Levar dois gols do Crystal Palace é inadmissível

Sábado, 14 de outubro de 2017. Selhurst Park, dérbi londrino valendo três pontos. Crystal Palace e Chelsea duelaram e o time da casa acabou conquistando a vitória por 2 a 1. Derrota que vai demorar a ser digerida pelos torcedores azuis.

Embora esteja mais difícil assistir aos jogos do Chelsea nesta temporada, tanto da Premier League quanto da UEFA Champions League, pois as emissoras de TV à cabo estão preterindo os Blues (Palace x Chelsea esteve no ar apenas no WatchESPN e no novo canal ESPN Extra disponível apenas na SKY), acompanhar um lance-a-lance na internet e saber que a equipe levou dois gols de um time que anteriormente não havia balançado as redes adversárias em NENHUMA oportunidade, é no mínimo revoltante.

A lesão de N’Golo Kanté afetou tanto o sistema de marcação azul? Claro que sua perda seria sentida, isso é óbvio. No entanto, a queda de aproveitamento defensivo não poderia ser tão gigante. Com Bakayoko e Fàbregas na meia-cancha, aquela muralha que antes se encontrava ali, desmoronou.

Até mesmo Azpilicueta, sinônimo de solidez e regularidade vem atuando mal nas recentes apresentações. Seu gol contra foi a assinatura que faltava.

Não irei reclamar quanto à elenco. Acredito que a janela de transferências até acabou bem no final, dado que trouxemos reforços caros como Morata, Bakayoko e Rudiger, então até dá pra dizer que a diretoria gastou dinheiro.

A corrida pela defesa do troféu da Premier League ficou mais complicada agora. As equipes de Manchester estão mostrando estarem um nível acima das demais nesta temporada. Pep finalmente se achou na Terra da Rainha e Mourinho voltou a travar a velha rivalidade com o técnico espanhol. Cabe à Antonio Conte tentar reviver 2016/17, quando teve um começo instável e conseguiu a arrancada espetacular que levou o Chelsea ao título. Mas assim como naquela época, quando veio o 3-4-3, algo deve mudar.

Aguardemos os próximos capítulos.

As palavras neste texto condizem com a opinião do autor, não tendo qualquer relação com o Chelsea Brasil.

Vinícius Paráboa