Terceiro Tempo: É o que esperávamos!

Quando o Chelsea teve uma punição imposta pela FIFA que o impedia de contratar, Hazard saiu e Lampard foi anunciado como treinador, era esperado que teríamos uma difícil temporada de reconstrução. E ela está acontecendo.

Primeiro Tempo: Derrotas e frustrações, como lidar?

O torcedor do Chelsea está acostumado com um time vitorioso, que sempre luta pelos títulos, vence adversários difíceis e consegue pelo menos uma taça por temporada, até nas mais complicadas.

Recentemente, uma brincadeira rodou a internet, a chamada “10 Years Challenge” – desafio dos 10 anos – se baseava em mostrar as mudanças e as conquistas de cada um, que aconteceram entre 2009 e 2019.

Alguns torcedores fizeram essa arte com os clubes ingleses, e o Chelsea foi quem conquistou mais troféus nesse período. Com uma Champions League, duas Europa League, três Premier League, quatro FA Cup e uma Copa da Liga, o Chelsea ficou à frente dos times de Manchester, do Liverpool e dos rivais londrinos Arsenal e Tottenham, que não venceram muita coisa no período (os Spurs não ganharam nenhum troféu).

Tammy Abraham é um dos novos expoentes (Foto: Chelsea FC)

Portanto, a torcida não sabe lidar muito bem com uma temporada de reconstrução. Mesmo que o pensamento ao início da temporada fosse o de resiliência, entender que esse não é um dos nossos times mais fortes, e o treinador não é um dos mais experientes, existe uma cobrança de que o Chelsea vença alguns confrontos, como West Ham ou Bournemouth.

Cobram Frank Lampard por erros na parte defensiva, cobram jovens como Mason Mount e Hudson-Odoi por oscilar e cobram uma sequência de vitórias da equipe, jogando o mesmo futebol que conseguiu jogar em alguns momentos da temporada.

O torcedor não está errado de cobrar, mas é necessário entender que a temporada é de reconstrução e que estamos apostando nos jovens para construir um futuro melhor e de muitas conquistas.

O próprio treinador é jovem e está interessado em promover mudanças pessoais e na equipe para extrair o melhor do Chelsea. E ele consegue mostrar isso em algumas partidas, como na última vitória contra o Tottenham.

Segundo Tempo: Vitória necessária

Toda vitória é importante. Mas essa contra o Tottenham foi especial. Foram vários fatores positivos para o time, treinador, torcida e temporada.

Para começar, uma vitória no novo estádio do Tottenham, uma vitória contra um adversário do “Big Six”, que era algo que Lampard perseguia desde que chegou aos Blues. Pensando na tabela, vitória vital. Uma distância, em pontos, que cairia para 0, foi para 6 com a vitória, manutenção da gordura no top4 da Premier League, já pensando na Champions da próxima temporada.

Uma vitória crucial (Foto: Chelsea FC)

Mas o mais importante da vitória foi a evolução de Lampard como treinador. Enfrentar José Mourinho é sempre um jogo de xadrez, e nesse jogo, Frank conseguiu um cheque mate, evidente durante os 90 minutos da partida.

Lampard acertou já na escalação inicial, com Tomori, Zouma e Rudiger na linha defensiva, Alonso e Willian soltos pelo lado esquerdo, explorando a fraqueza de Aurier, e Mount encostando no Abraham, mas com extrema liberdade para transitar por toda a área ofensiva do time, criando e se movimentando o jogo inteiro e confundindo a defesa montada por José.

Um esquema 3-4-3 com diversas modificações baseadas nas situações de jogo, que se mostrou uma arma importante de Frank para jogos contra adversários mais complicados, como é o Tottenham, e como será o Bayern nas oitavas da Champions League.

O clean sheet, sem muitos sustos, contra os Spurs, fazem com que essa formação seja a prova de que Lampard quer e consegue melhorar o time, aumentar seu leque de opções táticas e o enche de confiança para continuar no cargo de manager do Chelsea. Além de fazer com que a torcida desconfie menos do potencial de seu treinador.

Prorrogação: A janela vai abrir!

No inicio da temporada o time não podia contratar, no meio dela vai poder. A punição caiu e o time poderá agir. O nome da vez é o de Jadon Sancho. O inglês de 19 anos do Borussia Dortmund é um dos jovens mais promissores do futebol mundial. Na atual temporada, são 15 jogos, com 9 gols e 9 assistências na Bundesliga.

O jovem pode atuar pelas duas pontas. Mas é uma aposta. Parte dos torcedores acreditam que Sancho é um jogador muito maduro para a idade, e por isso, o consideram como uma realidade.

Vem reforço aí? (Foto: Chelsea FC)

Porém, mesmo para um jogador com tanto talento, a idade pesa, e a confiança precisa estar sempre lá no alto para que as boas atuações continuem.

É uma excelente aposta, mas é uma aposta. E é uma aposta que grandes equipes precisam fazer. O Chelsea precisa trazer Sancho para se colocar entre os gigantes do futebol mundial, já que ele tem potencial para se colocar entre os melhores do mundo futuramente.

Além dele, Ben Chilwell do Leicester também é muito especulado nos Blues. O lateral esquerdo pode resolver um problema que o elenco enfrenta na temporada. Lampard alterna entre Alonso e Emerson, que não convencem, e já chegou até a testar Azpilicueta na posição. Chegaria para jogar e resolver, assim como Wan-Bissaka resolveu a lateral do Manchester United nessa temporada.

Outros nomes que surgem são de Zaha e até de Vinicius Jr. O Chelsea precisa saber como contratar. O time atual é repleto de jovens. Tem que contratar com sabedoria, para não frear o crescimento dos nossos jovens talentos, que tem muito potencial.

O time precisa se reforçar se quiser brigar por coisa boa na temporada e se colocar no patamar de Liverpool, City e os gigantes europeus, mas o dinheiro tem q ser investido de forma correta, para que não voltemos a errar com novos Moratas, Bakayokos ou Drinkwaters.

Victor Rosa

Curso jornalismo e carrego o sonho de trabalhar acompanhando futebol todos os dias da minha vida. #GoBlues #KTBFFH