Kai Havertz quer evoluir no Chelsea e na seleção da Alemanha

“A intensidade dos duelos e das corridas é muito maior [na Inglaterra]", disse Kai Havertz

Kai Havertz concedeu entrevista ao site do Chelsea e demonstrou sua determinação para explorar seu potencial no Blues e nos compromissos da seleção alemã. Além disso, o jovem atleta do Chelsea comentou sobre os primeiros jogos no na Premier League e as diferenças entre a competição inglesa e a Bundesliga. Assim sendo, Kavertz terá a companhia de Antonio Rudiger e Timo Werner nos próximos compromissos da Alemanha na Liga das Nações.

Os jogos na seleção alemã pela Liga das Nações

“Viajei muito ansioso para os jogos [do selecionado nacional]. Nos meus dois anos com o selecionado, eu não fiz muitos jogos, mas sou relativamente jovem”, iniciou Kai Havertz sobre o retorno ao território alemão e os embates dom o selecionado germânico. “Tenho muitos jogos pela frente e, por isso, eu mantenho a calma. Tenho autoconfiança para buscar [oportunidades] na seleção”, afirmou.

Começo na Premier League

“Foi muito difícil para mim, especialmente pelo fato da Premier League ser muito diferente. É mais intenso e eu notei isso nos primeiros jogos. Tem sido muito bom para mim recentemente, mas acho que ainda há muito potencial para desenvolver. Quero explorar isso nas próximas semanas e meses”, salientou.

Os primeiros passos na Inglaterra

O hat-trick [contra o Barnsley] foi bom para mim. O início foi um pouco difícil, pois treinei apenas cinco ou seis dias com a equipe. Posteriormente, eu joguei o primeiro jogo. E foi um grande passo para mim, deixei minha família e todo o ambiente familiar. Claro, leva tempo para me ambientar”, disse.

As diferenças entre os campeonatos – Inglaterra e Alemanha

“A intensidade dos duelos e das corridas é muito maior [na Inglaterra]. É uma liga completamente diferente e os jogos são muito cansativos. A Bundesliga não é pior, mas notei diferenças. Parece-me que não há jogadores medianos ou ruins na Inglaterra, todos estão em um nível muito alto, concluiu Kai Havertz.

João Vitor Marcondes

Taubateano e jornalista.