Loftus-Cheek teve boas chances no primeiro tempo (Foto: Twitter oficial Chelsea FC)

Um pedido a Conte: não se esqueça de Loftus-Cheek

Mais uma vez o Chelsea entrou em campo e não mostrou qualidade suficiente para deixá-lo com os três pontos. Contra o Swansea, o clube londrino voltou a mostrar pouca criatividade, apesar de muito tocar a bola. No entanto, como esperança para o torcedor, uma figura buscou o jogo a todo tempo e mais uma vez mostrou personalidade impressionante: Ruben Loftus-Cheek.

O jogador inglês de 20 anos comandou o meio-campo dos Blues enquanto esteve em campo. Sem Willian, poupado, e com outros jogadores mostrando um futebol muito aquém do que já demonstraram, o garoto chamou a responsabilidade para si, recuperou bolas, driblou, finalizou e correu demais. Cansaço, aliás, é a única razão que explica sua saída durante o jogo para a entrada de Falcao García.

Em um momento em que especula-se a contratação de vários jogadores de meio-campo, figuras como Radja Nainggolan, Arturo Vidal, Miralem Pjanic e N’Golo Kanté, faço um apelo ao treinador Antonio Conte, que assumirá o Chelsea na próxima temporada: contrate bons jogadores, mas não se esqueça de Loftus-Cheek. Os fundamentos para tal pedido são vários: o garoto tem custo muito baixo, identificação com o clube, sempre se entrega ao máximo, tem muita técnica e, além disso, pode desempenhar diferentes papéis no meio-campo.

Atuando em uma composição mais sólida do que a desta péssima temporada, não há como não imaginar o jovem obtendo desempenho ainda mais prodigioso do que o atual. Embora não tenha usado muitos jovens na Juventus, um em especial passou pelas mãos do italiano e desde então vem se tornando um dos meio-campistas mais disputados pelos grandes clubes do futebol mundial: ninguém menos que Paul Pogba. Aqui, não pretendo criar o peso de uma comparação, mas demonstrar que uma ótima saída para o futuro do Chelsea é o desenvolvimento de Loftus-Cheek.

Mapa de passes de Loftus na partida contra o Swansea é bem esclarecedor (Foto: Reprodução/Squawka)
Mapa de passes de Loftus na partida contra o Swansea é bem esclarecedor (Foto: Reprodução/Squawka)

Em partidas da Premier League, o jogador tem excelentes números. Sua média de acerto de passes registra 88%, a de finalizações no gol é de 60%, bem como a de desarmes, e o jogador não cometeu nenhum erro defensivo. Tudo bem, são poucos jogos e também poucos minutos em campo, mas diante de uma realidade em que os “figurões” pouco produzem, as performances de Loftus enchem o coração do torcedor azul de esperança.

Suas passadas largas, capacidade de condução de bola e constante participação na partida revelam características que não são fáceis de se encontrar no mundo da bola. No entanto, a despeito de todas essas qualidades, o que mais tem impressionado é a dedicação do jogador, incapaz de se omitir dos jogos, independente do momento por que passa o clube. Tal talento não pode ser desperdiçado. As contratações para a meia-cancha são muito necessárias, mas devem dar suporte à evolução do garoto inglês e não tirar seu espaço.

Especificamente no jogo contra os Swans, Loftus-Cheek foi muito bem. O mapa de seus passes, mostra com precisão o quão ativo o jogador foi durante o tempo em que esteve em campo. Que fique claro, também, que, de forma alguma, este texto representa uma espécie de “corneta-prévia” ao treinador que sequer chegou, ele apenas clama pelo reconhecimento da qualidade de um garoto que vem mostrando individualmente o que coletivamente o Chelsea não vem conseguindo.

As palavras contidas nessa reportagem condizem à opinião do autor, não tendo qualquer relação com o Chelsea Brasil.

Compartilhe

Comments

Category: Colunistas

Tags: