A volta de Kanté e a melhora do Chelsea

Nunca me canso de ressaltar, talvez até esteja chato para você, caro leitor: Kanté é a chave-mestre da engrenagem chamada Chelsea. Após uma desagradável derrota para a Roma na capital italiana, Antonio Conte e seus comandados tinham um clássico duríssimo pela frente. O Manchester United de José Mourinho era o principal perseguidor do Manchester City na tabela e visitava Stamford Bridge.

A recuperação foi até inacreditável de certa forma. Não parecia em nada a equipe que foi humilhada na UEFA Champions League. Um time coeso, que soube fechar os espaços do United e atacava perigosamente, na maioria das vezes com Eden Hazard.

O gol de Álvaro Morata no começo do segundo tempo foi uma premiação pelo esforço coletivo e domínio do lado azul. Mas todos esses elementos passam pela volta de Kanté.

A consistência defensiva, saída de jogo e qualidade nos passes do francês são diferenciadas. Bakayoko e Fàbregas formavam a dupla de volantes em sua ausência e era um Deus nos acuda lá atrás. Bastou ele reaparecer que Conte encontrara sua mina de ouro. Três pontos garantidos.

Kanté aliás, que deve estar sendo o pesadelo dos pesadelos para Mou. O português tentou levá-lo aos Red Devils, mas sem sucesso, pois o próprio camisa #7 preferiu Londres. Além disso, já marcou dois gols contra o time dirigido pelo ex-comandante do Chelsea. Não é mera coincidência, convenhamos!

Curtinha: Posso soltar a corneta? Morata está tendo uma média de gols muito boa e está cumprindo seu papel… pelo alto. Quando tem a bola nos pés para um arremate não está aproveitando. O lance no final da partida foi absolutamente bisonho!

As palavras neste texto condizem com a opinião do autor, não tendo qualquer relação com o Chelsea Brasil.

Vinícius Paráboa