Terceiro Tempo: O goleiro, a defesa e o ataque

O trabalho de um treinador é analisado a partir do desempenho ofensivo e defensivo da equipe que ele monta. Sempre levando em consideração o elenco que tem à disposição, as pretensões do time nas competições e o resultado que ele consegue obter a partir desses fatores.

Há pouco mais de meia temporada no comando do Chelsea, Frank Lampard já conseguiu mostrar trabalho, fez mudanças, começou a aplicar sua filosofia no time, porém ainda demonstra ter grandes problemas na montagem da equipe, ainda sem solução.

No Terceiro Tempo dessa semana, vamos analisar cada parte do trabalho do treinador, e passar pelo goleiro, que é uma das posições mais afetadas pela montagem da equipe, mas que também precisa mostrar qualidades individuais para ajudar o time.

Primeiro tempo: o goleiro

Kepa tem contrato com o Chelsea até agosto de 2025. [Foto: Reprodução Twitter @chelseafc]


O espanhol Kepa Arrizabalaga chegou no Chelsea em agosto de 2018, vindo de boa temporada no Athletic. Os Blues pagaram €80 milhões de Euros para suprir a saída de Courtois. O contrato com o goleiro foi de 7 anos, vai até 2025. Ou seja, a aposta era em um goleiro para resolver a posição por muito tempo.

A primeira temporada do goleiro foi boa. Kepa compensava sua baixa estatura (para um goleiro) com bastante reflexo, bom posicionamento e boa saída com os pés. Apesar da idade, demonstrou ter muita personalidade em alguns episódios marcantes, como quando enfrentou Sarri para continuar em campo na final contra o Manchester City, ou quando cresceu na decisão por pênaltis na semifinal de Europa League contra o Frankfurt.

Na Premier League 2018/19, foram 36 jogos e 39 gols sofridos e 14 clean sheets. Se considerarmos todas as partidas da temporada, foram 54 jogos, 51 gols sofridos, e 23 partidas sem ser vazado. Uma média interessante.

Porém, a atual temporada é mais complicada para o goleiro, que começa a ser colocado em xeque. Analisando apenas os números, já é possível ver uma queda de desempenho. Na Premier League foram 24 partidas até aqui, com 32 gols sofridos, com apenas 5 clean sheets. Se considerarmos todas as competições, 31 jogos e 43 gols sofridos, e 6 jogos sem ser vazado.

Resumindo os números:

  • 2018/19 – 0,94 gol sofrido por jogo
  • 2019/20 – 1,38 gol sofrido por jogo

Quase 1 gol a mais a cada 2 partidas.

Além disso, Kepa apresenta uma estatística muito ruim na porcentagem de defesas. Com 55% de defesas, ele é o pior da Premier League nesse quesito na temporada. Além disso, ele é um dos goleiros com o menor número de defesas, mostrando que não é tão acionado quanto outros goleiros na competição. Ele também já sofreu seis gols de fora, o maior número da PL.

Se trouxermos para o âmbito europeu, ele está na posição 127, dos 132 goleiros dos cinco principais campeonatos da Europa em percentual de defesas.

O StatsBomb fez uma arte muito completa que ilustra todas as finalizações sofridas por algumas equipes. Seguem abaixo as finalizações sofridas por Chelsea e Liverpool, apenas a título de comparação:


O Chelsea sofreu 203 chutes até o momento que a arte foi feita, e concedeu 30 gols. Já o Liverpool, sofreu 205 chutes e concedeu 14. Ou seja, com mais chutes contra, os Reds sofreram menos de metade dos gols sofridos pelos Blues. Uma das equipes tem a melhor defesa do mundo, enquanto a outra é constantemente criticada.

Porém, enquanto Alisson é considerado o melhor goleiro do mundo, por aparecer e fazer defesas importantes quando o sistema defensivo é penetrado, Kepa mantém uma média de defesas muito ruim, fazendo com que alguns torcedores o culpem por muitos gols sofridos e alguns pontos deixados pelo caminho.

