Como em 1986 e 1990, Alemanha e Argentina disputam a final da Copa

Na última vez em que se encontraram em Copas, a Alemanha eliminou a Argentina (Foto: Joern Pollex/ Getty Images)
Em 2010, nas quartas de final, a Alemanha se deu melhor (Foto: Joern Pollex/ Getty Images)

Depois de fazerem campanhas consistentes, com algumas dificuldades, mas, no geral, muito boas, a Alemanha, de André Schürrle, jogador do Chelsea, e a Argentina, do craque Lionel Messi, reeditarão as finais de 1986 e 1990, quando, no México e na Itália, se enfrentaram, com saldo igual: uma vitória para a Argentina, de Diego Maradona, e outra para a Alemanha, de Lothar Matthäus.

Após goleada, Alemanha deve repetir escalação

Depois de massacrar a Seleção Brasileira, a Alemanha deverá manter o mesmo time da última partida. Philipp Lahm, que começou a competição no meio-campo, deve continuar no flanco, uma vez que, totalmente recuperados, Sami Khedira, Bastian Schweinsteiger e, principalmente, Toni Kroos têm se destacado no centro.  A única dúvida é o zagueiro Jérôme Boateng, que sentia dores na virilha, mas participou normalmente dos treinamentos deste sábado, e não deve ser problema. Para todos os efeitos, Per Metersacker, defensor do Arsenal, está de sobreaviso.

No ataque, Thomas Muller, vice-artilheiro da Copa, deverá acompanhar o interminável Miroslav Klose, que se tornou o maior artilheiro da história dos mundiais. Apesar de ter mostrado atuações destacadas na Copa, tendo, no último jogo, balançado as redes do goleiro Júlio César duas vezes, Schürrle deverá manter sua condição de reserva de luxo, sendo opção quase certa para o segundo tempo.

No caminho até a final, a Alemanha bateu Portugal (4×0), empatou com Gana (2×2), venceu os EUA (1×0), suou para eliminar a Argélia (2×1 na prorrogação), venceu a França (1×0) e goleou o Brasil (7×1).

Argentina aguarda por Di Maria para confirmar time titular

Após enfrentar a pressão dos pênaltis contra a Holanda, ocasião em que o goleiro Sergio Romero se confirmou como um improvável herói, os argentinos aguardam a recuperação de Angel Di Maria, motor da equipe e um dos principais trunfos do treinador Alejandro Sabella.

Caso seja liberado, Di Maria entrará na vaga de Ezequiel Lavezzi, com a manutenção de Enzo Pérez na meia-cancha, uma alternativa que privilegiaria o fortalecimento do setor mais explorado pela rival Alemanha, permitindo um melhor embate entre as equipes. Além disso, Lavezzi não tem estado em boa forma, ao passo que Pérez se encaixou bem no time. Uma outra possibilidade, menos cotada, é a do retorno de Sergio Agüero à equipe. Também nesse caso, Lavezzi – que fora o escolhido para substitui-lo quando se lesionou – deixaria a equipe

Se, ao final, o craque do Real Madrid não puder atuar, a tendência é que Sabella repita a escalação do último jogo. Em sua trajetória, a Argentina venceu a Bósnia Herzegovina (2×1), o Irã (1×0), a Nigéria (3×2), a Suíça (1×0 na prorrogação) e a Holanda (4×2 nos pênaltis).

No passado, além das duas finais de Copas do Mundo, em 1986 e 1990, a Nationalelf enfrentou os Albiceletes em outras 18 ocasiões, com vantagem argentina. São oito vitórias Hermanas, contra cinco Tudescas, tendo havido, ainda, cinco empates. Apesar da vantagem sul-americana, nos confrontos mais importantes e recentes, disputados pelas quartas de final das Copas de 2006 e 2010, foram os germânicos que comemoraram ao final, com duas eliminações argentinas. Na primeira vez, os pênaltis decidiram o jogo, na segunda, a Alemanha se impôs e aplicou um sonoro 4×0 em sua rival.

FICHA TÉCNICA

ALEMANHA X ARGENTINA

Local: Maracanã, Rio de Janeiro (RJ)

Data/Horário: 13/07/2014, às 16h

Árbitro: Nicola Rizzoli (ITA)

Assistentes: Renato Faverani (ITA) e Andrea Stefani (ITA)

Alemanha: Neuer; Lahm, Boateng (Metersacker), Hummels, Höwedes; Khedira, Schweinsteiger, Kroos, Özil; Müller e Klose. Téc. Joachim Löw

Argentina: Romero; Zabaleta, Demichelis, Garay, Rojo; Mascherano, Biglia, Enzo Pérez, Messi; Lavezzi (Di María/Agüero) e Higuaín. Téc. Alejandro Sabella

Transmissão: Globo, Band, ESPN Brasil, Fox Sports, SporTV e Bandsports.

Durante toda a Copa do Mundo, o Chelsea Brasil fará a cobertura do torneio, informando, com o já conhecido empenho, o dia-a-dia dos jogadores dos Blues.

Category: Competições

Tags:

Article by: Wladimir de Castro Rodrigues Dias

Advogado graduado pela PUC Minas, mestrando em Ciências da Comunicação (Universidade do Minho), 24 anos. A preferência é o futebol bretão, mas me interesso pelo esférico rolado em qualquer terra. Desde a infância, tenho no atacante Marques e no argentino Pablo Aimar referências; o melhor jogador que vi jogar foi o lúdico Ronaldinho Gaúcho, na temporada 2004/05. Também no O Futebólogo, no Doentes por Futebol e na Corner.