Ruben Loftus-Cheek sobre sair do Chelsea: “Treino não é o bastante, preciso jogar”

Ruben Loftus-Cheek, jogador apontado como revelação da base do Chelsea, foi emprestado para o time inglês Crystal Palace na última janela de transferências. Durante a festa de lançamento do FIFA 18, o jogador falou em  entrevista para um popular canal de torcedores do Arsenal, “Troopz”, sobre sua transferência.

“Eu treinei com vários jogadores de excelência no Chelsea, mas às vezes treino não é o bastante,” disse Loftus-Cheek.

“Precisei sair do Chelsea e ganhar o maior tempo de jogo possível e melhorar. É isso que preciso no momento. Preciso jogar, então essa mudança para o Palace me deixou mais animado.”

O jogador ainda riu quando perguntado se poderia jogar no Arsenal, e assentiu ao comentário do entrevistador de que o Chelsea teria relutado em dar mais chances a ele no time principal.

Ruben Loftus-Cheek parece feliz com mais espaço no Crystal Palace (foto: Daily Express)

Apesar de ser apontado como um dos jovens talentos da nova geração que está surgindo no futebol inglês, Loftus-Cheek teve poucas chances no Chelsea desde a estreia. Ele subiu em 2014, ainda na época de José Mourinho, após ter ajudado o time Sub-21 a conquistar a Premier League da categoria, além da FA Cup e UEFA Youth League. Depois da troca de comando, as chances do novato foram diminuindo, e ele acabou entrando em apenas três partidas na temporada passada, somando um minuto em campo.

O Chelsea normalmente aposta em empréstimos para desenvolver as pratas da casa, muito porque está sempre brigando pelos títulos, e se torna difícil apostar em jogadores com pouca experiência quando se busca sair com os três pontos em todas as partidas. Há quem não goste dessa mentalidade do time, mas faz sentido.

A pressão de um jogador que acaba de sair da base para o profissional é muito grande, e erros são esperados pela equipe técnica, mas não aceitos pela própria torcida que pede oportunidade aos novatos. No fim, o importante para o momento acaba sendo o resultado, e não o desenvolvimento dos atletas, e afinal, o elenco titular já conta com bastante experiência e habilidade.

Ir ao Crystal Palace parece ter sido uma boa opção, e o jogador percebeu isso. Estará disputando o campeonato inglês e poderá se adaptar ao estilo de jogo da liga, sentirá a pressão de um grande clube, mas terá espaço para errar sem comprometer a campanha do time que é sua casa desde o sub-8.

Asnate Souza

Estudante de Relações Internacionais na USP, e atleta universitária de futsal e futebol americano. Na horas livres, estou assistindo jogos.