Kepa tem 25 anos atualmente, é jovem e atravessa uma má fase. Ainda não é o caso de contratar um goleiro para ser o titular para as próximas temporadas e abrir mão do espanhol. Até porque, seria um prejuízo financeiro enorme levando em conta o investimento feito nele. Porém, é necessário cobrar mais desse goleiro sim. Ele tem um dos maiores salários do elenco, e não pode ser isento de toda a culpa.

Um sistema defensivo bem estruturado também ajuda o goleiro a ter mais confiança, fazer mais defesas e sofrer menos gols. Por isso, devemos melhorá-lo, e essa deve ser a prioridade de Frank Lampard para elevar o patamar do Chelsea.

Segundo tempo: a defesa

Azpilicueta é o líder do time e do sistema defensivo, mas já fez partidas ruins na temporada [Foto: Reprodução Twitter @chelseafc]


Como treinador, Frank Lampard não havia feito um grande trabalho defensivo durante seu trabalho anterior no Derby County. Na segunda divisão inglesa, o clube sofreu 54 gols em 46 partidas. Média superior a um gol por jogo.

Na atual temporada, os números são parecidos: 32 gols sofridos em 24 partidas. Ou seja, Lampard não é um especialista em montar defesas.

O Chelsea normalmente joga com uma linha de 4 na defesa, um homem mais recuado para fazer a saída de jogo, e mais dois meias centrais.

Falando em nomes, a equipe normalmente é composta por:

  • Azpilicueta/James;
  • Rudiger, Christensen/Zouma/Tomori;
  • Emerson/Alonso/Azpilicueta;
  • Jorginho, Kanté, Kovacic

Os laterais têm liberdade para subir e ajudar no ataque. Jorginho é o primeiro volante, mas é responsável pela saída de jogo e participa das ações ofensivas, enquanto Kovacic e Kanté encostam mais nos jogadores ofensivos para construir as jogadas mais próximos ao gol adversário.

Para marcar, a linha de 4 fica posicionada, Kanté e Kovacic voltam junto com os meias ofensivos, e só Abraham não têm preocupações defensivas.

O problema, é que muitos times, principalmente os menores, adotam a estratégia de se fechar, chamar o Chelsea para o jogo e sair em contra-ataques rápidos.

Mesmo que os laterais e os meias centrais se esforcem para voltar, os adversários pegam o sistema defensivo do Chelsea bem desarrumado, e normalmente acham espaços dentro da área dos Blues com cruzamentos, nos quais a bola vai de um lado para o outro, achando atacantes em situações de dois contra um.

O Chelsea sofre muitas finalizações em um espaço que fica entre a entrada da área e a marca do pênalti, e daí normalmente os atacantes têm facilidade para acertar o gol.

No início da temporada, Zouma ficou marcado por alguns erros individuais que levaram a gols do time adversário. Hoje esses erros mais evidentes não estão mais existindo, mas é possível notar que muitas vezes o sistema todo falha, deixando de cometer uma falta na origem da jogada, ou demorando para se posicionar da maneira correta, e isso faz com que o Chelsea sofra demais com ataques das equipes adversárias.

Além disso, Kepa não atravessa boa fase, e Kanté está com mais preocupações ofensivas que defensivas durante os jogos. O que enfraquece ainda mais o sistema, uma vez que o francês é visto correndo desesperado para trás durante os ataques adversários, mas sem conseguir alcançar e fazer os desarmes que são característicos do jogador.

Uma solução que Lampard encontrou para lidar com jogos maiores, é a utilização de uma linha de 5 na defesa, com jogadores rápidos e fortes.

Azpilicueta, Rudiger, Zouma, Tomori e Marcos Alonso conseguem jogar muito bem em um sistema parecido com o que foi implementado por Antonio Conte nos Blues. O sistema ainda conta com Kanté e Jorginho ou Kovacic que, alinhados, conseguem anular bem os espaços do adversário, e ainda privilegia Kanté em uma posição que rende mais.

Essa estratégia foi usada na vitória por 2×0 contra o Tottenham pela Premier League, e pode ser uma boa para os confrontos contra o Bayern pela Champions, por exemplo. Enfrentar os alemães com uma defesa mal montada pode ser trágico, com grandes riscos a goleada.

