Aprovado pelo conselho regional, novo Stamford Bridge terá capacidade ampliada para 60 mil lugares

Há mais de um ano, o Chelsea deu o pontapé inicial para a realização de uma grande reforma em sua histórica casa e, na última quarta-feira (11), os Blues deram mais um grande passo em direção a este sonho.

Durante reunião do Conselho da região de Hammersmith e Fulham, onde fica localizado o Stamford Bridge, o comitê aprovou de forma unânime o projeto para a construção do novo estádio do clube. Calcula-se que a obra terá o custo de 500 milhões de libras (R$ 1,95 bilhões na cotação atual), e deverá ser entregue em até três anos.

O novo estádio terá um custo estimado de 500 milhões de libras, com previsão de entrega em até três anos

A aprovação no entanto, conforme informa a nota divulgada pelo Chelsea em seu site oficial, não significa que as obras terão início imediato, já que a expansão da capacidade do estádio exigirá a demolição da atual casa dos Blues – que está em uso devido a temporada regular – e de alguns dos prédios ao seu redor, na região conhecida como Chelsea Village.

Além disso, o conselho ainda pretende revisar algumas partes do projeto, como o próprio plano para colocar as construções atuais a baixo e o projeto para o estacionamento do local. Ao fim desse processo, seugundo informações da BBC, a proposta ainda passará pela avaliação do prefeito de Londres, Sadiq Khan, para que então tenha início o processo.

Projetado pela empresa suíça Herzog & De Meuron, responsável pela Arena de Munique e pelo Ninho do Pássaro, o novo Stamford Bridge foi idealizado para competir em capacidade de lotação com os estádios das demais grandes equipes da Premier League. Até o presente momento, a casa dos Blues é apenas a sétima maior entre as equipes da primeira divisão.

Desenhado pela mesma empresa responsável pela Arena de Munique, o novo Stamford Bridge será muito diferente do que os torcedores estão acostumados a chamar de casa

Após a reforma, porém, o novo estádio do Chelsea passará a abrigar 60 mil torcedores por partida. As entradas da arena, tanto para os visitantes quanto para os donos da casa, serão subterrâneas, o nível do gramado passará a ser mais baixo, e serão construídas passarelas entre as duas estações de trem mais próximas e o Stamford Bridge.

Com o início das reformas programado para 2018, o Chelsea terá de buscar outro local para mandar suas partidas até o fim das obras. É provável que o Estádio de Wembley se torne a casa provisória dos Pensioners, com sua capacidade sendo reduzida para 50 mil lugares.

Entretanto, pela necessidade de dividir Wembley com o Tottenham, graças as modificações que serão feitas também no White Hart Lane no próximo ano, os Blues podem vir a buscar novas opções de lar temporário. O estádio nacional de rugby, localizado em Twickenham, também foi apresentado como alternativa ao Chelsea, e vem sendo cogitado pelo clube.

Gabriela Bustamante

Estudante de jornalismo, 20 anos, apaixonada pelo Chelsea. A mulher que chora quando pensa naquele Barcelona 2x2 Chelsea no Camp Nou, em 2012.