Observando Crystal Palace x Chelsea e Cesc Fàbregas

O Chelsea não venceu os últimos cinco dérbis londrinos – fora de casa e – válidos pela Premier League. Por outro lado, o Crystal Palace conquistou mais pontos nos últimos três embates do que nos 11 jogos anteriores. A equipe de Selhurst Park conseguiu sete pontos nas três últimas partidas e, nos 11 jogos anteriores, o Palace somou apenas seis pontos. Ou seja, a equipe comandada por Roy Hodgson acumula uma boa sequência nos últimos compromissos da EPL. E os resultados comprovam isso. Assim como os resultados recentes demonstram a instabilidade do Chelsea no campeonato nacional.

Entretanto, observando a tabela de compromissos da equipe de Stamford Bridge, pode ser o início de uma sequência positiva ao Chelsea nas competições domésticas. Principalmente, caso a equipe consiga se impor e vencer dentro de seus domínios. A sequência de partidas é composta por: Crystal Palace (fora – EPL), Southampton (casa – EPL), Nottingham Forest (casa – FA Cup), Tottenham (Wembley – 1ºjogo) e Newcastle (casa – EPL). Acredito que estamos de acordo sobre o embate mais complexo ser a partida contra o Tottenham, correto?

Por outro lado, esse cenário atual pode dar moral ao plantel londrino. Por mais que os “ups and downs” do Chelsea estejam presentes nesta temporada, seria vital acumular resultados positivos nos jogos mencionados. Em uma projeção ideal, a equipe seria bastante modificada contra o Forest e, mesmo assim, venceria com propriedade. Vale repetir, isso em uma projeção ideal para o time de Sarri. Claro que o futebol tem suas peças e pormenores, sabemos disso.

Uma projeção, apenas projeção

Vencer o Nottingham, com um time alterado, reafirmaria a qualidade do plantel e daria positividade para o clássico contra o Tottenham. Ainda abordando uma expectativa positiva, sobre a sequência de três jogos na EPL, o Chelsea tem dois compromissos em casa: Palace, Southampton e Newcastle.

Mencionei o Forest, entretanto, a trajetória inicia com o Palace e o jogo será fora de casa. Tudo indica uma missão muito complicada por dois fatores. Pelo mérito da equipe mandante e pela inconstância do Chelsea. De toda forma, desejamos que a virada do ano traga bons fluidos ao time de Stamford Bridge. Feliz Ano Novo para nós!

Cesc Fàbregas

Segundo a Sky Sports, Maurizio Sarri quer a permanência de Cesc Fàbregas no plantel londrino. O espanhol foi bem discreto nesta temporada e atuou apenas cinco vezes sob o comando de Sarri. Jorginho tem a preferência do italiano em termos de titularidade. “Nós temos somente dois jogadores nesta posição, Jorginho e Fàbregas. Para mim, seria um problema sem Cesc”, disse Maurizio. Além da referida questão, vale lembrar que o mercado está limitado para atletas com as características de Fàbregas.

Ou seja, perder Cesc seria reduzir o meio-campo para atletas pontuais. Jorginho seria o único com determinadas caraterísticas requeridas no modelo de jogo “sarriano”. Assim como N’Golo Kanté seria o único meio-campo originalmente defensivo. Em outras palavras, o Chelsea não teria um plantel vasto, característica fundamental para um campeonato tão difícil como a Premier League.

Além disso…

Há outro ponto para refletir. Negociar o espanhol seria perder um atleta com vínculo e identificação solidificada com o clube. Fàbregas está no Chelsea desde (12 de junho de) 2014. O atleta é bicampeão da Premier League, vencedor da Copa da Inglaterra e da Copa da Liga Inglesa. Por outro lado, devemos ser francos. Da mesma forma que esses fatos expõem grande ligação com um clube, podem expor também que é hora de buscar um novo rumo europeu.

Seria importante que ele ficasse, mas Fàbregas tem mercado ainda. Ele pode facilmente atuar em clubes europeus que brigam por competições internacionais. Se eu fosse ele, não ficaria. Como torcedor, seria fantástico que ele permanecesse.

As palavras contidas nessa reportagem condizem à opinião do autor, não tendo qualquer relação com o Chelsea Brasil

João Vitor Marcondes

Taubateano e jornalista.