Ausência de Diego Costa na Euro pode ser fundamental ao Chelsea

A convocação da Seleção Espanhola para a Euro 2016 gerou questionamentos. As ausências de Saúl e Isco foram alguns dos pontos mais atacados, bem como a presença de Lucas Vázquez. Houve até quem pedisse o retorno de Fernando Torres à Fúria. A despeito disso, o esquecimento de Diego Costa por parte de Vicente Del Bosque não causou espanto.

Tendência que já vinha sendo verificada nas convocações recentes, a não inclusão do hispano-brasileiro não causou nenhuma surpresa; por vários motivos. Diego não fez uma grande temporada; Aritz Aduriz e Álvaro Morata certamente vivem momento melhor em suas carreiras; e Costa não conseguiu ainda repetir as boas performances em clubes com a camisa espanhola (até o momento, são 10 jogos e apenas um gol marcado).

Oficialmente, Del Bosque inferiu que a ausência se deveu em razão da condição física do jogador. Será essa a verdade? Não é possível concluir, o fato é que, preterido, Diego terá férias e poderá se preparar devidamente para a temporada vindoura.

É bem verdade que o jogador tem tido sua saída do Chelsea especulada, mas, no momento, os rumores não estão fortes, o que nos permite imaginar a temporada 2016-2017 dos Blues com a presença de Diego, cujo contrato com o clube de Stamford Bridge vige até 2019.

Com férias completas, o camisa 19 terá condições de descansar devidamente e preparar-se para o próximo ano sem quaisquer restrições. No decorrer da temporada recém-finda, o atacante chegou a afirmar que se apresentou para a referida acima do peso – o que era visível durante as transmissões de jogos e em fotos -, responsabilizando tal fato por sua má forma no início da campanha. Com tempo para se preparar, Diego não terá como repetir a justificativa de 2015-2016.

“Vou ser honesto, há algumas semanas não estava no meu melhor. Me lesionei no final da temporada passada, logo saí de férias e voltei acima do peso”, disse à época.

Diego admitiu excesso de peso durante a última temporada
Diego admitiu excesso de peso durante a última temporada

Fora da Euro, Costa também poderá concentrar-se em evitar novos problemas físicos. Excluído do selecionado espanhol, não só não correrá o risco de se lesionar e chegar para a pré-temporada sem condições como também dará a seus músculos tempo para uma recuperação decente, diminuindo sua propensão a lesões na próxima temporada. Lesões, aliás, têm sido uma das grandes e preocupantes questões em sua carreira – assim como os cartões.

Tecnicamente, Diego Costa está muito à frente de seus atuais concorrentes no Chelsea. É claro que isso pode e deve mudar, com a possibilidade de novas contratações. No entanto, tendo seu camisa 19 em forma e na “ponta dos cascos”, é evidente que os Blues estão bem servidos. Mesmo sem ter feito grande temporada em 2015-2016, no cômputo geral, o hispano-brasileiro ainda tem uma boa marca pelo clube londrino: 76 partidas e 36 gols, média de 0,47 gol por jogo.

Afastado da competição continental que acontecerá na França, Diego tem a chance de se concentrar apenas no Chelsea, até mesmo em razão de um retorno à Fúria estar condicionado à melhora de sua forma em Stamford Bridge. Razões não faltam para acreditar que a temporada 2016-2017 mostrará um jogador com a habitual sede de vitórias, neste turno, porém, possivelmente melhor preparado.

As palavras escritas nesse texto condizem com a opinião do autor, não tendo qualquer relação com o Chelsea Brasil.

Comentários

Category: Opinião

Tags: