A base vem forte mais uma vez, e precisa ser valorizada

Partidas como a vitória sobre o Nottingham Forest são de extrema importância para o Chelsea, mas em um aspecto não tão valorizado pelos torcedores. Quem se preocupa apenas com as noites de glamour da Champions League e os clássicos da Premier League não vê como os clubes trabalham suas jovens promessas nas copas domésticas. Essa prática também é recorrente no Chelsea, e precisa ser mais valorizada.

O triunfo sobre o Forest teve, a princípio, a grata surpresa de Charly Musonda Jr entre os titulares. O belga de apenas 20 anos vem se destacando desde a pré-temporada, e flertou com empréstimos antes do início dos jogos oficiais. Felizmente, o meia atacante se manteve no clube, e agora se mostra boa opção não só para jogos menores, mas para um processo de desenvolvimento e renovação do elenco.

Ampadu foi o primeiro jogador nascido neste milênio a jogar pelo Chelsea (Foto: Goal.com)

Ao longo da partida, vimos mais boas novidades em campo. As entradas de Clarke-Salter e especialmente de Ethan Ampadu deram nova esperança de que o Chelsea irá olhar mais para sua base. Ampadu, por exemplo, nasceu no ano 2000 e fez ontem sua estreia no time profissional. Assim como Clarke-Salter, Ampadu foi muito bem criticado na trajetória pelas categorias de base, e agora ambos começam a receber oportunidades de lidar com jogos maiores e altos níveis de pressão, tanto das partidas como dos próprios jogadores em campo.

Antonio Conte vem se mostrando um grande companheiro de todo o elenco – salve exceção que nem precisa ser nomeada no texto. Ele acompanha muito os jovens jogadores, e por esse motivo, espera-se que o próximo ciclo de jogadores dos Blues seja construído com todo o cuidado que a grandeza que o clube indica.

As palavras neste texto condizem com a opinião do autor, não tendo qualquer relação com o Chelsea Brasil.

Category: Opinião

Tags:

Article by: Lucas Sanches