Como ainda existem os que questionam Marcos Alonso?

Não é de hoje que observo em grupos ligados à comunidade Chelsea Brasil ou outras páginas, torcedores questionando nosso lateral/ala-esquerdo, Marcos Alonso. Ele não é o melhor jogador da posição no mundo, mas é muito útil e provou isso novamente na tarde do último domingo.

A partida contra o Tottenham em Wembley foi bem apertada. Nos primeiros vinte e cinco minutos, tivemos um jogo bastante disputado, com poucas finalizações, porém ainda muito interessante de se assistir. Velocidade não faltava e e tanto os donos da casa quanto o Chelsea, conseguiam espaços pelas pontas. Pelo lado mandante, Eriksen era a principal válvula de escape, já no azul, Willian fazia excelente atuação. Mesmo assim, Lloris e Courtois pouco trabalhavam.

Bastou uma bola parada para que as coisas mudassem. E venho insistindo aqui já há algum tempo. Willian não é mais o maior batedor de faltas do elenco. Não que ele seja ruim, não me levem a mal. Se trata mesmo de Marcos Alonso. Quem assiste as partidas dos Blues desde a última temporada, já percebeu que o espanhol tem certas oportunidades a média distância e em muitas delas acerta o travessão ou o gol. A perna canhota dele é poderosa. Não deu outra: 0x1.

O sufoco começou a partir daí. Os Spurs não deram brecha e finalizaram treze vezes até o fim do primeiro tempo. Courtois trabalhou bem em todas e ainda contou com uma bela barreira montada por Christensen, Rudiger, Azpilicueta e David Luiz, este último jogando de volante.

A segunda etapa não começou diferente de como terminou a primeira. O Tottenham pressionava e queria alegrar os mais de 70 mil torcedores presentes no estádio londrino. Acontece que a defesa dos Blues estava muito bem montada. Victor Moses ajudava na direita e adivinhe, ele mesmo, Alonso no lado oposto dava boa cobertura para a retranca.

Morata de atuação apagada, deu lugar à Batshuayi no fim do jogo. E fiquei imaginando o que se passava na cabeça de Conte ao ver o belga anotando um golaço. O problema é que havia sido na própria meta azul: 1×1. Já eram passados 80′ no relógio.

Mas nosso herói não ficaria de braços cruzados vendo uma vitória gigante dessas escapar entre nossos dedos. David Luiz roubou a bola de Wanyama e acionou Pedro. Ele passou dentro da área para Alonso que fuzilou Lloris, ainda contando com a boa vontade do goleiro francês: 1×2. Festa dos três mil torcedores do Chelsea que ocupavam sua parte na arquibancada de Wembley.

Já havia falado em colunas anteriores que Alonso precisa de um reserva e talvez a diretoria esteja atrás de um mesmo. Mas chamá-lo de “Avenida Alonso”, entre outros, já é exagero. Conte minou um belíssimo jogador da Fiorentina e eu tenho orgulho de tê-lo no elenco. Avante Chelsea!

As palavras neste texto condizem com a opinião do autor, não tendo qualquer relação com o Chelsea Brasil.

Vinícius Paráboa