Então, é necessário que a maneira de defender seja mais bem trabalhada por Frank, que pode inclusive, procurar ajuda com especialistas nessa área. O treinador tem apenas 41 anos e está em tempo de aprender e evoluir como técnico de futebol. E certamente o sistema defensivo deve ser a prioridade, um time competitivo começa pela defesa, e não basta apenas ter um bom ataque para ser campeão.

Prorrogação: o ataque

Tammy Abraham é o artilheiro do time. Já anotou 13 gols na Premier League! [Foto: Reprodução Twitter @chelseafc]


Esse é o setor mais positivo dos trabalhos de Frank Lampard. No Derby ele já tinha conseguido montar um ataque interessante com Mason Mount armando por dentro, Wilson, Marriott e Waghorn no ataque. Foram 69 gols marcados nas 46 partidas do time na segunda divisão.

Nessa temporada, a história se repete. São 41 gols marcados em 24 jogos. Média de quase dois gols por partida.

O ataque do Chelsea, muitas vezes passa por Mason Mount. Claramente um dos jogadores favoritos de Frank Lampard, o jovem de 21 anos só não entrou em campo em uma partida na temporada. O meia é responsável por dar dinâmica à equipe. Pressiona a saída de bola dos adversários e sempre se aproxima dos pontas e do atacante, buscando tabelas e a criação de alguma boa jogada ofensiva.

Lampard também usa dois pontas, Willian é quase sempre um deles. O outro pode ser Hudson-Odoi, Pulisic ou até o próprio Mason Mount, quando o meio campo é composto por Jorginho, Kanté e Kovacic. Esses pontas têm total liberdade para escolher se vão buscar a linha de fundo ou cortar para o meio e finalizar. Eles aparecem na área, mas também tem preocupações defensivas.

Os meias centrais também têm responsabilidades no momento de atacar. O time roda bastante a bola, e Jorginho e Kovacic participam bastante dessa troca de passes. Kanté conduz mais a bola e é responsável por aparecer no ataque como elemento surpresa para finalizar, ele marcou 3 gols na Premier League.

O centro avante é Tammy Abraham, o camisa 9 já anotou 13 gols no campeonato inglês e é um dos artilheiros da competição. Já marcou de cabeça ou recebendo passes em profundidade, se mostra uma opção de bastante repertório.

O grande problema do setor ofensivo são as peças de reposição. Os atacantes reservas são Batshuayi e Giroud, que estão em um nível bem abaixo de Tammy.

Com Pulisic lesionado, a opção de banco é Pedro, que também não está jogando mais em alto nível. Odoi é o titular, mas também têm um histórico de lesões recentes que preocupa.

Além disso, Willian é o único jogador experiente no ataque, quando é composto por Mount, Abraham e Odoi ou Pulisic. Com a janela aberta, pode ser interessante a contratação de mais uma peça que tenha cancha para assumir mais a responsabilidade de fazer produzir ofensivamente.

Em muitas partidas o Chelsea roda muito a bola e não consegue penetrar a defesa adversária. Quando Mount e Willian são bem anulados, ou estão fazendo uma partida ruim, o time sofre, e o banco não oferece boas opções ao treinador.

O Chelsea de Frank Lampard tem 6 pontos de vantagem na 4ª colocação da Premier League [Foto: Reprodução Twitter @chelseafc]


O trabalho de Frank Lampard é bom. O time vacila muito, mas segue na 4ª colocação e está vivo na Champions League, depois de passar por um grupo complicado. A diretoria ainda não agiu em termos de contratação, ou seja, o treinador ainda não foi responsável por nenhuma chegada aos Blues, o que limita um pouco seus recursos.

É necessário acreditar no processo. Frank ainda tem muito a melhorar, mas já demonstrou algumas boas virtudes. Consegue extrair muita coisa boa de um time repleto de jovens. Vamos confiar!

Victor Rosa

Curso jornalismo e carrego o sonho de trabalhar acompanhando futebol todos os dias da minha vida. #GoBlues #KTBFFH