Após vitória, Guus Hiddink mostra satisfação: “Encontramos o equilíbrio para vencer”

Foi a primeira vitória de Hiddink no seu retorno ao clube (Foto: Chelsea FC)
Foi a primeira vitória de Hiddink no seu retorno ao clube (Foto: Chelsea FC)

Guus Hiddink se mostrou satisfeito ao ver seu trabalho recompensado hoje (03), no Selhurst Park. Depois de resistir à pressão do Crystal Palace, os Blues marcaram um gol e passaram à frente com uma finalização de Oscar após bola trabalhada. Depois disso, o Chelsea tomou o controle do jogo e dobrou a diferença com Willian – que fez seu oitavo gol na temporada. Diego Costa tratou de completar a vantagem com outra ótima exibição, mas o grande destaque foi o jogo coletivo do time, que se sobressaiu às individualidades.

Continue Lendo: Em jogo muito pegado, Chelsea vence Crystal Palace e se afasta da zona de rebaixamento

Hiddink reconheceu a habilidade do time com a bola e a entrega dos jogadores no sul de Londres, falando que sua equipe só continuará a série de vitórias se unir esses dois aspectos do jogo:

“Estou aqui há quatro jogos. Desses, em três eu participei como técnico. Começamos a trabalhar e, é claro, há muita qualidade nesse plantel – não só os titulares mas os reservas e alguns jovens. Se o time não vem atuando bem por longos períodos, é importante focar na segurança. É por isso que tivemos ênfase no bom e duro trabalho tático defensivo. Não gosto de ver um time recuar muito e ter uma falsa segurança, mas ir para frente e trabalhar a bola para frente o mais cedo possível. Quando eles têm a bola, sabem como jogar.

Não precisamos adicionar muita qualidade aos jogadores. Eles são abençoados por natureza com isso, mas têm que saber que, quando as coisas não vão bem, precisam procurar pelos motivos. É por isso que os jogadores talentosos começam a trabalhar ‘no pesado’, e não somente no jogo bonito – porque a liga requer muito e, se você pensa que consegue se destacar apenas com a qualidade natural, ela te mata.

A atitude dos jogadores está boa e a qualidade se sobrepõe. A eficiência da qualidade na metade do ano passado esteve muito baixa. Falamos sobre isso, fizemos isso (pequenas conversas no treinamento), mas se eles têm essa qualidade e o time está organizado o suficiente, eles devem produzir e aproveitaremos como eles jogam.”

Um dos jogadores que trataram de garantir a eficiência defensiva foi John Obi Mikel, que, segundo Hiddink, brilhou no meio-campo do time:

“Como nos últimos jogos, ele jogou muito bem. Na minha opinião, é o jogador ideal para trazer equilíbrio ao time. Se a equipe não defender bem ou tiver o equilíbrio certo, você concede muitos gols. Acho que Mikel pode ser uma das peças-chave para termos novamente esse equilíbrio. Meus jogadores exploram suas qualidades. Ele conhece muito bem o jogo. Sabe onde está a força do adversário e sabe como exatamente contê-la. Ele tem um bom olho, um bom nariz e um bom senso de posicionamento.

Ele não faz isso de maneira muito bruta – ele é muito, muito elegante. Eu gosto de ver um jogador defender suavemente. Isso é lindo. Ele não perde muitas bolas, é bom no passe curto. Eu não espero e não o peço para dar o passe final. Ele consegue, mas não, deixe esse trabalho para os outros jogadores.”

Cesc Fàbregas, um dos melhores jogadores e que teve um importante papel no primeiro gol, teve lembrança do técnico do Chelsea:

“Ele fez o que pôde e como gostamos de ver. Ele é ótimo com passes curtos e inteligente com os passes decisivos; é esse o Fàbregas que queríamos ver. É possível ter três jogadores muito criativos numa equipe, mas nessa liga – que é uma das mais competitivas do mundo -, é complicado. É por isso que procurávamos, e encontramos, equilíbrio.”

Apesar da grande atuação, a lesão de Eden Hazard preocupou o treinador holandês:

“Ele escorregou, abriu as pernas e teve um problema muscular. Amanhã veremos o diagnóstico da equipe médica e o quão ferido ele está.”

Por sua vez, Alan Pardew, técnico do Palace, notou grande diferença no time visitante:

“Estivemos envolvidos em todos os jogos até os últimos momentos, mas não hoje. O Chelsea jogou muito bem. As estrelas acordaram, suas mentalidades mudaram – foi fácil de perceber isso.”

Category: Competições

Tags:

Article by: Luis Felipe Zaguini

Doente pelo Chelsea.