Após nova derrota, Mourinho enxerga outras perspectivas para a temporada do Chelsea

José Mourinho durante jogo contra o Leicester: nona derrota em 16 jogos (Foto: Chelsea FC)
José Mourinho durante jogo contra o Leicester: nona derrota em 16 jogos (Foto: Chelsea FC)
Depois de mais uma embaraçosa derrota dos atuais campeões da Premier League, desta vez fora de casa por 2 a 1 contra o Leicester City, líder do campeonato, José Mourinho concedeu a tradicional entrevista pós-jogo. O técnico português elogiou a equipe comandada por Claudio Ranieri e demonstrou grande descontentamento pela atuação de seu time e também pela fragilidade defensiva.
“Eu acho que eles mereceram ganhar porque foram melhores do que nós durante um longo período de tempo. Acho que fomos a melhor equipe durante 20, 25 minutos ou no máximo em meia hora de jogo, mas eles foram o melhor time durante uma hora. Eles (time do Leicester) estiveram muito consistentes, muito concentrados e não cometeram erros. Jogaram de modo agressivo com todo mundo, com muita intensidade, num ritmo elevado e com grande mentalidade. Foi difícil para nós (sobre o jogo bem executado dos mandantes). Em seguida, levamos dois gols que são inaceitáveis para mim. Eu sei que uma das minhas melhores qualidades é ler o jogo para os meus jogadores, é ler os oponentes, é identificar todos os detalhes sobre os adversários e os gols tomados com Vardy aparecendo entre os zagueiros e a virada de bola para deixar Mahrez no um contra um são lances difíceis de aceitar. Sinto que o meu trabalho foi traído, essas são as palavras certas”.
Além de um desempenho muito bom dentro do campo, a equipe dos Foxes soube aproveitar bem outra tática: gastar tempo. Foi assim principalmente com os gandulas escondendo as bolas, o que deixou Mourinho incomodado.
“Quando marcamos o gol, faltavam 15 minutos (para o fim da partida), mas eles transformaram em cinco porque o jogo quase terminou lá com os gandulas, as lesões e a bola desaparecendo. Essas coisas não são boas, mas eles fizeram muito bem”.
José Mourinho refletiu sobre seus jogadores estarem abaixo do nível do time campeão há poucos meses.
“É difícil para nós marcarmos gols quando temos jogadores que não estão em seu melhor nível. É óbvio e todo mundo sabe que quando você tem alguns jogadores, especialmente em posições cruciais que não estão em seu nível normal, que é difícil. Na temporada passada eu fiz um trabalho fenomenal e os trouxe a um nível que não é deles, é mais do que realmente são. Nesta temporada estamos fazendo algo tão ruim que os jogadores, por algum motivo, ainda que nem todos eles, não estão mais nesse mesmo nível”.
Buscando alterar o cenário desfavorável para sua equipe, Mourinho optou por mudar seu esquema e deixar a defesa com três zagueiros. Entraram Fábregas e Rémy nos lugares de Terry e Oscar respectivamente, além de uma alteração ainda no primeiro tempo com a saída de Hazard lesionado para dar lugar a Pedro.
“Eu sempre tento ajudar. Acho que hoje (a entrada de Fàbregas) ajudou, mas não foi o suficiente. Tiramos Terry e mantivemos Zouma e Azpilicueta atrás porque eles são rápidos para lidar com os contra-ataques. Em seguida, optamos por mais um atacante para ter uma melhor ocupação dos espaços porque claramente Diego Costa esteve em dificuldade durante o jogo e por conta desse problema sua movimentação ficou reduzida. Com ele se movendo para os lados, não ocupamos os espaços certos, então lancei Rémy a campo para ter mais disputas dentro da área”.
Outra fonte de desânimo para Mourinho é como o trabalho duro dos jogadores não está se traduzindo em boas atuações. O técnico português falou de forma aberta sobre a sua frustração.
“Bem, eu não sei outra maneira que não seja trabalhar em alto nível e é o que eu faço todos os dias. E novamente eu tenho que ser honesto e dizer que no dia a dia nos treinos, não existe queixa com os jogadores. Eu olho para algumas partidas e me sinto frustrado com a diferença entre o que eles fazem no treinamento e o que eles fazem nos jogos”.
Sobre a lesão de Eden Hazard, o treinador afirmou que foi uma decisão do jogador de sair do jogo.
“Ele (Hazard) tomou a decisão em poucos segundos. Quando ele saiu (para ser atendido pelos médicos) disse que não conseguiria voltar, segundos mais tarde ele disse que iria tentar e quando voltou a campo, decidiu por sair da partida”.
Sobre os próximos desafios da temporada, o manager pediu que seus jogadores coloquem os pés no chão e sejam humildes por conta de tantos problemas.
“Eles (jogadores) têm de olhar para o Sunderland e o Watford e dizer: estamos no mesmo nível que vocês. Os jogadores têm que colocar os pés no chão e serem humildes. Estamos onde o Sunderland está e estamos 10 pontos atrás do Watford. Nas próximas duas partidas em que jogaremos em Stamford Bridge, temos que olhar para estes adversários de uma maneira humilde”, encerra.
Finalizando a entrevista, o técnico também descartou a possibilidade de chegar entre os quatros primeiros depois de mais um revés. O Chelsea volta a campo neste sábado pela 17ª rodada da Premier League. Jogando em Stamford Bridge, o time azul receberá a equipe do Sunderland e uma derrota para o esquadrão de Sam Allardyce com uma combinação de resultados, a equipe londrina pode entrar pela primeira vez nesta temporada na zona de rebaixamento. Tudo sobre o confronto você acompanha aqui no Chelsea Brasil.

Category: Competições

Tags:

Article by: Murilo César