Terceiro Tempo: Chelsea Women busca fazer história na Community Shield

Equipe feminina inicia temporada neste sábado (29/08)

Neste sábado (29) o futebol retorna na Terra da Rainha. De pronto, não há palco mais simbólico do que o Estádio de Wembley para receber a Community Shield 2020. Pela primeira vez na história da competição serão realizadas duas partidas: a feminina e masculina.

Isso significa que teremos Chelsea em campo. Campeã da FA Women’s Super League, a equipe de Londres disputa o título da Supercopa contra o Manchester City (2º colocado na temporada 2019/2020). Será a primeira vez de ambos os times no torneio. Diante desse contexto, o Terceiro Tempo abrirá uma exceção nessa semana. Em suma, ao invés de analisarmos o time masculino, é a equipe de Emma Hayes que ganha protagonismo. Afinal, será um sábado histórico ao Maior de Londres.

O ano do Chelsea Women

As mulheres de Londres chegarão ao jogo contra o City carregando a faixa de campeãs inglesas. O título veio após uma temporada impecável na competição nacional. Foram 15 partidas na Super League: 12 vitórias, três empates e nenhuma derrota. De antemão, 47 gols a favor e apenas 11 contra (Melhor Ataque e a segunda Melhor Defesa). Quando a pandemia do novo coronavírus interrompeu o campeonato, as Blues estavam na segunda colocação com 39 pontos.

O Manchester City liderava com 40. Contudo, as Citizens haviam realizado 16 jogos: 13 vitórias, um empate e ainda somavam duas derrotas. Diante disso, a FA levou em conta o critério de “pontos por jogo” para definir a equipe campeã e a rebaixada. Sendo assim, o título da Super League foi para Londres.

Elenco posa com troféu da Super League

Foram dois títulos nacionais em 19/20 (Foto: Chelsea FC)

Não havia como contestar, pois a equipe de Hayes era a única invicta na competição. Ademais, ao longo da temporada o Chelsea Women venceu todos seus rivais tradicionais: Liverpool (na FA Cup), Manchester United, West Ham, Arsenal e o próprio City na Super League.

Antes do título mais importante do ano, o Chelsea havia erguido outra taça doméstica. Dessa vez foi dentro de campo. E com gosto especial. Troféu em cima do Arsenal na final da Continental Cup: 2×1 com dois gols de Bethany England. Final + clássico londrino = emoção. Nesse sentido, a conquista foi ainda mais especial: gol da vitória veio aos 90′.

Com dois títulos na temporada 19/20, o Chelsea segue em busca da Tríplice Coroa. Isso porque o time de Hayes está nas Quartas-de-Final da FA Cup cuja temporada foi paralisada. O calendário será retomado no próximo mês, no duelo contra o Everton, fora de casa.

Elenco é maior trunfo de Hayes (Foto: Divulgação)

Futebol coletivo supera a individualidade

Quem acompanha o Chelsea de Hayes sabe de uma coisa: independente da craque em campo, o futebol deve ser coletivo. Não há espaço ao jogo “egoísta”. Troca de passes, futebol pensado por várias mentes e a bola trabalhada de pé em pé. Esse é o time feminino.

Obviamente que a habilidade resolve jogos mais difíceis. Contudo, no geral é um grupo acima de tudo. Falando em elenco, Hayes tem peças do mais alto nível à sua disposição. Para 2020/2021 ganhou reforços e principalmente, manteve a base campeã.

Elenco 2020 tem caras novas

A qualidade começa no gol, onde estão Ann-Katrin Berger e Carly Telford praticamente se revezando na titularidade. O sistema defensivo conta com atletas experientes e jovens: Maria Thorisdottir, Hannah Blundell, Millie Bright, Magdalena Eriksson, Jess Carter, Maren Mjelde e Jonna Andersson.

O meio-campo parece uma seleção. Sophie Ingle, Ji So-yun, Guro Reiten, , Drew Spence, Jamie-Lee Napier, Charlotte Fleming (revelada no clube) e Charlotte Wardlaw (categorias de base). Por fim, o ataque é uma dor de cabeça aos rivais. Além de England há Fran Kirby, Sam Kerr, Erin Cuthbert, Lexi Lloyd-Smith e Emily Murphy (as últimas são novatas reveladas no Chelsea).

A partir dessa temporada se juntam Niamh Charles (ex-Liverpool), Jessie Fleming (Liga Universitária dos Estados Unidos) e a principal contratação, Melanie Leupolz (ex-Bayern de Munique). O trio tem a missão de fortalecer ainda mais o plantel bicampeão em 19/20.

Community Shield é momento inédito

Não bastasse ser o retorno da Supercopa após 12 anos, também será o primeiro jogo em Wembley. E com duas equipes que nunca estiveram brigando pelo troféu. Em conclusão: a rivalidade entre Blues e Citizens ganhará um tempero adicional no dia 29.

Falando em Wembley, a equipe de Hayes tem boas recordações. De três finais no icônico estádio foram duas conquistas: FA Cup de 2015 (1×0 no Notts County) e 2018 (3×1 no Arsenal). Foram quatro gols a favor e apenas dois contra. A única derrota veio para o Arsenal, em 2016.

City e Chelsea Women

Rivalidade com City se acirra com jogo em Wembley (Foto: Shutterstock)

Confrontos em 19/20

Na temporada passada foram dois jogos entre Chelsea x Manchester City. No dia 1º de dezembro jogando em casa as Blues venceram por 2×1. Gols de England e Ingle, Weir descontou. No returno, 3×3 no distante 23 de fevereiro de 2020. Foi o último confronto da temporada antes de a covid-19 mudar o cenário esportivo. Ji, Eriksson e England anotaram para o Chelsea. White, Stanway e Hemp marcaram para o City.

Por conta da pandemia a estreia da Community Shield em Wembley será sem público. Contudo, a BBC prepara uma transmissão especial no dia da partida. Por conseguinte, a FA já escalou a arbitragem. Rebecca Welch comandará o jogo. Ela será auxiliada por Natalie Aspinall e Emily Carney. Abigail Byrne atuará como quarta árbitra e Cristiana Hattersley foi escolhida para atuar no VAR.

A expectativa do jogo

Principal reforço da última temporada, Kerr não chegou 100%. Nada que a impedisse de ir a campo e contribuir com gols e assistências na reta final da Super League. Agora mais descansada e totalmente adaptada, a australiana quer mais títulos.

“Estou muito ansiosa para jogar. Faz um tempo e é um grande jogo para iniciar nossa campanha. Manchester City é um dos maiores times da Liga e provavelmente da Europa, então será excitante”, disse a atacante. Kerr lembrou do 3×3 fora de casa e sabe que a partida de sábado será muito dura. “Foi um dos jogos mais difíceis, mas estamos trabalhando muito duro e estaremos prontas para isso. Queremos iniciar a temporada lá em cima e é um grande jogo para nós”, finaliza.

Maria Akemi

Pernambaiana, torcedora do Chelsea desde muito tempo.