Terceiro Tempo: Sem contratações, Lampard terá que tirar mais de seus jogadores

Mesmo após ter se livrado da punição da FIFA que impedia o clube de contratar, o Chelsea não fez nenhuma contratação na janela de transferências de Janeiro.

A punição iria, inicialmente, até a janela do meio do ano, mas os Blues recorreram da decisão e conseguiram a autorização para realizar transferências na metade da temporada.

Curiosamente, o clube não contratou ninguém. Especulações foram recorrentes até o último dia da janela, incluindo nomes como Edinson Cavani, Jadon Sancho, Ben Chiwell, Wilfred Zaha, Dries Mertens e muitos outros. Porém, as transferências ficaram apenas no âmbito da especulação.

Primeiro Tempo: O que deu errado

A explicação para a falta de reforços em Janeiro está no fato de que a diretoria e a comissão técnica não foram capazes de prever situações e planejar acordos.

O treinador Frank Lampard deixou claro que ficou desapontado por não conseguir trazer um novo atacante para ocupar eventualmente a vaga de Tammy Abraham, e o insucesso na busca obrigou o Chelsea a manter Olivier Giroud, que queria sair e tinha o interesse de times como a Inter de Milão, a Lazio e o Tottenham. O atacante francês e o belga Michy Batshuayi não estão sendo capazes de substituir Abraham quando é necessário.

Giroud esteve muito próximo de sair do Chelsea (Foto: Getty Images)

Está cada vez mais claro que os Blues recorreram da decisão da FIFA porque de fato queriam trazer jogadores em Janeiro, mas simplesmente não conseguiram achar os reforços adequados. A diretoria acabou optando por não trazer novos atletas apenas para aumentar o número de jogadores no elenco. Isso porque os jogadores que realmente despertavam interesse não estavam a um fácil alcance.

Pode-se dizer que o Chelsea não quis fazer contratações com baixas chances de sucesso. Um exemplo a não ser seguido seria o Manchester United, que nos últimos anos trouxe muitos jogadores apenas para inflar o elenco. Um caso recente é o do atacante nigeriano Odion Ighalo, que deixou o Shanghai Shenhua, da China, para jogar no United por empréstimo, mesmo sem nunca ter mostrado um nível de atuação bom o suficiente para interessar a um gigante como a equipe vermelha de Manchester.

É importante lembrar que os Blues se recusaram a contratar o atacante Salomón Rondón por empréstimo, vindo do Dalian Yifang, da China.

A falta de contratações do Chelsea é, também, uma forma de evitar problemas financeiros. O clube não quer contratar jogadores pagando custos de transferências e salários muito altos. O atual momento faz parte de uma perspectiva mais responsável e uma maneira mais segura de lidar com o mercado de transferências.

A verdade é que a maioria dos times são sempre relutantes em negociar jogadores no meio da temporada.  A janela de Janeiro acaba aumentando os custos de diversas transferências. Os times europeus estão no momento chave da temporada, brigando por títulos e melhores colocações, o que significa que os grandes jogadores que interessam ao Chelsea simplesmente não estão à venda nessa época do ano.

Empréstimos seriam mais alcançáveis e realistas, mas ao que parece a diretoria está tentando comprar jogadores, pensando no longo prazo.

Vale destacar também que alguns clubes sabem que possuem jogadores promissores e acabam cobrando montantes maiores do que o valor de mercado dos atletas porque percebem que muitos estão desepsperados por reforços no mês de Janeiro

Dessa forma, o Chelsea está esperando por uma janela mais calma, podendo fazer um planejamento mais conciso e certeiro e economizando o dinheiro que poderia ser torrado em contratações de emergência.

Cavani e Mertens , por exemplo, terão seus contratos terminados com o PSG e o Napoli no fim da atual temporada. Isso significa que, caso o Chelsea queira contar com os atacantes na próxima temporada, o clube não precisará pagar nada além dos salários. Se as transferências fossem apressadas para a janela de Janeiro, PSG e Napoli certamente cobrariam custos bastante elevados para jogadores de 32 anos.

Cavani era um dos reforços esperados pela torcida (Foto: Getty Images)

Segundo Tempo: Lampard coloca o Chelsea como azarão

Observando o mercado de transferências dos clubes que brigam com o Chelsea por uma vaga na Champions League, o treinador inglês dos Blues fez questão de tirar a pressão de seu elenco.

