Quando o Chelsea terá um técnico com vínculo duradouro?

O novo burburinho girando em torno da permanência de Maurizio Sarri. Para variar, o treinador protagonizando possíveis transferências, não é mesmo? O trabalho do italiano estava em “risco” após a goleada sofrida contra o City, mas teve sobrevida após a vitória contra o Malmö. O status de Sarri estava na “extremidade de um abismo colossal” após a derrota por 2 a 0 contra o Manchester United e o jogo contra Malmö novamente retomou a moral londrina. Posteriormente, o Chelsea sofreu nova derrota para o Manchester City, na final da Carabao Cup, mas conseguiu três pontos contra o Tottenham.

Literalmente, Sarri vive altos e baixos no comando técnico do Chelsea. Entretanto, a oscilação não ocorre exclusivamente por conta dos resultados dentro das quatro linhas, há outros fatores em questão. Todo jogo do Chelsea aparenta um cenário de fim do mundo ou um cântico angelical vindo do paraíso. Nesta relação de 8 ou 80, a instabilidade é reforçada pela pressão midiática e por um cenário de histórica instabilidade do comando técnico.

Serei franco com os leitores/leitoras do Chelsea Brasil. Eu achei que Sarri perderia completamente o comando técnico após os eventos proporcionados por Kepa, na final da Copa da Liga Inglesa. Eu olhei aquele momento célebre do futebol inglês e pensei: A vaca se encaminhou ao brejo de vez. Não foi. A “Mimosa” continua viva e sendo testada a cada embate do Chelsea.

Não é só durante os jogos

Na verdade, ela (a Mimosa) também vem sendo desafiada em dias que não há jogos do Chelsea. Por exemplo, na sexta-feira, houve um rumor sobre Zinedine Zidane estar arriscado de não ir para o Chelsea, pois a Juventus teria interesse nos serviços do treinador. Lembrando que as duas equipes têm treinadores em atuação. Afinal de contas, Mauricio Sarri e Massimiliano Allegri estão em vigência contratual com Chelsea e Juventus. Entretanto, aos olhos de alguns noticiários, o Chelsea está ameaçado de perder um rumor, pois outra equipe teria interesse no treinador francês.

Ou seja, o time londrino tem que definir se vai seguir com o rumor (ênfase na palavra rumor) ou deixar esse cidadão negociar com uma outra equipe. Todas as idas e vindas e nenhum nome sendo verdadeiramente desvinculado de seus times. “Mas esse é o significado de rumor”. Concordo plenamente e, muito por isso, observo um clube que precisa – para ontem – de uma identidade no comando técnico e um trabalho de longa duração.

Vale lembrar que…

No começo da temporada, a atmosfera em Stamford Bridge consistia no “agora vai” sobre a possibilidade de uma dinastia. A esperança sobre um trabalho extenso, anos de projeto Sarri e de continuidade. Nesta altura do campeonato, depois de oscilar na primeira temporada, o projeto está em ruínas? Não está. Quando estará em ruínas? Depende da mentalidade adotada pela gestão atual.

O Chelsea deve buscar uma identificação no comando técnico. Caso contrário, mais uma vez, vai zerar o início de um trabalho e negociar com o “rumor”. Parece um ciclo vicioso da equipe londrina que começou com a filosofia de gestão, perpassou pelos atletas, foi reforçado com a midiatização e chegou aos torcedores. Um senso comum que foi atingindo paulatinamente diversas áreas do clube quando o tópico envolve os treinadores.

Para muitos que acompanham esse site, eu venho sendo repetitivo nos textos dominicais. Entretanto, do jeito que as coisas estão, a história vai se repetir e mais um técnico entrará na estatística. O clube tem sua gestão, mas a manifestação popular e o anseio da torcida valem muito para as decisões da diretoria. Se a torcida demonstrar vontade em contar com linearidade no comando técnico, o cenário de permanência tem mais chances de acontecer. Se Sarri não for do agrado popular, a tendência é o diálogo sobre reformulação no banco de reservas.

Concluindo

As coisas não são tão diretas nessa relação diretoria/torcida. Assim como uma temporada instável não deveria ser vital e decisiva para a continuidade do trabalho de Sarri. Essa sensação de instabilidade no comando técnico do Chelsea é algo maçante. Quando a equipe de Londres vai se pronunciar em relação ao apoio e confiança para com o projeto do italiano? Não irá. Não irá se pronunciar e digo mais. Ou seja, a falta de construção conjunta é o que rompe as primeiras estruturas de trabalho.

As palavras contidas nessa reportagem condizem à opinião do autor, não tendo qualquer relação com o Chelsea Brasil

João Vitor Marcondes

Taubateano e jornalista.