Encerrar com chave de ouro

Olá amigos e amigas do Chelsea Brasil! Uma coluna em ritmo de ano novo, inclusive, assisti ao jogo contra o Stoke com meus familiares em um barzinho. Fato que não costuma ocorrer. Normalmente, assisto em casa ou no computador. Enfim, situação caseira na maioria das vezes.

Ocasião bem festiva mesmo. Já aproveitando a ocasião, que 2018 seja abençoado para vocês, viu?! Que a reta final da Champions League seja favorável ao time de Antonio Conte e que o time de Stamford Bridge consiga caminhar bem e com segurança no G3 da Premier League.

Sobre o último jogo de 2017, o Chelsea sobrou contra o Stoke City. Foi melhor, mais incisivo, com mais posse de bola, mais tentativas ao gol. Resumidamente, fez valer o fator campo e goleou por 5 a 0.

Lembrando que o técnico italiano se deu ao luxo de deixar Hazard no banco e Kanté foi substituído no segundo tempo. O embate não foi um dos melhores do Morata, sejamos juntos. De todo modo, a partida não exigiu muito do espanhol, afinal, em dez minutos de partida o Chelsea já vencida por 2 a 0.

Inclusive, havia torcedores do Stoke deixando Stanford Bridge já no primeiro tempo. Tamanho a superioridade da equipe da Fulham Road. Esse desnível técnico fica ainda mais evidente se levarmos em conta que o time visitante não chutou nenhuma vez ao gol de Courtois no primeiro tempo. (Chelsea finalizou seis vezes ao gol na primeira etapa)

Um ótimo exemplo de jogo tranquilo e que deixa a equipe com moral com a torcida. Deu até para conversar com o garçom (comandante/capitão/tio/brother/camarada) sobre a situação do Chelsea nesta temporada.

Ótima forma de encerrar o ano. Boas festas para todos e #upthechels!

As palavras neste texto condizem com a opinião do autor, não tendo qualquer relação com o Chelsea Brasil.

João Vitor Marcondes

Taubateano e jornalista.