lampard

A volta de Lampard seria incrível, mas o Chelsea precisa de uma nova geração de ídolos

Durante essa semana, Frank Lampard anunciou que deixaria o New York City FC. Inevitavelmente, o coração do torcedor do Chelsea já bateu mais forte e começou a sonhar com a volta do nosso eterno camisa 8. Confesso que me emocionei só de pensar na possibilidade. Seria como recuperar um pouco do sentimento que o clube tem nos tirado nas últimas temporadas. No entanto, precisamos começar a criar novos ídolos.

Por mais triste que seja admitir isso, é impossível evitar que nossas atuais referências parem de jogar ou até deixem o lado azul de Londres. Primeiramente porque o tempo passa para todos e segundo porque nós sabemos como a diretoria do Chelsea costuma tratar aqueles que dão tudo pelos Blues. E isso não é algo pelo qual podemos nos orgulhar.

Da geração mais recente, apenas John Terry segue vestindo a camisa azul. Lampard, Didier Drogba, Petr Cech, Ashley Cole. Todos deixaram o Stamford Bridge e, assim como nosso capitão, seguem firme no caminho da aposentadoria. É ruim lembrar, mas infelizmente não os teremos para sempre. Até José Mourinho, que também é considerado uma grande referência quando falamos de Chelsea, já seguiu outros rumos e não é mais o mesmo.

(Foto: Darren Walsh/Chelsea FC)
(Foto: Darren Walsh/Chelsea FC)

Não existe fórmula para a idolatria e nem dá para forçar alguma situação. É claro que não é tarefa simples formar ídolos. Se fosse, não sofreríamos tanto. Mas é algo que nós – e quando digo nós, falo no clube como um todo – precisamos nos empenhar para que aconteça. É importante manter a filosofia e o sentimento do que o Chelsea representa vivo por gerações. E se existe algo que a temporada passada nos mostrou é que a alma de uma equipe pode ser facilmente perdida.

Vejo que esse ano já está trazendo novas referências para os torcedores dentro da equipe. Ok que hoje em dia fica difícil idolatrar alguém sabendo que a qualquer momento outro clube pode oferecer mais dinheiro e tirá-lo de você. Mas vamos torcer para que a identificação ainda seja o suficiente.

As palavras neste texto condizem com a opinião do autor, não tendo qualquer relação com o Chelsea Brasil.

Compartilhe

Comments

Category: Colunistas

Tags: