Uma série de jogos e dois atletas buscando reabilitação

15 setembro Chelsea x Cardiff, em Stamford Bridge.
23 setembro West Ham x Chelsea, no London Stadium.
20 setembro PAOK (no Toumba Stadium, pela Europa League)
25 setembro Liverpool (em Anfield, pela Carabao Cup)
29 setembro Chelsea x Liverpool, em Stamford Bridge.

Cahill deve voltar?

O Daily Mail publicou uma matéria que diz respeito ao defensor Gary Cahill. O zagueiro figurou nos quatro primeiros jogos do Campeonato Inglês, inclusive, sem estar entre os reservas nos embates iniciais da Premier League. O teor da matéria expõe a possibilidade do inglês ser dispensado pelo Chelsea, caso ele não apresente progressos no clube. Sinceramente, fiquei um pouco surpreso com uma matéria desse viés. Apenas quatro jogos foram realizados no campeonato nacional e já estão mencionando atletas na corda bamba. Que beleza.

Na Era Conte, Cahill foi bastante utilizado e, para confirmar esse prestígio, atuou como capitão da equipe de Stamford Bridge por várias ocasiões. A Copa do Mundo chegou e Cahill integrou o elenco inglês no Mundial da Rússia, ou seja, ainda com a imagem em alta. Por outro lado, sob a batuta do Maurizio Sarri, nada de Cahill entre os titulares. E, com esse distanciamento os primeiros embates, se cria um contraste abissal nesta passagem de temporada do zagueiro londrino. Com esse cenário contrário ao atleta do Chelsea, afirmo que não é uma questão para se preocupar em demissão ou saída do Chelsea. Entretanto, se Cahill quer voltar ao time, a lista de jogos mencionadas no primeiro parágrafo pode ser vital ao jogador.

Principalmente com um duelo de alto nível contra o Liverpool, pela Copa da Liga Inglesa, também chamada de Carabao Cup. Esse colunista que vos fala (escreve) crê na escalação de alguns atletas “reservas” para o jogo contra o Liverpool. Ou de um time mesclado contra o PAOK. Ou seja, Sarri deve dar oportunidades de atuação aos atletas do plantel. Por isso, Cahill deve dar dois passos de recuo para somar um adiante. Atualmente, não houve uma oportunidade sequer de atuação do atleta, mas –creio que – ele tem prestigio para com a comissão técnica.

“Um desastre”

Essa foi a definição de Alvaro Morata sobre a sua primeira temporada. O futebolista teve uma estreia positiva com o clube londrino: foram seis gols em seis jogos. Posteriormente, o desastre se concretizou com os três gols em uma sequência de 23 partias pela temporada inglesa. O espanhol foi para o Chelsea para disputar a Copa do Mundo, ele não foi convocado e teve um desempenho abaixo da média na reta final da temporada.

Nesta temporada, ele tem uma motivação a mais para continuar pelejando com a camisa do time londrino. O centroavante foi convocado pela Espanha para atuar na Liga das Nações da UEFA. Mais precisamente, uma convocação para os jogos contra a Inglaterra e Croácia. “Vivi muitas coisas boas com ele (Lopetegui, ex-técnico da Seleção Espanhola), foi a opinião dele e não fiz a melhor temporada também”, afirmou Morata.

A minha coluna na semana passada.

As palavras contidas nessa reportagem condizem à opinião do autor, não tendo qualquer relação com o Chelsea Brasil

João Vitor Marcondes

Taubateano e jornalista.