Schürrle: “ 7×1 nem parece verdade”

Schürrle foi destaque na goleada alemã (Foto: Matin Rose/ Getty Images)
Schürrle foi destaque na goleada alemã (Foto: Matin Rose/ Getty Images)

Após a desconcertante vitória da Seleção Alemã contra o time brasileiro, incapaz de se organizar em campo, André Schürrle, atacante do Chelsea, falou sobre o jogo, demonstrando claro assombro com a forma como se desenhou a partida.

“Sem dúvidas o 7 a 1 foi muito bom para nós. 7 a 1 nem parece verdade, tenho que admitir. Depois do 5 a 0 no primeiro tempo, estávamos olhando no banco de reservas e não podíamos acreditar. Maluco,” disse.

Ainda no calor do jogo, congratulou o grupo todo, atribuindo-lhe, em sua completude, a responsabilidade pela sólida campanha germânica. Apesar disso, garantiu foco total para a finalíssima, uma vez que sua geração só conseguirá entrar para a história vencendo, algo que a Alemanha não consegue desde 1996, quando conquistou a UEFA Euro, na Inglaterra.

Temos 23 jogadores que não há diferença entre eles, todos podem fazer a diferença. Todos sabem que trabalhamos juntos por uma só meta. Estamos muito próximos dessa meta. Se quisermos ser a melhor geração temos que vencer. É uma conclusão fácil. Vamos dar de tudo e vamos ver como é que termina. Sim, claro, sempre queremos vencer. Há muito tempo que não temos nada a comemorar. Vamos continuar trabalhando e dar o melhor de nós. Vamos dar orgulho ao nosso país,” completou.

Do outro lado, Willian, claramente abatido, também falou

Utilizado no segundo tempo, quando, aos 24 minutos do segundo tempo, entrou no lugar de Fred, Willian, camisa 22 dos Blues, estava claramente cabisbaixo e ressaltou a dificuldade de explicar a acachapante goleada.

“É, acho que é difícil arrumar uma… Hoje foi um dia inexplicável e ninguém esperava. Realmente é uma daquelas histórias do futebol que não tem explicação, onde nós tomamos quatro gols em nove minutos, eu acho – não me lembro muito bem -, onde deu tudo certo para a Alemanha e tudo errado para nós.”

“Então temos que ficar lamentando, estamos muito tristes pela derrota, o que nós queríamos era passar e chegar a final, e sermos campeões, infelizmente não conseguimos, é vida que segue, cabeça erguida. O grupo está muito abatido, triste com a derrota, realmente a gente tinha muita confiança de chegar aqui e poder sair com a classificação, futebol é assim, agora é servir de aprendizado. Vamos levantar a cabeça e é vida que segue.”

Category: Competições

Tags:

Article by: Wladimir de Castro Rodrigues Dias

Advogado graduado pela PUC Minas, mestrando em Ciências da Comunicação (Universidade do Minho), 24 anos. A preferência é o futebol bretão, mas me interesso pelo esférico rolado em qualquer terra. Desde a infância, tenho no atacante Marques e no argentino Pablo Aimar referências; o melhor jogador que vi jogar foi o lúdico Ronaldinho Gaúcho, na temporada 2004/05. Também no O Futebólogo, no Doentes por Futebol e na Corner.