Pelo fim do pequeno tabu, a vaga numa final e um gás de confiança

Para avançar até a final da Copa da Liga Inglesa, o Chelsea vai ter que derrubar alguns tabus. O Arsenal – adversário desta quarta-feira (10), pela semifinal da competição – não perde para o rival azul há quase um ano: desde o dia 4 de fevereiro de 2017, quando caiu por 3 a 1, dentro de Stamford Bridge, em jogo da Premier League. Trata-se de uma seca pequena, mas incomum nos últimos tempos.

Durante um bom período recente, os Gunners viraram fregueses do oponente vizinho, com derrotas acachapantes, incluindo os 6 a 0 de 2014. O problema é que “já” são quatro confrontos sem sucesso do lado do Leão. Após o triunfo mais recente, vieram três empates e um revés. É claro que o tempo de jejum não é muito proporcional ao número de partidas realizadas e a quantidade de derrotas é insignificante. Porém, em uma das igualdades a decisão foi para os pênaltis, onde a equipe vermelha e branca levou a melhor, num duelo que valia o título da Supercopa nacional. Já o solitário desgosto com bola rolando ocorreu justamente na final da FA Cup passada.

Portanto, há dois incômodos nesta curta história: o time de Conte não tem vencido o rival e os confrontos válidos por copas estão terminando em eliminação, ainda que nas penalidades. Obviamente, é fundamental conquistar a vitória neste primeiro encontro da semi. Além de aniquilar o tabu, o resultado positivo dará vantagem e moral para a partida definitiva. Vale lembrar que vêm dois jogos pesados pelas oitavas da Champions por aí e uma árdua batalha pelo G4 do Inglês. Ou seja, é passar adiante para receber um gás de confiança a mais lá na frente.

As palavras neste texto condizem com a opinião do autor, não tendo qualquer relação com o Chelsea Brasil.

Category: Opinião

Tags:

Article by: Patrick Monteiro