O esquema tático de Tite atrapalhou Willian?

Uma grande mania da torcida brasileira após a uma eliminação é tentar achar um culpado para tudo, alguém para descarregar a raiva e a frustração pelo “sonho do hexa”. Mesmo nos jogos em que o Brasil estava ganhando, os problemas que a seleção tinham já estavam anunciados, mas a euforia pelas vitórias na Copa camuflava as dificuldades da nossa seleção.

Depois da derrota, sobrou para todo mundo,. Para o treinador Tite, Marcelo, G. Jesus, Neymar, mas principalmente para Willian e o Fernandinho, que foram inclusive, ofendidos em suas redes sociais.

A seleção do Tite, desde as eliminatórias, tinha um jeito de jogar, e caso algum jogador não estivesse bem, o esquema poderia ir por água abaixo. A principal mudança de lá para o torneio na Rússia foi a entrada de Willian no lugar de Renato Augusto, movendo Coutinho para a meia esquerda.

Na opinião da torcida e no entendimento da comissão técnica, essa era uma possível mudança, já que o Willian vinha em uma excelente temporada no Chelsea, e Renato Augusto vinha de mais contusões, preocupando o departamento médico.

Mudança na parte defensiva

Na prática, isso não foi uma boa ideia, pois tínhamos dois meias ofensivos (Coutinho e Paulinho) e um grande buraco para a cobertura apenas do Casemiro.

Defensivamente, esse problema foi revelado exatamente no jogo da eliminação contra a Bélgica, no qual Fernandinho não conseguiu dar conta do tamanho do espaço vazio no meio campo, já que Coutinho não voltava muito para marcar e Paulinho fez uma Copa horrorosa.

Muitos não viram isso antes, porque o Brasil não havia começado perdendo uma partida até então contra a Bélgica. Depois do gol tomado, ficamos sem cobertura na esquerda nas subidas de Marcelo ao ataque, e a direita estava muito frágil apenas com a marcação de Fagner (que fez o que pôde inclusive, mas deu no que deu).

Mesma tática no ataque

Já no ataque, a tática era a mesma de todas as outras partidas da seleção, onde Tite insistiu muito pelo lado esquerdo, contando com a trinca formada por Neymar, Coutinho e Marcelo. Isso facilitava a marcação das outras equipes e deixava Willian muito isolado, sem ninguém para fazer uma tabela e tendo que optar sempre por uma jogada individual.

Outro motivo para isolar Willian eram as baixas performances de Gabriel Jesus e Paulinho. Um, que por ser centro avante, deveria empurrar as bolas para as redes, e o outro ficando dentro da área a todo o momento para suprir uma falta de gol, esquecendo de encostar do lado de Willian para uma eventual tabela.

Já que o jogador do Chelsea também não poderia contar com Fagner, porque ele não estava apoiando muito no ataque pela preocupação defensiva, Willian realmente teve que resolver tudo sozinho. Ele só conseguiu contra o México, pois teve que sair da direita cortando para o meio para conseguir tabelar com Neymar e assim conseguir destruir a partida.

Mudança feita tarde demais

Willian foi refém de diversos equívocos e falta de atitude do técnico Tite, que poderia ter dado mais espaço para Firmino há muitos jogos antes; mudar a forma de jogar, fazendo Paulinho encostar mais na ponta direita para desenvolver uma jogada; balancear ataques pela direita e pela esquerda.

As entradas de Douglas Costa, Renato Augusto e Firmino corrigiram esses problemas, pois Firmino dava mais confiança e prendia mais a bola no ataque, Renato encostava muito mais para fazer as jogadas e Douglas Costa entrou muito bem. Mas com isso, ficou a impressão de que o que fez a diferença foi o jogador “x” pelo “y”, não o esquema que não estava funcionando.

Perdemos para uma boa seleção, que conseguiu aplicar sua tática de contra-ataque por conta do gol cedido no começo da partida. Hazard, Lukaku e De Bruyne executaram com calma as jogadas e tomaram todas as decisões corretas nos contra-ataques. Courtois fez uma das melhores partidas da sua carreira.

O Brasil estava psicologicamente abalado, tomando várias decisões erradas em um ataque que só trabalhou pela esquerda. E com uma vítima lá atrás, que tentou defender um buraco gigante em campo absolutamente sozinho.

Não devemos apontar um culpado! Talvez Fernandinho não deva seguir na seleção por conta de tanta pressão, além da sua idade. E Willian foi um dos principais (senão o principal) jogadores do Chelsea na temporada.

Para os torcedores dos Blues, devemos confiar nos nossos jogadores e dar créditos a Willian, que poderá fazer muito mais pelo Chelsea nessa próxima temporada caso ele fique (estou torcendo para isso).

As palavras contidas nessa reportagem condizem à opinião do autor, não tendo qualquer relação com o Chelsea Brasil.

Category: Opinião

Tags:

Article by: Fellipe Bonilha