Última rodada terá o maior abismo da atual Premier League

Ironia do destino, curiosidade, fato inusitado, coisas dos deuses do futebol… Cada um chamará de uma forma. Certo é que a última rodada da Premier League vai confrontar, em um de seus dez jogos, os dois pólos da tabela de classificação. No próximo domingo (21), simultaneamente a outras nove partidas, haverá um encontro especial entre o campeão, Chelsea, e o último colocado, Sunderland, que também já tem seu futuro decretado: irá jogar a Segunda Divisão na temporada que vem e sem chances de evitar a lanterna nesta.

De fato, a disparidade é notável em várias outras estatísticas, além do posicionamento. Por exemplo, para que os “Gatos Pretos” conseguissem passar os Blues seria preciso que eles jogassem quatro vezes a mesma temporada e o Leão londrino parasse suas atividades. Assim, chegariam a 96 pontos, contra os 90 dos campeões. Isso porque somam míseros 24 pontos atualmente.

No ataque, o Chelsea é quase três vezes mais efetivo: 80 gols para o lado azul e 28 para os visitantes deste fim de semana. Se juntar apenas os gols de Diego Costa (20), Batshuayi (3), Moses (3) e Nathan Ake (3), a turma do comandante italiano já fica na frente.

Existe um número que a conta dá até exata. O Sunderland tomou o dobro de tentos dos comandados de Antonio Conte: 64.

Seguindo o comparativo, os líderes venceram 23 jogos a mais que a equipe condenada à Série B. Nas derrotas, 20 de “vantagem” para os rivais do Newcastle. O quesito que deixa os opostos menos distantes geralmente não interessa a ninguém: a igualdade. E nessa quem leva a melhor é o 20° colocado: 6 a 3 nos empates.

Para fechar, no aproveitamento o placar é 81,1% a 21,6%. Só multiplicando por quatro para o time de David Moyes ter superioridade. Obviamente que comparar o primeiro e o último de uma tabela resulta em algo lógico. Porém, talvez poucos exemplos de um mesmo cenário apresentem abismo tão acentuado.

As palavras neste texto condizem com a opinião do autor, não tendo qualquer relação com o Chelsea Brasil.

Comentários

Category: Opinião

Tags: