Entre as idas e voltas da minha saudade

Olá, amigos e amigas do Chelsea Brasil! Um novo (velho) colunista está de volta ao site referência sobre o “Chelsão” neste país tupiniquim. Para quem não me conhece, eu comecei aqui em 2012, saí em 2015 e volto neste finalzinho de 2017. Colunista adepto do discurso sobre elenco fechado, focado, em busca dos três pontos, respeitando o adversário, mas sabendo da qualidade e do potencial do grupo.

Pois bem. Quem discorre por estas linhas é um velho conhecido, ao mesmo tempo que tematizaremos, neste reencontro, um ícone dentro das quatro linhas de Stamford Bridge: um tal de Didier Drogba. Segundo a PL Stats Brasil, (@brazil_pl) Drogba soma 254 jogos, 54 assistências, 104 gols, duas Golden Boots e quatro títulos de Premier League. (14 títulos com o Chelsea) Esse é o currículo da lenda africana com o Chelsea Football Club no Campeonato Inglês.

O costa-marfinense, que atualmente presta serviços ao Phoenix Rising (EUA), anunciou que se aposentará ao término do ano. Lembrando que em adição ao eterno 11 da Fulham Road, 2017 será conhecido como o ano de despedida de muitos craques no ramo futebolístico: Lahm, Lampard, Kuyt, Pirlo, Totti, Xabi Alonso e tantos outros.

Vamos esmiuçar a importância de Didier Drogba. No site da Premier League, Drogba é proprietário de uma média de 0.41 gol por jogo. 17 gols de cabeça, 41 gols de pé direito, 19 de pé esquerdo, quatro gols de penalidade máxima, seis gols de falta, 663 chutes – sendo que 223 se destinaram a meta adversária. Drogba acertou a trave 12 vezes, tem média de 14,94 passes por jogo e 391 cruzamentos (Precursor do Cucabol, brincadeira.). São 172 vitórias e 30 derrotas para guitarrista do Chelsea – o Baterista é o Malouda.

É extremamente delicado falar por multidões, mas creio que o Rei de Stamford Bridge (e Wembley) seja dono de um pedaço do coração de cada torcedor do Chelsea no Brasil – e ao redor do mundo. Não só por causa do seu protagonismo na penalidade máxima e decisiva contra o Bayern de Munique, mas por vários(as) passes/assistências/pelejas em momentos colossais. De toda forma, vamos frisar na alegria máxima do futebol, o gol.

Momentos como 2012: Chelsea e Liverpool na final da Copa da Inglaterra. 2010: Gol de falta contra o Portsmouth, também na Copa da Inglaterra. 2009: Outra final da Copa da Inglaterra, contra o Everton (Afirmando desde já minha exaltação ao manto amarelo com detalhes em azul daquele ano). 2007: primeiro título da Copa da Inglaterra com o Chelsea, contra o Manchester United.

Novamente em 2007, Didier Drogba foi o homem do jogo na final da Carling Cup (Ainda não sei se chamo de Mickey Mouse Cup, igual aos velhos tempos, ou mudo para Caracarambacararaô Cup) daquele ano. Seu gol aos 83 minutos de jogo foi decisivo para o caneco do time azul real. Meu favorito? Dia 17 de setembro de 2006. Chelsea e Liverpool. Como diria meu pai, ‘dominou na “caixa de catarro” e virou de primeira. Só saiu pra festa’.

Volto ao Chelsea Brasil no mesmo dia que o Twitter se inflama com o anúncio da despedida de um dos maiores jogadores ofensivos da história do futebol. Na verdade, “It’s a Fucking Disgrace” pensar que ele vai deixar os gramados. Mas é aquilo, bem-aventurados os que souberam da importância e desfrutaram de Didier Drogba atuando em Stamford Bridge. Eu sei que provavelmente não mencionei um gol antológico/epopeico/mastodôntico neste texto, não é? Mas aí é com vocês, amados e amadas chelseanos(anas). Compartilhe sua opinião e escreva sobre os melhores momentos de Drogba para você.

Títulos na Carreira (pelo Chelsea)

UEFA Champions League 2011/12 / Campeonato Inglês 2004/05, 2005/06, 2009/10 e 2014/15 / Copa da Inglaterra 2006/07, 2008/09, 2009/10, 2011/12 / Copa da Liga Inglesa 2004/05, 2006/07 e 2014/15 / Supercopa da Inglaterra 2005 e 2009

Premiações individuais

Equipe do Ano da Ligue 1: 2003/04 / Equipe do Ano da PL 2006/07/09/10 / Líder de Assistência da PL 2005/06 / Prêmio Golden Boot 2013 / MLS All-Star 2016 / Jogador do Ano do Chelsea 2007/10 / Melhor jogador do Futebol Turco 2013 / Melhor jogador da final da UEFA Champions League 2012.

As palavras neste texto condizem com a opinião do autor, não tendo qualquer relação com o Chelsea Brasil.

Category: Opinião

Tags:

Article by: João Vitor Marcondes

Taubateano e jornalista.