Jovens do Chelsea: o prolífico meio-campo azul

A série sobre os valores vindos de Cobham continua agora com os meio-campistas do elenco

Devido à proibição de contratar novos jogadores, o Chelsea precisou usar a sua base na atual temporada. Diversas lacunas em todos os setores do campo foram preenchidas por jovens atletas que voltaram de empréstimo ou subiram para o time principal. Assim, a expectativa foi grande pois finalmente o clube iria colher os frutos da ótima academia.

E os garotos não desapontaram. Não só corresponderam como desempenharam papel importante na mudança de filosofia dos Blues. Além disso, o projeto de clube de Frank Lampard passa pela renovação do elenco. Pensando nisso, o Chelsea Brasil criou a série Jovens do Chelsea, dividida em três partes. Ela destaca a importância desses jogadores para o presente e futuro dos azuis de Londres.

Confira abaixo a segunda parte da série.

Meio-Campo

O meio-campo é o setor central do gramado de futebol. Por isso, é onde acontece grande parte da construção de jogadas. Os meio-campistas desempenham funções de ligação entre a defesa e o ataque e dão apoio aos dois setores, dependendo da situação do jogo. Normalmente os jogadores que atuam por essa faixa do campo são dotados de mais técnica e habilidade para manter a posse de bola. Assim, os meias são considerados o “cérebro” da equipe.

Jorginho e Kovacic são os principais jogadores do meio campo do Chelsea

O entrosamento entre Jorginho e Kovacic mostra a tendência dos planos de Lampard (Foto: Getty)

No Chelsea de Lampard, que prioriza a posse de bola e o jogo ofensivo, o meio de campo é o principal setor. Assim, jogadores técnicos e com bom passe como Jorginho e Mateo Kovacic são essenciais para o jogo. Todavia, não só de atletas experientes vive o lado londrino. Ao longo desta temporada vimos a confirmação de diversos talentos provenientes da base. Portanto, o futuro parece reservar boas coisas para o torcedor Blue.

Mason Mount

Para muitos o novo Frank Lampard já tem nome: Mason Mount. Natural de Portsmouth, o meia de 21 anos integra as categorias de base do Chelsea desde os oito. Ao todo o garoto colecionou três títulos pelo esquadrão sub-19 e logo descobriu seu caminho para os empréstimos. Passou duas épocas fora do Chelsea, uma pelo Vitesse (17/18) e outra pelo Derby County (18/19) de Frank Lampard. Já na atual temporada, contabilizou seis gols e quatro assistências pelos Blues.

Mason Mount é uma das joias do Chelsea

Mount tem potencial para ser um dos grandes ídolos do clube (Foto: Divulgação Premier League)

O camisa 19 é um jogador versátil, veloz e participativo. Uma de suas qualidades que mais se sobressai é o poderoso chute com a perna direita. Assim, o inglês consegue ser uma arma interessante nas cobranças de falta. Contudo, a capacidade de se adaptar a diversas situações de jogo, esquemas e funções talvez seja a sua principal característica. Apesar de preferir o lado esquerdo do campo, Mount também fica confortável jogando mais centralizado como “camisa 10”. Além disso, pode jogar também mais recuado ou completando o ataque.

Números podem enganar

É sempre mais difícil visualizar em números um jogador que não possui uma característica específica. Mount, portanto, em comparação com outros jogadores da mesma posição, pode ter números ofensivos menores. Mas, a sua participação defensiva é que traz o diferencial para o time de Lampard. Especialmente em um campeonato físico e disputado como a Premier League, nenhum dos onze jogadores em campo pode se dar ao luxo de não marcar.

Em sua primeira temporada no elenco principal dos Blues, o garoto tem uma média de 0,4 interceptações, 0,5 cortes e 0,6 posses ganhas por jogo. Para um médio ofensivo são números consideráveis. Além disso, Mount possui um bom aproveitamento de dribles (61%), disputas de bola (40%) e em duelos terrestres (45%). Somando isso ao seu passe certeiro (85%) e média de 1,5 passes decisivos por jogo, o inglês se candidata ao posto deixado por Lampard.

Mapa de calor Mount

Mount é um dos jogadores que mais se movimenta em campo (Foto: SofaScore)

Mentalidade certa

Outro fator observado em Mason Mount é a sua personalidade. O meia possui a mentalidade certa para desenvolver seu futebol com responsabilidade. Assim, a sua maturidade além da idade o destacou como capitão em várias oportunidades nas conquistas sub-19. Logo, desde muito jovem já se mostrou um líder em campo. Mas, além disso, o seu foco em trabalhar duro pode ser visto nos treinamentos e nos jogos. Uma entrevista para a Chelsea TV, em 2018, Mount afirmou que enquanto os outros jovens iam se divertir, ele se preparava para o treino do dia seguinte. Portanto, esse senso de responsabilidade foi adquirido desde cedo, pois já mora sozinho desde os 8 anos. Isso se reflete nas atuações dentro de campo.

