David Luiz está de volta ao Chelsea (Foto: Getty Images)

‘Desespero’ foi a palavra-chave para o Deadline Day

Uma semana após o Deadline Day, o último dia da janela de transferências ainda é pauta para assuntos. Principalmente no Chelsea. As contratações de Marcos Alonso, ex-Fiorentina, e David Luiz, ex-PSG, mostraram o quão desesperado o time de Londres estava no mercado.

Na última terça, escrevi um texto explicando que os Blues precisavam de defensores para lutar pelos troféus. O problema, é que a diretoria não soube escolhê-los. Tanto Alonso quanto David Luiz não são jogadores que estão no nível para atuar em Stamford Bridge.

Parece contraditório, com o que eu mesmo afirmei na semana passada, mas baseio-me em fatos. Falando primeiramente do lateral-esquerdo, ele chega para suprir uma necessidade que Antonio Conte não escondeu que possuía: um canhoto. César Azpilicueta, dono da posição atualmente, precisou se adaptar para atuar por ali.

Alonso já teve duas passagens pela Premier League. Os dois clubes foram Bolton e Sunderland, no qual em ambos, seu desempenho foi de satisfatório para baixo. É bem verdade que evoluiu seu futebol na Fiorentina, mas o espanhol atuava em uma liga que está abaixo do nível do campeonato inglês. Nomes como Salah e Cuadrado (ambos, ex-Chelsea) não deram certo no Reino Unido. Por outro lado, são peças fundamentais nas suas equipes na terra da bota.

Já o zagueiro brasileiro, David Luiz, é um velho conhecido nosso. Não estou falando apenas de Chelsea. Também comento de seleção brasileira. Um atleta afobado, que se deixa tomar pelas emoções muito facilmente e acha que pode resolver o jogo a qualquer hora. Tem sua imposição física, sabe desarmar, no entanto, abre uma cratera na defesa quando vai ao ataque. E no contra-ataque do adversário já sabemos: se virem volantes! Os homens de meio-campo precisam cobrir os espaços e o perigo mora aí.

O mais engraçado é que a diretoria dos Blues voltou seus olhos para o ‘Sideshow Bob’ poucos dias depois de uma atuação terrível do brasileiro pela Ligue 1, onde o PSG foi derrotado pelo Monaco por 3×1.

José Mourinho havia conseguido a proeza de vendê-lo por 50 milhões de libras, tornando-o zagueiro mais caro da história. Se fizermos uma conta rápida, somando-se os 20 milhões pagos nele na época de Benfica mais os 32 de agora, obtivemos prejuízo financeiro em tantas transações envolvendo David Luiz. Claro que o marketing, venda de camisas, etc. retornará o dinheiro. Mas excluindo-se isso, é um absurdo que a cúpula dos Blues não tenham analisado tais fatos.

A grande verdade é que a falta de movimentação do Chelsea no mercado nos trouxe mais uma vez a contratações desesperadas. Quem se lembra de Papy Djilobodji há um ano? Ele sequer esteve em campo. Precisamos de planejamento, urgente.

Espero do fundo do meu coração que Alonso e David Luiz calem minha boca e que sejam grandes atletas com a camisa azul. De verdade. Mas a esta altura do campeonato, não consigo entender suas compras, me desculpem.

As palavras neste texto condizem com a opinião do autor, não tendo qualquer relação com o Chelsea Brasil.

Compartilhe

Comments

Category: Colunistas

Tags: