Opinião: Janela de janeiro – o que fazer?

Oscar: permanência incerta (Foto: The Guardian)

Após investir alto na última temporada, trazendo, entre tantos nomes, Fàbregas e Diego Costa, o Chelsea conseguiu uma estabilização. E investiu nela. A temporada 2015/16 veio sem grandes reforços e a base, que se apresentava como sólida, traiu a confiança do torcedor e da comissão técnica. Praticamente todos os jogadores tiveram queda de rendimento, e o resultado disso é a posição dos Blues na tabela da Premier League.

Observando essa realidade, a janela de transferências em janeiro não pode ser vista como um momento de reformulação, longe disso. Esse período é marcado por coincidir com o meio da temporada, quando as equipes já devem estar com o entrosamento em dia, e os treinamentos do início da temporada, em ritmo lento e acolhedor para reforços, não existem mais. Dessa forma, as contratações devem ser pontuais, podendo se encaixar rapidamente sem prejudicar o grupo de alguma maneira.

Sem mais delongas, vamos até algumas boas opções para a janela que logo chegará.

Goleiros: Posição com boas opções e a recente contratação de Amelia para compor o grupo. Desnecessária qualquer movimentação.

Laterais: Ivanovic faz um ano de 2015 muito fraco. Seu contrato vai até junho do ano que vem e, se existe um momento certo para vendê-lo, seria agora. Essa hipótese é praticamente descartável, pois o histórico do jogador acabará pesando mais do que seu momento em campo e a renovação de um ano será buscada. Faz parte. Para esquerda, Azpilicueta segue firme, e Baba, apesar de já ter recebido questionamentos, ainda não pode ser julgado precisamente.

Quem eu traria: Lichtsteiner, da Juventus. Vive grande momento há um bom tempo, se estabilizando como um dos bons nomes da posição, e tem contrato apenas até 2017. Não seria um grande investimento e chegaria como reforço pontual. Empecilho: idade (31 anos), o que, observando por outro lado, poderia servir para Baba evoluir mais o seu futebol e assumir a titularidade mais tarde. Outras opções: Fabinho (Mônaco – 22 anos), Janmaat (Newcastle – 26 anos). 

Com Ivanovic ameaçado, lateral suiço surgiria como uma ótima opção (Foto: Sky Sports)

Zagueiros: Cahill estava na mira, mas recentemente renovou seu contrato e não sairá. Zouma está em ascensão, e é interessante mantê-lo com minutos. Já Terry, após grande temporada em 2014-15, vive um momento de declínio.

Pela renovação de Cahill, não traria nenhum reforço para o momento, seguindo dando campo para os que aqui estão. Na janela de julho, no entanto, uma contratação de peso é urgente, principalmente por conta da aproximação de Terry com a aposentaria.

Volantes: Matic e Fàbregas vivem um momento complicada, mas não devem ser vendidos no momento. Ramires estaria na lista de dispensas, mas renovou seu contrato e ficará por mais tempo. Mikel deve sair, sem mais desculpas.

Precisamos desesperadamente de opções (mais de uma) para essa posição, para ao menos pressionar os titulares. Se existe uma posição em que faria um contratação arrojada já para janeiro, seria essa, já que a queda da equipe tem muito haver com o que (não) vêm jogando Fàbregas e Matic.

Quem eu traria: Krychowiak, do Sevilla. Esteve na última seleção do campeonato espanhol, sendo um dos únicos representantes do núcleo não-Barcelona/Real Madrid. Tem ótima saída de jogo, além de um grande poder de desarme. Chegaria para ser titular, podendo jogar tranquilamente como “5” ou “8”. Empecilho: Contrato longo com o Sevilla, o que levaria a um valor de transferência alto. Outras opções (estas para compor elenco, e não para necessariamente serem titulares): Guarín (Inter – 29 anos), Dembelé (Tottenham – 28 anos), Ozyakup (Besiktas – 23 anos), Shelvey (Swansea – 23 anos).  

Krychowiak fez grande temporada pelo Sevilla (Foto: Divulgação)

Meias: Muito já foi dito sobre o potencial de Oscar, mas ele segue não querendo ajudar. Em caso de uma boa proposta, a venda não pode ser descartada, principalmente visando fazer caixa para a chegada de um bom volante/lateral, ou um jogador de maior destaque em outra posição. No restante dos jogadores, não mexeria por enquanto. Para contratações, seguiria com o que temos até a janela de julho, podendo pensar melhor na hipótese de trazer uma estrela num futuro próximo.

Atacantes: Falcao não soma nada ao elenco e deve ser devolvido ao Mônaco o quanto antes. No caso de Diego Costa, existe uma série de notícias ligando o nome dele a uma possível venda já em janeiro. Sou daqueles que não faz questão da permanência do atacante, mas esperaria a próxima janela para uma decisão.

Caso Diego saia, seria necessária a chegada de um jogador de peso para o setor ofensivo. Reluto em relação a essa possibilidade principalmente por conta do futuro, em que jogadores como Bamford e Solanke perderiam espaço no elenco.

Quem eu traria (caso Diego saia): Griezmann ou Aubameyang, de Atlético de Madrid e Borussia Dortmund. Com a venda de Diego Costa, muitas libras entrariam em nossa conta, e o investimento em algum desses dois nomes seria a melhor relação custo-benefício do atual (e inflacionado) mercado. São um atacantes leves, que podem atuar pelos lados e pelo centro com a mesma competência. Ambos estão vivendo um grande momento em seus clubes. Empecilho: Contrato longo e contratação bastante cara. Outras opções (não para serem titulares absolutas, mas para brigar com Remy pela titularidade): Huntelaar (Schalke – 32 anos), Djordjevic (Lazio – 28 anos), Alexandre Pato (Corinthians/São Paulo – 26 anos).

Temporada 2015/16 de Aubameyang é impecável até o momento (Foto: Bild)

E para você, blue, quem poderia chegar ou sair na janela de janeiro? Deixe sua opinião nos comentários (sem opções irreais, por favor).

Category: Opinião

Tags:

Article by: Gabriel Belo