis concedeu entrevista ao jornal britânico The Guardian. O atual jogador do Flamengo falou bastante sobre o tempo no clube, a relação com companheiros e até com o ex-técnico José Mourinho.

Vindo do Atlético de Madrid, o brasileiro chegou a Cobham em 2014, junto com Diego Costa. Mas, ao contrário do atacante, o lateral não conseguiu se firmar com a camisa azul e permaneceu apenas um ano defendendo o time londrino.

Filipe foi contratado por José Mourinho depois de ser peça importante na conquista de La Liga pelo Atleti e de um vice-campeonato, na UEFA Champions League. Ele assumiu a camisa 3 e foi campeão da Premier League e da Copa da Liga Inglesa. Porém, deixou o clube ao final da temporada.

Filipe Luís comemora título no gramado
Foto: Mike Egerton / PA

Relação com José Mourinho

Na sua passagem pelo Chelsea, Filipe Luis contou ao jornal como foi a relação com Mourinho, técnico que pediu a contratação, mas cedeu pouco espaço ao brasileiro.

“No primeiro jogo bati na porta de Mourinho. Por que você me trouxe aqui? Você me tirou de um lugar onde eu era feliz, onde jogava todas as semanas. Você me contratou para jogar. E no primeiro dia contra o Burnley estou no banco. Por que não me deixou no Atlético? Por que me trazer aqui para não jogar?  Ele disse que não achava que eu estava jogando bem e o Azpilicueta estava, que não se sentia tão seguro comigo. Eu precisava ganhar meu lugar; Eu não poderia esperar ser a primeira escolha em reputação. E olhando para trás, ele estava certo.”

Filipe não conseguiu ter muitos minutos naquele time por que César Azpilicueta era dono absoluto da posição. Jogando deslocado, o espanhol conseguiu dar uma consistência defensiva importantíssima para que os Blues fossem vitoriosos naquele período. E o brasileiro reconheceu isso.

“Ele jogou tão bem que nunca me deu oportunidade. Mourinho rodou o elenco, então tive chances, mas não comecei grandes jogos porque a equipe estava jogando perfeitamente. Tínhamos grandes jogadores. Eden Hazard, Fàbregas, Diego Costa.”

Mourino devolve bola para Filipe Luís
Foto: Getty Images

Respeito ao treinador

Nas copas Filipe Luís teve mais minutos com a camisa do Chelsea, ele via ali a chance de ganhar espaço e se firmar na posição. Entretanto, o técnico português tinha outros planos para aquele time. Foi assim que o brasileiro definiu que era hora de deixar Stamford Bridge.

“Meu melhor momento foi em dezembro e janeiro. Eu me adaptei e estava jogando bem. Tiramos o Liverpool da Copa da Liga, mas não joguei a final. Foi então que eu decidi que queria ir embora. Joguei todos os jogos, contra todos os times menores, as duas semifinais, e quando não joguei a final, me senti ‘traído, na falta de uma palavra melhor.” 

Apesar da sensação de ‘traição’, Filipe prega respeito a José Mourinho e ao estilo de trabalho dele.

“Por respeito, pensei que devia ter jogado, mas ele escolheu uma equipa para vencer e nós vencemos. Portanto, não tenho o direito de dizer nada e ele não precisa dizer nada. Mourinho é tremendamente competitivo, o que o torna excelente. A equipe se encaixou sem mim. E não me abandonou: sempre mandava o Rui Faria falar comigo e eu nunca ficava 10 jogos sem jogar. Pode parecer que nós brigamos, mas eu o admiro. Ganhei a liga com ele. Mas ele não tirou o melhor de mim, assim como fez com Salah.”

Elogios a Eden Hazard

Eden Hazard foi eleito o melhor jogador daquela temporada de Premier League. Ele conduziu o Chelsea com maestria aos dois títulos conquistados. Filipe foi companheiro dele em 2014/15 e rasgou elogios ao belga, ídolo da torcida azul de Londres.

Filipe Luís e Hazard disputam bola em Stamford Bridge
Foto: Rob Newell / Getty Images

“Ao lado do Neymar, Eden é o melhor com quem já joguei. Ele está lá em cima com Messi, vencendo jogos sozinho. Não corria muito para defender, não treinava bem e cinco minutos antes dos jogos ele estava jogando Mario Kart no vestiário. Ele treinava e aquecia com os cadarços desamarrados. Mas ele começava jogando e a bola era dele. Ele driblava três ou quatro. Se os oponentes chegassem muito perto, ele simplesmente os driblava com muito poder. Talvez ele não tenha ambição de dizer que seria o melhor do mundo, porque ele poderia ser. Pelo talento, o melhor.”

Dono de história tímida no Chelsea e grande no Atlético de Madrid, Filipe Luís terá seus dois ex-times se enfrentando nesta terça-feira, pela UEFA Champions League.

Category: Chelsea Football Club

Tags:

Article by: Cleisson Lima

Tio do Júlio César, Estagiário de Redação na Rádio Transamérica, e Chefe de Redação no Futebol das Gerais. O caminho é um só...