Futuro completamente indefinido para as oitavas da Champions

Incógnita. Essa é a palavra que resume a situação do Chelsea diante do sorteio que definirá os confrontos das oitavas de finais da Champions League na próxima segunda-feira (11).

O empate com o então virtual eliminado Atlético de Madrid – que agora já está fora de forma oficial – pode ter reservado um duelo “tranquilo” ou um mega desafio aos Blues. A equipe da capital inglesa terminou em segundo lugar em seu grupo. Com isso, tem chances de enfrentar, citando exemplos agradáveis, Sevilla – que é atualmente vice na chave, mas com possibilidade de subir na tabela – ou Besiktas. O Spartak Moscou, dono da terceira posição no grupo dos espanhóis, também é uma realidade, porém mais distante e que depende de uma combinação de resultados.

Só que, do outro lado da moeda, o futuro que a sorte decretará pode ser assustador. Paris Saint-Germain e Barcelona estão entre os oponentes possíveis mais árduos.

É bem verdade que, se tivesse terminado como campeão do grupo, o time de Antonio Conte estaria à beira de um confronto com Bayern de Munique, Juventus ou Real Madrid, ainda que podendo, também neste contexto, pegar um rival teoricamente mais frágil, como Basel, Shakhtar, Porto ou Leipzig.

De todo modo, desde que clubes grandes passaram a avançar com mais frequência na segunda colocação das chaves, algo visto de maneira acentuada a partir da última temporada, tornou-se tarefa difícil identificar qual cenário é melhor nessa altura do campeonato.

Vale sempre lembrar que clubes do mesmo país ou chave não podem medir forças nas oitavas. Por isso, os concorrentes de Manchester, o Tottenham, o Liverpool e a Roma são cartas fora do baralho em qualquer que fosse o posicionamento do Chelsea.

Em suma, o equilíbrio da competição somado aos tropeços de alguns favoritos e à formação de grupos da morte vem deixando tudo completamente imprevisível nesta fase. Assim, ganham o futebol e a emoção e sofrem os torcedores.

As palavras neste texto condizem com a opinião do autor, não tendo qualquer relação com o Chelsea Brasil.

Category: Opinião

Tags:

Article by: Patrick Monteiro