Mount foi incansável e participativo em boa parte dos seus jogos pelo Chelsea. Além disso, em seus empréstimos, o meia demonstrou eficiência. Na Holanda, por exemplo, anotou 13 gols e 10 assistências. Já na Premiership, 11 gols e seis assistências em seu nome. Assim, foi sob a tutela de Lampard na última temporada que Mount floresceu e aperfeiçoou seus melhores atributos: trabalho sem bola, intensidade e tomada de decisão.

Billy Gilmour

Billy Gilmour é um escocês de somente 19 anos que impressionou os torcedores desde que foi integrado ao time principal. Com poucas atuações, o garoto aproveitou bem as oportunidades sendo eleito o Homem do Jogo nas vitórias contra Everton e Liverpool. Entrando no lugar ocupado normalmente por Jorginho, o meio-campista calçou os sapatos do ítalo-brasileiro e comandou a saída de bola londrina.

Gilmour é uma das joias do chelsea

Gilmour teve atuações de veterano com a camisa azul (Foto: Getty)

Grande potencial

Normalmente jogadores jovens com grande potencial costumam oscilar durante o jogo e ao longo das competições. Gilmour, porém, foi a cria da base que mais surpreendeu no quesito maturidade nesta temporada. Com apenas 1,70m, ao primeiro olhar, o garoto parece mais uma criança em campo. Entretanto, bastam alguns segundos para que a primeira impressão se transforme em surpresa. Assim, não é necessário ser um grande entendedor de futebol para perceber a naturalidade dos seus movimentos, o excelente posicionamento e a inteligência que destoa dos demais.

Gilmour é um regista moderno

Atuação contra o Everton rendeu prêmio de Melhor em Campo (Foto: SofaScore)

Na vitória contra o Everton, por exemplo, Gilmour teve papel crucial na manutenção da posse de bola, quebra de linhas e construção de jogadas que levaram aos quatro gols dos Blues. Ao todo o escocês completou 74 passes no jogo, mais do que qualquer outro em campo. As atuações contra os times de Liverpool renderam elogios de comentaristas, ex-jogadores e do próprio Frank Lampard. O técnico ressaltou a inteligência, simplicidade e eficiência do jogo do garoto, que “está sempre de olho no posicionamento dos atletas em campo”.

Um regista escocês

Segundo definições, um regista é basicamente alguém que joga no meio de campo, entre a defesa e o ataque, a partir de uma posição mais recuada. Entretanto, para talvez a função mais complexa do futebol, essa definição possa ser insuficiente. Originada no Calcio italiano, a função é praticamente desconhecida da realidade brasileira.  Ela consiste em um “volante” que tem como principal atributo a criação de jogadas. Geralmente coberto por um atleta mais marcador (mediano), o regista pode fazer uso da sua visão de jogo e começar jogadas com lançamentos e passes precisos, buscando a bola diretamente dos defensores. Tivemos na figura de Andrea Pirlo um dos grandes registas de todos os tempos, por exemplo.

Gilmour é um candidato a regista

Suas qualidades encaixam com o perfeito regista italiano (Foto: Getty)

No futebol bretão, porém, a função é praticamente inexistente. Assim, os grandes médios ingleses, irlandeses, escoceses e galeses não tinham essa função em campo. Portanto, Gilmour vem de uma escola de “volantes” recuados, que raramente saem para o jogo, em contraste com meias avançados que chegam na área com boa finalização. De alguma forma, o jovem conseguiu sair como híbrido das duas funções.

Aliando a técnica de um meia ofensivo à inteligência tática de um volante marcador, o escocês promete ser o ressurgimento de uma função em extinção. Para isso, tem como seu aliado o ítalo-brasileiro Jorginho, que é um dos remanescentes da escola italiana de registas. Com o único jogador que exerce essa função no futebol mundial atualmente como seu professor, Gilmour tem tudo para se tornar um grande ídolo do Chelsea.

Ruben Loftus-Cheek

Ruben Loftus-Cheek já não é nenhuma novidade para os torcedores do Chelsea. Quem acompanha sabe que o inglês de 24 anos é extremamente vitorioso na sua passagem pela categoria de base. Com o sub-19 Loftus-Cheek foi campeão da UEFA Youth League e da Premier League com o sub-21. Além disso, já fazia parte do elenco nos dois últimos títulos ingleses dos Blues e da última conquista da Liga Europa.

Mapa de calor de RLC na EL 18-19

O inglês atuava pelo lado esquerdo na trinca de meio-campo de Sarri (Foto: Getty)

O médio central de 1,91m de altura tem como principais características do seu jogo a imposição física e o drible. Exímio carregador de bolas, o inglês estava caminhando a passos largos na última temporada para se firmar como realidade dentro do elenco de Maurizio Sarri. Com grandes atuações e números positivos em campo, o meia já era um dos principais jogadores do time oscilante de Sarri. Seu aproveitamento de mais de 90% nos passes, 65% de dribles bem sucedidos e 10 gols na temporada deixavam o torcedor esperançoso para o futuro.

A longa lesão

Todavia, em um amistoso contra o New England Revolution, em maio de 2019, o jogador sofreu uma grave lesão que o tirou dos gramados. A ruptura no tendão de aquiles impediu o meia de jogar a final da Europa League contra o Arsenal. Além disso, até a parada pelo covid-19, o inglês ainda não tinha condições ideais de jogo.

