Não seria justo com Diego Costa!

Não seria justo, se o principal nome do início da caminhada do Chelsea rumo ao sexto título inglês ficasse com brilho apagado na reta final. Nesta terça-feira (25), em Stamford Bridge, Diego Costa encerrou sua maior seca de gols em toda a jornada 2016/2017 até o momento. Foram sete jogos sem saber o que é balançar as redes. Antes, a maior sequência negativa havia sido a de quatro partidas, ocorrida entre o fim de janeiro e a primeira quinzena de fevereiro, justamente o jejum mais próximo do último finalizado.

É fato que, ao longo do atual calendário, outros nomes foram ganhando destaque na equipe do estrelado Antonio Conte. Kanté, David Luiz e, depois, Hazard passaram, aos poucos, a dividir o protagonismo com o centroavante. Além de outras figuras, como Courtois, Cahill e Willian, que brilhou, apagou e tenta brilhar de novo.

Certamente, muitos NÃO apontarão Diego como “o cara” dos Blues na façanha do provável troféu nacional. Talvez porque há outros que, com o tempo, fizeram por merecer mais esse status, ou pelo simples efeito estranho chamado “memória curta”, que afeta todos nós. O Chelsea tem 69 gols neste Inglesão. Dezenove foram marcados pelo brasileiro naturalizado espanhol, que soma 20 na temporada, contando também os jogos de Copas. Difícil imaginar uma liderança tão isolada na tabela da liga sem os tentos deste jogador.

Cada um pode questionar o posicionamento de Diego na lista dos grandes atletas do time nesta jornada. O que não se deve anular é a extrema importância da participação dele na conquista que está por vir.

Para não ficar em cima do muro, se hoje eu recebesse um papel para indicar o melhor do Campeonato Inglês, não consigo cravar agora, mas seriam grandes as chances de escrever “Diego Costa”. Pelo que fez no começo, no meio… O fim pode até não está sendo digno de tal mérito, porém os pontos de momento valem o mesmo que os das primeiras rodadas. A única coisa que muda é o peso que damos a cada etapa de uma mesma trilha (passado, presente e futuro). Os feitos de ontem sempre vão estar menos vivos do que os de amanhã na memória humana. É natural. Tanto quanto celebrar gols de… DIEGO COSTA!

As palavras neste texto condizem com a opinião do autor, não tendo qualquer relação com o Chelsea Brasil.

Comentários

Category: Opinião

Tags: