A renovação no Chelsea de Di Matteo

Roberto Di Matteo chegou de mansinho e conquistou seu lugar como treinador do time. Mas não estamos aqui para falar sobre os títulos conquistados pelo italiano, nem mesmo sobre seu talento.

Desde que assumiu o Chelsea, Di Matteo vem chamando atenção pelo fato de dar espaço aos garotos revelados pelo clube. Ryan Bertrand e Sam Hutchinson foram campeões da Europa com os Blues, sem contar os outros garotos que ficaram na lista B, como o goleiro Jamal Blackman.

Da base para o banco de reservas: Hutchinson, Bertrand, McEachran, Blackman e Lukaku (Foto: Daily Mail)

Curiosamente, Ryan e Sam são da mesma geração. Ambos têm 23 anos completos neste mês, jogaram juntos nas categorias de base e estão no clube desde criança. Bertrand já passou por mais de cinco empréstimos e teve sua chance somente na temporada passada. Já Hutchinson estreou no profissional quando José Mourinho ainda era o treinador, fez parte do elenco principal na conquista do Double e depois de várias lesões, retornou à equipe principal no final de 2011.

Os dois defensores são vistos pela torcida como sucessores de grandes nomes do Chelsea, como Ashley Cole e John Terry. Talento e potencial para assumir a titularidade dos Blues Ryan e Sam tem de sobra. A chance que lhes faltava finalmente parece que chegou. Não somente para esses dois jogadores em questão, mas para a geração de Lucas Piazon, Nathan Ake e John Swift.

Aos poucos Bertrand vai conquistando seu espaço no Chelsea (Foto: Hereisthecity.com)

Há quase uma década com o mesmo elenco, a renovação do elenco principal vai acontecendo paulatinamente. Juan Mata, Eden Hazard, Marko Marin, Daniel Sturridge, Romelu Lukaku, Kevin de Bruyne, Josh McEachran, Thibaut Courtois (além dos já citados nos parágrafos anteriores) foram chegando ao clube e sendo emprestados. Pode ser uma filosofia estranha essa que o Chelsea tem: investir em jovens promessas, emprestá-los e depois dar chances de atuar na Premier League.

Esse método pode dar certo? Sim! A prova disso é o próprio Bertrand que depois de amadurecer em clubes pequenos, vem ganhando cada vez mais espaço no Chelsea. Eu já acho que a melhor forma de trabalhar o potencial dos novos jogadores é fortalecer a Premier League dos Reserves e Youth (hoje, Sub-21 e 18). Aparentemente, esta temporada dará início a profissionalização dos campeonatos das bases.

Voltando ao assunto dos nossos jogadores e sua valorização (ou não). Talvez a diretoria tenha aprendido com as saídas de Michael Mancienne, Scott Sinclair, Jack Cork, Fabio Borin e Miroslav Stoch para ligar o sinal de alerta e rever o que se estava sendo feito com as pratas da casa. Foi necessário perder bons jogadores para finalmente abrirmos o olho e valorizarmos mais o que é feito em casa, até porque “a grama do vizinho é sempre mais verde.”

Sem espaço, muitos jogadores deixam o Chelsea. Como fez Sinclair (Foto: Daily Mirror)

Enfim, a renovação no Chelsea acontece. Vai engatinhando e aos poucos vai ganhando forma. Para felicidade da garotada, o responsável por fazer essa transição é Di Matteo, auxiliado por um bom conhecedor dos futuros ídolos: Steve Holland. Este foi treinador dos Reserves e pode ser de grande ajuda para dar aquele empurrãozinho na efetivação das nossas “crias” no elenco principal.

Há muito o que se fazer ainda, mas pelo menos a largada já foi dada.

 *Obs.: Destaquei em negrito apenas os jogadores criados nas categorias de base do Chelsea.

As palavras contidas nessa reportagem condizem à opinião do autor, não tendo qualquer relação com o Chelsea Brasil.

Category: Opinião

Tags:

Article by: Maria Akemi

Pernambaiana, torcedora do Chelsea desde muito tempo.