Lampard admitiu preocupação com o fortalecimento de seus rivais, apontando para o Manchester United, que trouxe Bruno Fernandes do Sporting e o Tottenham, que contratou Gedson Fernandes, Steven Bergwijn e Giovani Lo Celso.

Bruno Fernandes foi a principal contratação entre as equipes que brigam por vaga na Champions League (Foto: Desporto)

“Veja o Manchester United contratando um grande jogador, um jogador de classe mundial em minha opinião”, disse Lampard.

 “E as equipes ao nosso redor, como o Sheffield United, fazem contratações fantásticas. O trabalho de Chris Wilder é incrível porque ele teve anos para trabalhar nesse grupo e agora eles estão adicionando jogadores onde ele achar melhor.”

“O Tottenham trouxe alguns nomes e eles não estão muito atrás de nós na tabela. Alguns jogadores saíram de onde estavam no final de seus contratos porque talvez não estivessem felizes por jogar em seus ex-clubes. Às vezes isso é tão importante quanto atrair jogadores”, disse o inglês de 41 anos.

“Agora provavelmente nos tornamos os menos favorecidos  porque as equipes ao nosso redor se fortaleceram.”

O Chelsea ocupa o quarto lugar da Premier League, com 41 pontos em 25 jogos. Em quinto vem o Tottenham, com 37, seguido pelo Sheffield United, com 36, o Manchester United, com 35 e o Wolverhampton, também com 35.

Na frente da equipe azul de Londres está o Leicester City, com  49 pontos (oito a mais que o Chelsea), o Manchester City, com 51 e o líder e virtual campeão Liverpool, com inacreditáveis 73 pontos.

“Eu tenho que ser a primeira pessoa que permanece positiva e tenho que ser sincero quando falo em voz alta “, disse o maior artilheiro da história do Chelsea.

 “Sabemos que o mercado é importantíssimo para uma equipe que quer ter sucesso, é só olhar para o Liverpool e o Manchester City nos últimos anos.”

“Mas é um fato. As pessoas ficarão entediadas se eu continuar reclamando desse fato. Tenho de trabalhar. Os jogadores têm que trabalhar. Acho que no início da temporada ninguém nos colocou entre os quatro primeiros. Mas a realidade é que agora será uma grande luta”, afirmou Lampard.

“Não vamos nos esquecer de que é uma janela difícil. O fato de termos perdido a última janela tornou essa um pouco mais crucial para nós, mas agora perdemos duas janelas.”

Prorrogação: A manutenção do elenco e o retorno de Loftus-Cheek

A boa notícia para os torcedores é que o clube manteve praticamente todos os seus jogadores. A única saída foi a do lateral direito Tariq Lamptey, que foi para o Brighton. O contrato dele estava chegando ao fim e ele preferiu não renovar, provavelmente imaginando que teria poucas chances no time principal.

Lamptey foi o único jogador a deixar o Chelsea na janela de Janeiro. (Foto: Getty Images)

De resto, todos permaneceram. Agora, a torcida espera pelo retorno do meio campista Ruben Loftus-Cheek, que está voltando de lesão após oito meses fora dos gramados. O inglês pode se tornar uma nova arma nessa metade final de temporada.

Loftus-Cheek está retornando de lesão e pode ser um reforço importante (Foto: Chelsea FC)

Na temporada passada ele jogou bastante e imediatamente demonstrou suas melhores características. Sua altura permite que ele domine o centro do campo, mas também há a velocidade, que é menos óbvia devido ao seu tamanho. Além disso, o inglês mostrou sua boa qualidade nos passes e dribles.

Mesmo com todo o seu talento, Loftus-Cheek tem se esforçado para encontrar sua identidade como jogador de futebol. Diferentes treinadores já o utilizaramem posições diferentes. Ele foi atacante, ala, número dez, número oito, ponta e volante.

A alta quantidade de aparições regulares na última temporada mostrou o que ele poderia fazer. Dez gols e cinco assistências em 40 jogos mostraram que Loftus-Cheek era uma séria ameaça de gol depois de jogar como camisa oito e como ponta na temporada passada. Vale lembrar que em muitos desses jogos ele entrou no segundo tempo, o que dificulta seu desempenho em termos de números.

Bruno Pizarro

Jornalista Esportivo que acredita no desempenho acima do resultado. Entusiasta da Premier League e apaixonado pelo Chelsea Football Club desde a infância. Siga-me no Instagram: brunosafortes