Lei de Murphy

Empata contra o Arsenal, empata contra o Norwich, empata contra o Arsenal, um técnico que joga pingue-pongue de discursos ofensivos com um ex-treinador do seu time. Mas isso não basta, tem que ter problema também no futuro.

A bola da vez no quesito “Caos” é o projeto de construção do novo estádio do Chelsea. A nova casa do Chelsea avaliada em um bilhão de libras (R$ 4,3 bilhões), contou com um imprevisto. Segundo a “BBC”, a família Crosthwaites, residente na região há 50 anos, entrou com processo alegando o impacto da construção do estádio em relação a residência da família.

A alegação dos moradores é que a casa tiraria a entrada de luz solar no lar dos Crosthwaites. Segundo a publicação do diário Lance, “o terreno está situado em uma rua cujos imóveis foram vendidos a 1,18 milhão de libras (R$ 5,1 milhões) em 2017. Por conta do imbróglio, o Chelsea chegou a oferecer compensação financeira para os Crosthwaites, que não aceitaram”, relatou.

O Uol também veiculou esse impasse, “O Chelsea, por sua vez, se defende dizendo que a reforma causaria um impacto positivo na região. A reforma teve aprovação de cerca de 97,5% em pesquisa realizada após o lançamento do projeto”.

Então, fica aqui nosso carinho para vocês: Lucinda e Nicolas e pelos filhos Louis e Rose. A gente sabe que sem o Sol não fomos nada, luz é vida e o bem estar familiar é prioridade. Mas olhe nossa situação também. O Chelsea está realizando o sonho da casa (grande, lustrosa, moderna) própria.

Escrevo essa carta em meados de um jogo horrível contra o Leicester. 2018, começo de ano, contas, longe da liderança, Barcelona na UEFA Champions League. Senta aqui, vamos conversar. Além disso, a camisa do Chelsea está 250 reais. Como diria o poeta, “vamos dar as mãos, 1,2,3”.

Estimados Crosthwaites, volto minha atenção ao jogo contra o Leicester. Parei somente para enviar a carta à vocês. Pense com carinho, o “dia está chuvoso e o clima está tenso”, como diria um outro pensador. Mas a manutenção da felicidade chelseana está nas mãos de vocês.

Com amor,

Torcedores do Chelsea.

As palavras neste texto condizem com a opinião do autor, não tendo qualquer relação com o Chelsea Brasil.

João Vitor Marcondes

Taubateano e jornalista.