Sendo assim, é importante considerar que Loftus-Cheek pode ser um jogador completamente diferente quando voltar. Tendo a força como principal aliada no jogo de dribles e condução de bola, resta saber como o jogador responderá à intensidade da Premier League. Em entrevistas o próprio atleta atenta para o fato de que o seu ponto forte (físico) também pode ser a sua fraqueza (quando se trata de lesões). Portanto, apesar do potencial demonstrado no empréstimo ao Crystal Palace (17/18) e já pelo time principal (18/19), a expectativa deve ser controlada.

Ruben Loftus Cheek é uma das joias do Chelsea

Loftus-Cheek foi um dos destaques da campanha vitoriosa na última Europa League (Foto: AFP)

Apesar disso, o jogador ainda é jovem e pode ser um dos exemplos dentro do elenco recheado de garotos. O seu estilo de jogo, ainda que mude, continua favorável para a manutenção da posse de bola proposta por Lampard. Além disso, Loftus-Cheek já demonstrou poder atuar em diversas posições e funções dentro de campo, característica apreciada pelo técnico dos Blues.

Futuro certo

Com a inconsistência defensiva apresentada pelo Chelsea na atual temporada, Ampadu pode ser uma adição importante ao elenco, tanto para o meio-campo quanto para a defesa. Assim, o técnico Lampard já demonstrou interesse no jogador, mesmo antes de assumir os Blues. Focado na construção de um time polivalente, inteligente e qualificado tecnicamente, Lampard pode considerar a volta de Ampadu como mais uma contratação para enriquecer o plantel.

Faustino Anjorin

A próxima estrela do meio-campo a tentar se firmar pelos Blues com certeza é Faustino Anjorin. O destro de 18 anos atua regularmente pelas seleções de base da Inglaterra, mas também possui nacionalidade Nigeriana. De novo contrato por mais cinco anos, o jovem teve a sua estreia no time principal na vitória de 7-1 sobre o Grimsby Town na Carabao Cup. Após isso, teve seus primeiros minutos na Premier League na vitória contra o Everton por 4-0.

Anjorin é uma das joias do Chelsea

Anjorin está de contrato novo com o Chelsea (Foto: Divulgação Chelsea FC)

Características lapidadas desde cedo

Anjorin é frequentemente descrito como um meio-campista ofensivo ‘box-to-box’. Ou seja, além de seu papel na criação de jogadas, o inglês ainda tem incumbências defensivas na recomposição. Ele se uniu ao Chelsea antes dos sete anos com o programa do centro de desenvolvimento do clube. Após isso foi contratado oficialmente para se juntar ao elenco sub-9.

Atualmente, no time reserva dos Blues, Anjorin tem cinco gols e quatro assistências em 11 jogos. Alto, com 1,86m, o inglês prefere atuar mais centralizado em campo e causa estrago com seus dribles rápidos e chutes de média distância. Adepto também das arrancadas, Anjorin pressiona bem a saída de bola dos adversários e possui um bom ritmo dentro de campo. No jogo contra o Grimsby Town, por exemplo, acertou 100% das jogadas individuais que tentou.

Anjorin centralizado

Anjorin gosta de jogar mais centralizado chegando ao ataque (Foto: SofaScore)

Futuro promissor e desafiador

Apesar de ter sido indicado recentemente para a lista preliminar do prêmio Golden Boy 2020, Anjorin não terá vida fácil para jogar frequentemente. Além dos titulares da atual temporada, o atleta conta com a presença de Mount, Ross Barkley e Loftus-Cheek como opções mais experientes para Lampard. O futuro do jovem provavelmente passe por um ou mais empréstimos até que chegue no nível desejado para o time titular. Além desses, Anjorin ainda tem a sombra de Conor Galagher para disputar a futura vaga no meio de campo azul.

Setor recheado de promessas

Portanto, é certo dizer que o meio de campo é o setor com mais opções do time do Chelsea. Jorginho, Kovacic, Kanté, Barkley, Mount, Anjorin e Loftus-Cheek são algumas das peças já experimentadas por Lampard. Além deles, a chegada de Hakim Ziyech, pode dar a famosa “dor de cabeça boa” para o técnico inglês. Ainda no meio-campo, diversas promessas se destacam pelas categorias de base e em empréstimos. É o caso de Lewis Baker, Henry Lawrence, Luke McCormick, Conor Galagher, George McEachran e Ethan Ampadu.

Golden boys

Anjorin, Odoi, Gilmour e Ampadu foram indicados ao prêmio Golden Boy 2020 (Foto: Getty)

*Os dados presentes neste texto foram retirados dos sites Transfermarket, SofaScore e do site oficial do Chelsea.

Lucas Jensen

Jornalista que ainda acredita que o futebol pode ser apreciado sem torcer (mas não se segura e torce mesmo assim). Fã de tática e do jogo reativo, se deleita nos contra-ataques e toques 'de primeira'. Amante racional da Premier League e nostálgico do Calcio, seus hobbies incluem teorias mirabolantes e soluções inusitadas.