Uma nova liderança

Em um recorte do jogo diante do Liverpool, na prorrogação, Jorginho protagonizou três grandes momentos. Primeiro, ele deu um belo passe para Abraham, que saiu frente a frente com Adrian e acabou sendo barrado pelo goleiro. Menos de dois minutos depois, foi do camisa 05 a enfiada de bola que originou a jogada que resultou em pênalti para o Chelsea. Na cobrança, gol dele.

Esse não é um exemplar que representa exatamente o envolvimento de Jorginho com as ações do Chelsea. Ainda assim, mostra o potencial de algo que já vinha se desenvolvendo desde a temporada passada. O ítalo-brasileiro é o estilo de jogador que participa das ações de construção em diversos níveis, desde a saída de bola até o terço final do campo, e sua capacidade de definição de jogadas é algo que tende a crescer com a adaptação e o tempo de clube.

Mais do que isso, Jorginho parece ter um perfil que faz muito bem para o ponto atual do projeto do Chelsea. Mesmo não sendo um veterano, já parece desenvolver uma grande liderança e demonstra viver o clube com muita intensidade e paixão, visto os seus gestos e suas orientações. Rodeado por jogadores jovens ou por nomes que tem menos tempo de clube do que ele, o volante será a espinha dorsal de um processo de renovação.

Denominado como um “regista” na gíria do futebol, sendo o jogador que constrói e guia os ataques do time, Jorginho, especialmente, parece entender seu atual papel e não subestima o tamanho da responsabilidade. Seu desempenho em campo nos dois primeiros jogos foi magistral, mesmo com o resultado desastroso (e injusto) da estreia. É alguém em quem podemos crer.

As palavras neste texto condizem com a opinião do autor, não tendo qualquer relação com o Chelsea Brasil

Gabriel Belo