Com raça, ódio e amor!

 E será assim em Munique. Ódio, raça e amor, tudo misturado. O Chelsea vai pra cima com a força toda. O que eu vou escrever aqui é um texto para todos aqueles que duvidaram da nossa competência e que riram do nosso vexame na Premier League. Mas nós não damos brecha duas vezes. A FA Cup é nossa e a Champions League também vai ser. Virou questão de honra conquistar a maior liga do mundo, primeiro que a torcida merece e segundo que necessitamos de calar a boca de quem fala demais por não ter nada a dizer.

O nosso time pode não ser o Barcelona, aqueles rapazes espanhóis que nós eliminamos de forma heróica,como sempre ando frisando em meus textos. Mas o nosso time é o time símbolo da raça, da união. Quando quer demitir um treinador, eles o mostram a porta de saída. Mas quando este mesmo time quer um caneco, acabou a paz! Nós o venceremos. A cada dia que passa a certeza de que vamos vencer o jogo deste sábado cresce. A confiança está batendo no teto, a vontade e a sede de vencer e levantar o troféu está na mente de todo jogador e torcedor do Blues. E isso não é falta de humildade, o que estou dizendo é fato, ao olhar nos olhos dos nossos guerreiros os jogadores do time alemão vão sentir o fogo no olhar.

Além dos guerreiros nos quatro cantos do campo, existem os nossos guerreiros que formam a camisa 12. A torcida do Chelsea é única, disposta. Os vizinhos de cada um que se cuidem pois no sábado berros e mais berros vão entoar pelo céu. No céu as nuvens formarão o símbolo do time mais lindo da Europa e este sinal será o maior sinal de que o Chelsea é superior a qualquer doutrina, crença e palavras. A cada toque de bola, a cada chute no gol, passe errado, “chutão” da zaga para o ataque a camisa 12 balançará o estádio, sacudirá o mundo. Com a torcida do Blues não tem “trololó”, tem é raça. Ao final do jogo, com a Tv ligada, vários irão querer entrar no nosso time. Técnicos vão nos venerar, o chefão Roman Abramovich estará batendo suas palmas como sempre bate quando o nosso time vence. Só que desta vez, o magnata sairá de Munique com a sensação de dever cumprido. Até este momento, pelo menos eu estarei de joelhos chorando e gritando “C’mon Blues”.

É questão de horas para os guerreiros ingleses entrarem em campo e nos mostrar o maior rugido, o rugido de quem manda na selva. E nesta selva não tem lugar para alemão. Vale ressaltar que qualquer coisa que dê errado no sábado, será zebra. Mas este assunto está proibido, a partir de agora na mente de qualquer torcedor do Chelsea. Falhar na UCL saiu do nosso dicionário quando Terry chutou aquela bola na trave, contra o United.

AGORA É CABEÇA ERGUIDA, CONCENTRAÇÃO E ” C’MON BLUES “.

Renato Felipe