Uma coluna que antecede Brighton e Chelsea

A palavra “Oscilação” é muita utilizada no futebol de tempos atuais. A verdade é que um time pode oscilar de várias formas. Por exemplo, os resultados de um time podem oscilar. A postura dentro das quatro linhas também é passível de oscilação. Em termos estatísticos, oscilações também são visíveis. Uma equipe, que teve mais posse de bola na primeira etapa, e não repetiu o desempenho no segundo tempo – oscilou. Ou seja, temos aí alguns exemplos de oscilação – palavra que significa mudar de estado ou sofrer alteração.

Ser “inconstante” também é um termo associado com a descrição feita anteriormente. Fique confortável para escolher a melhor palavra para definir o momento do Chelsea. De toda forma, o momento do Chelsea não é crítico, mas requer uma análise cautelosa. Afinal de contas, a sequência de resultados do Chelsea mostra um time que apresenta variações sobre sua consistência. Pronto, mais um termo: “inconsistente”. Inconsistente na série de embates com Chelsea 2×0 Fulham, Wolverhampton 2×1 Chelsea, Chelsea 2×0 Manchester City e MOL Vidi 2×2 Chelsea.

O próximo passo? Brighton x Chelsea, um jogo que teoricamente seria de todo favoritismo ao Chelsea. Por sinal, você não está errado em considerar o favoritismo, mas as oscilações/inconstâncias/inconsistências do time londrino deixam a torcida de orelha em pé. Primeiramente, o momento atual não é o fim do mundo e não é para pedir cabeça de treinador. Por outro lado, a equipe está apresentando desequilíbrios e os resultados apresentados acima são frutos desta irregularidade. Mais dois termos: “desequilíbrio” e “irregularidade”.

Ruben Loftus-Cheek

O Daily Mail veiculou na sexta-feira que dois times da Premier League podem competir pelos serviços do atleta do Chelsea. Segundo o jornal, Bournemouth e West Ham estariam interessados em contar com Loftus-Cheek a partir de janeiro. O interesse dos times seria empréstimo com opção de compra do futebolista. No cenário atual, Jorginho, N’Golo Kanté e Mateo Kovacic são atletas considerados “em um nível superior” ao inglês. Vale ressaltar que Ruben atuou no duelo da Liga Europa, mas não é certo que participe do embate contra o Brighton.

A minha opinião é favorável ao prosseguimento de Ruben Loftus-Cheek. Recentemente, eu escrevi uma coluna pedindo a permanência do atleta no Chelsea. Acredito que é possível desenvolver o jovem atleta dentro de Cobham e dentro de Stamford Bridge. Sem empréstimos excessivos e com uma espécie de “tour sobre aprimoramento futebolístico”. Literalmente, deixem o garoto jogar. Lembrando que o Chelsea negou aproximações anteriores de clubes europeus sobre o serviço de Ruben. O Schalke queria contar com o atleta, mas não teve andamento.

Estatísticas (Brighton x Chelsea)

O Chelsea marcou 13 gols nos últimos 15 minutos de embate. Em termos de gols nos últimos 15 minutos, essa é a melhor marca da Premier League. Cesar Azpilicueta tem 10 bloqueios de finalizações e 47 desarmes na EPL. Por outro lado, Kanté tem vinte interceptações na competição. O técnico do nosso próximo adversário (Brighton) é Chris Hughton. O retrospecto do time londrino contra o treinador é muito positivo. Uma vitória para Hughton, dois empates e seis vitórias do Chelsea. Atenção ao potencial de Glenn Murray, artilheiro do Brighton com oito gols na Premier League. Três desses gols, foram convertidos em penalidade máximas.

As palavras contidas nessa reportagem condizem à opinião do autor, não tendo qualquer relação com o Chelsea Brasil

João Vitor Marcondes

Taubateano e jornalista.