Colunas: Última vez

E ao longo dos anos, aprendi que azul é a cor e futebol é o jogo (Foto: João Vitor Marcondes)
E ao longo dos anos, aprendi que azul é a cor e futebol é o jogo (Foto: João Vitor Marcondes)

Bom, esse é meu último escrito pelo Chelsea Brasil. Coincidentemente, a minha saída do site ocorre na semana posterior a demissão de José Mourinho. Estou me comparando ao lusitano? Não! Foi mera coincidência mesmo. E, igualmente ao clube, outros estão por vir. Outros “chelseanos” tão fanáticos e pelejadores pelo Chelsea. Se saiu Mourinho, vem Guus Hiddink, se há saída no Chelsea Brasil, o substituto será tão competente quanto o antecessor. Sempre será assim.

Há registros das minhas publicações desde 2012 no site. O que muito me orgulha. Não sei muito bem o que dizer nesse momento, é um tanto quanto complicado abrir mão de um produto que mescla duas paixões da minha vida: jornalismo e o Chelsea. Entretanto, outras prioridades apareceram – trabalhos e faculdade para ser mais preciso. Já vinha com o pensamento de me desligar do CNB tem alguns meses, mas o carinho e orgulho em falar “faço parte do Chelsea Brasil” foram superiores e decidi permanecer por um tempo maior.

Meus sinceros agradecimentos aos que trabalharam comigo nesses anos e que me auxiliaram profissionalmente. Listarei alguns nomes e já peço desculpas se não mencionar alguém aqui, mas o bem querer e a satisfação é tão grande quanto: Cleisson Lima Pimenta, Rafael França, Thiago Lyon, Rodrigo Quinan, Maria Akemi, Márcio Canedo, Guilherme Neto e Caique Toledo. Reitero minha gratidão ao citados e aos que compuseram o expediente do Chelsea Brasil.

Apesar da saída, manifesto aqui a continuidade da paixão pelo bom e velho clube da Fulham Road. Que apesar dos sustos e situações agonizantes – praxe do time de Stamford Bridge – não há situação que me distancie de você, nenhum risco de rebaixamento, nenhuma situação adversa, nenhuma postura decepcionante. Nada! O amor ao clube londrino me trouxe ao site e o site me apresentou situações que me agregaram para o pontapé jornalístico em minha vida.

Não vou me delongar muito mais. Obrigado aos leitores e fãs do Chelsea que acompanharam/acompanham o CNB, continuem acompanhando o ótimo trabalho dos meninos. Permaneçam firmes sobre o Chelsea. Não é fácil alentar o Chelsea, time sofrível. Mas como paixão é uma linha tênue entre ódio e amor, a nossa situação com clube é caracterizada por essa instabilidade.

Grandioso, igual ao clube londrino. Vida longa ao Chelsea Brasil!

Obs: Por mim, Mourinho ficava. Sério.

Category: Opinião

Tags:

Article by: João Vitor Marcondes

Taubateano e jornalista.